A pandemia na vida dos gamers – Websérie gamer é indicada em três categorias no Rio Webfest

Durante a pandemia de coronavírus, muitas pessoas passaram por situações difíceis. Os games tiveram papel importante para essas pessoas, a fim de mitigar a solidão, uma vez que conectados, os amigos puderam se reunir para se divertir. É justamente esse o tema da websérie “A pandemia na vida dos gamers”, produzida pelo fotógrafo especializado em games Marcos Hunger, do canal Eai, Pai Gamer.

A websérie acaba de ser indicada a três categorias do festival internacional Rio Webfest, tornando-se a única representante do tema gamer a competir no evento. Para quem não assistiu, a série reúne diversos acontecimentos na vida de dez gamers. O primeiro episódio estreou dia 18 de junho com os relatos de Bryanna Nasck, Fer Sicuro, JRG, Willi Weiss e Bernardo Dias. Já o segundo ficou online no dia 25 e traz os depoimentos de Ricardo Juarez, Beatriz Goiss, Duda Rejas, Gabriel Faria e Frank Pereira.

Os destaques ficam para a emocionante história do rapper JRG, que perdeu a mãe para a covid-19 e seu último presente recebido dela foi justamente um jogo de PS4; tem também a locução do ator/dublador Ricardo Juarez no texto introdutório da temporada; há relatos de quem voltou a jogar para desestressar no isolamento, quem começou a fazer streaming porque perdeu o emprego e várias outras histórias diferentes e emocionantes.

Websérie “A pandemia na vida dos gamers” conquista o mundo

A websérie começou a rodar o mundo sendo indicada para o festival italiano Apulia Webfest e para o Festival de Cine Latino Americano – Texas, nos EUA. No Brasil, foi indicada para o FestCine Pedra Azul, no Espírito Santo, e agora teve a surpresa de três indicações em um dos maiores festivais de websérie do mundo, o Rio Webfest.

As indicações foram para as categorias Melhor Série de Variedades, Melhor Vlogger e Melhor Roteiro Não Ficção. O anúncio dos vencedores será dia 28 de novembro. A websérie é a única representante sobre gamers. Para assistir a série, clique aqui.

Museu do Ipiranga lança game MID – Museu do Ipiranga em Defesa, como parte das comemorações do mês da Independência

Em tempos de pandemia, algumas das instituições que mais sofreram com queda de público foram os museus. Essa situação levou diversas instituições a planejarem ações que evidenciassem seus trabalhos e atraísse as atenções do público para seus respectivos acervos. Uma das que mais investiram em alternativas foi o Museu do Ipiranga de São Paulo, que acaba de lançar o game MID – Museu do Ipiranga em Defesa.

Disponível para as plataformas Android, iOS, Windows, Mac e Xbox Series X/S e Xbox One, novo game é inteiramente gratuito e livre para todas as idades; em MID, jogadores correm contra o tempo, enfrentam robôs futuristas que querem destruir o acervo histórico, e desvendam segredos de quebra-cabeças de obras do acervo do Novo Museu do Ipiranga

MID – Museu do Ipiranga em Defesa é um jogo single-player que pode ser baixado gratuitamente e jogado pelo aplicativo Museu do Ipiranga Virtual. Desenvolvido em parceria com a Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, o programa é compatível com as plataformas Android, iOS, Windows, Mac, Xbox Series X|S e Xbox One, e está disponível para download aqui.

Na trama, um experimento com uma inteligência artificial avançada saiu do controle, colocando os robôs em guerra com os humanos. As máquinas chegam à conclusão de que só o presente importa, e as informações do passado só atrapalham. Elas planejam, então, acabar com toda história e sua preservação, e decidem voltar no tempo para roubar e destruir todo acervo do Museu do Ipiranga. Com a ajuda de um robô amigo, os jogadores devem pôr um fim ao plano dos robôs do futuro, garantindo a segurança e integridade do precioso acervo do Museu.

Descrição gerada automaticamenteNo aplicativo Museu do Ipiranga Virtual, usuários também podem realizar a montagem, em três níveis de dificuldade, de quebra-cabeças de obras que fazem parte do acervo do Novo Museu do Ipiranga, como as pinturas Desembarque de Cabral, de Oscar Pereira da Silva, Retrato de Maria Quitéria, de Domenico Failutti, e o famoso quadro Independência ou Morte, de Pedro Américo. Além disso, no menu do aplicativo, também há a opção “Visitar”, em que os usuários podem fazer um tour pelas áreas externas e internas do Museu e conhecer exposições que vão além dos espaços físicos da instituição, como Personagens da Independência, Cartões Postais de São Paulo e Dirigíveis de Santos Dummont.

No ambiente digital, além do lançamento do game, o Museu do Ipiranga deu início a uma série de vídeos sobre itens do acervo que poderão ser vistos em sua reabertura, como a famosa tela de Pedro Américo, Independência ou Morte, e a pedra fundamental, que foi enterrada nos campos do Ipiranga para assinalar o lugar da proclamação de 1822. Quem lidera este passeio pelo acervo é o ator, humorista e influenciador digital Ivan Mesquita, que viralizou em seu perfil do Instagram após contar a história da heroína da Independência na Bahia, Maria Quitéria, de forma descontraída e engraçada, usando o retrato dela pertencente ao acervo do Museu. Serão 12 vídeos a serem lançados mensalmente pelas redes sociais, até o momento da reabertura.

O Museu do Ipiranga também realizou diversas ações em comemoração ao Dia da Independência, no último 7 de setembro. A instituição lançou o pocket show João Bosco no Museu celebra Aldir Blanc, gravado dentro do Edifício-Monumento em reforma. O vídeo mostra um passeio do músico por diversos ambientes do Museu, enquanto fala sobre seu parceiro homenageado e a instituição centenária. Dentre as ações especiais, também foi inaugurado um totem com um relógio em frente ao Museu com a contagem regressiva para a reabertura do espaço, que está prevista setembro de 2022.

InfoJobs elenca 5 vantagens de incorporar a gamificação nos processos seletivos

Encontrar, conquistar e reter talentos são algumas das tarefas mais complexas para o setor de recursos humanos nos dias de hoje. Isto ocorre pela dificuldade em encontrar mão de obra capacitada para as vagas que os recursos humanos necessitam para ocupar os mais variados cargos. Algumas empresas já começam a apostar na gamificação para identificar talentos.

Uma das empresas que estão atentas a essa técnica é a InfoJobs, que vê a gamificação como uma ferramenta inteligente que torna os processos seletivos mais dinâmicos e interessantes – tanto para os candidatos quanto para os recrutadores.

De acordo com Adilson Souza, Sales Manager da InfoJobs, uma gamificação eficiente deve ter elementos como: desafios, objetivos, recompensas (pode ser pontos), níveis para avançar, história, motivação para continuar, diversão e competição saudável.

“Ao criar uma experiência imersiva e interativa, utilizando elementos de jogos, é possível avaliar e identificar habilidades que não seriam descritas no currículo ou comprovadas com certificados. Fora isso, o elemento lúdico ajuda a descontrair o momento que pode ser angustiante e estressante para a maioria dos profissionais”, afirma Souza.

Dentro desse contexto, o executivo separou cinco principais vantagens em incorporar gamificação nos processos seletivos.

1. Aumento do engajamento: isso porque a gamificação estimula os profissionais a cumprirem cada etapa, e internamente acontece até uma interação entre os participantes da atividade para acompanhar a evolução.

2. Maior motivação: sempre que temos um objetivo e uma recompensa a motivação torna-se maior, além disso, a mente humana gosta de superar desafios, por isso essa inovação é tão eficiente.

3. Treinamentos mais eficientes: essa prática permite que os colaboradores tenham uma experiência mais positiva e maior absorção do conteúdo, isso porque vão desenvolver novas habilidades, mas de forma mais lúdica e simples, tirando o aspecto cansativo dos treinamentos.

4. Experiência do candidato: com a gamificação é possível reduzir a tensão da avaliação dos processos seletivos e os candidatos tendem a ter um desempenho mais positivo.

5. Satisfação e marca empregadora: para candidatos e colaboradores a gamificação torna os processos mais fluidos e aumenta a interatividade com a empresa. Esses são pontos importantes para garantir a satisfação, e assim, conquistar recomendações, reter talentos e melhorar a reputação da empresa.

“A gamificação por si só não vai garantir o fim de todos os problemas de uma empresa. Porém, se bem aplicada, com uma ferramenta de qualidade e confiança, pode e deve gerar melhores resultados, como os citados acima”, acrescenta Adilson Souza.

Por conta da pandemia, inclusive, os processos seletivos de muitas empresas passaram a ser feitos internamente online, o que acabou aumentando a procura por ferramentas digitais, como o PandaPé, software de digitalização de processos seletivos do InfoJobs, que iniciou uma parceria com a Seppo, ferramenta online de gamificação, para tornar os processos ainda mais dinâmicos e interessantes.

“Além dos muitos benefícios para os candidatos, a prática também pode ser aplicada com os colaboradores, para garantir maior engajamento e produtividade. Por exemplo, o InfoJobs realizou recentemente a ‘InfoOlimpíadas’, dinâmica na qual havia atividades “olímpicas” entre os funcionários, com base em gamificação. A ideia era, além de diverti-los, reforçar a cultura com o game, falando da história, valores e produtos da empresa”, finaliza o executivo.