USP faz premiação de jogos sociais com criptomoedas

O Pitch for Change, etapa competitiva do IX Festival Games for Change (G4C) América Latina, organizado pela USP (Universidade de São Paulo) premiou com “Moedas da Paz” os melhores projetos de games e jogos analógicos com propostas de impacto social. Dos 25 concorrentes, do Brasil mas também do México e Portugal, a primeira colocação foi para “Memorelas”, um jogo não-digital com mensagem feminista. As apresentações e premiações ocorreram neste domingo, dia 14 de novembro, com patrocínio do Consulado dos EUA, em São Paulo.

Joana Carolina Schossler apresentou um jogo não-digital de valorização da memória das mulheres e um quebra-cabeça intitulado “Revolucionárias”. Além do certificado, ela recebeu 26 mil “Peace Coins”, criptomoedas criadas no Japão e que já começaram a circular na “blockchain”, a mesma infraestrutura usada pela bitcoin e outras criptomoedas.

A comissão julgadora decidiu premiar três projetos para o segundo lugar. Alejandro Isamu Ito Abrejo, do México, apresentou o projeto de áudio-jogo para pessoas com deficiência visual. Já as competidoras Helena e Mariana Castro trouxeram o jogo Quem matou Machado de Assis, inspirado na obra do criador da Academia Brasileira de letras. E Vania Maria Vargas também foi premiada com o jogo para orientar as crianças para os cuidados com a diabetes. Os vencedores vão dividir o prêmio de 10 mil Peace Coins.

O terceiro lugar foi para Any Caroline de Sousa, com o projeto Salva Guarda Digital, que propõe um resgate da memória do município de Niterói (RJ). Any levou 6 mil Peace Coins e recebeu o certificado do evento.

O G4C teve ainda duas menções honrosas. Uma foi para a Jacque Baumgratz pelo projeto de Rede de Proteção, que orienta ainda sobre o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). A equipe de Portugal, formada pelos alunos Lucas, Manuel e Simão, orientados pelo professor Mateus, também recebeu menção honrosa com o jogo para as pessoas com deficiências motoras ou intelectuais.

“Foram projetos excelentes e uma inovação, a premiação com criptomoedas que dão visibilidade ao valor da gratidão. Dos 25 projetos apresentados, 19 tiveram nota acima de oito, e dez projetos alcançaram nota acima de nove. Vamos continuar em contato com todos os participantes fazendo um trabalho de promoção em redes internacionais”, ressaltou Gilson Schwartz, coordenador do Festival Games for Change América Latina, professor do Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

O IX Festival Games for Change (G4C) América Latina foi realizado entre os dias 12 e 14 de novembro com a proposta de compartilhar conhecimento, criar jogos e apoiar a circulação de Moedas da Paz. Além disso, o evento organizado pela USP promoveu o networking social e profissional e sessões temáticas.

Os interessados poderão assistir todos os eventos do G4C por meio do Canal do YouTube e da grade de programação disponível no site do festival.

 

Sobre Games for Change

Desde 2010 no Brasil, o Festival Games for Change (G4C) América Latina tem capacitado criadores de jogos e inovadores para impulsionar mudanças no mundo real, usando jogos e mídia envolventes, que ajudam as pessoas a aprender, melhorar suas comunidades e contribuir para tornar o mundo um lugar melhor. O G4C tem como parceiros empresas de tecnologia e jogos, organizações sem fins lucrativos, fundações e agências governamentais, que contribuem para a realização de eventos em todo mundo.

G4C oferece ainda suporte a uma comunidade global de desenvolvedores de games, que trabalham no uso de jogos para enfrentar os desafios mundiais, desde conflitos humanitários até mudanças climáticas e educação. Para mais informações, aqui.

Museu do Ipiranga lança game MID – Museu do Ipiranga em Defesa, como parte das comemorações do mês da Independência

Em tempos de pandemia, algumas das instituições que mais sofreram com queda de público foram os museus. Essa situação levou diversas instituições a planejarem ações que evidenciassem seus trabalhos e atraísse as atenções do público para seus respectivos acervos. Uma das que mais investiram em alternativas foi o Museu do Ipiranga de São Paulo, que acaba de lançar o game MID – Museu do Ipiranga em Defesa.

Disponível para as plataformas Android, iOS, Windows, Mac e Xbox Series X/S e Xbox One, novo game é inteiramente gratuito e livre para todas as idades; em MID, jogadores correm contra o tempo, enfrentam robôs futuristas que querem destruir o acervo histórico, e desvendam segredos de quebra-cabeças de obras do acervo do Novo Museu do Ipiranga

MID – Museu do Ipiranga em Defesa é um jogo single-player que pode ser baixado gratuitamente e jogado pelo aplicativo Museu do Ipiranga Virtual. Desenvolvido em parceria com a Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, o programa é compatível com as plataformas Android, iOS, Windows, Mac, Xbox Series X|S e Xbox One, e está disponível para download aqui.

Na trama, um experimento com uma inteligência artificial avançada saiu do controle, colocando os robôs em guerra com os humanos. As máquinas chegam à conclusão de que só o presente importa, e as informações do passado só atrapalham. Elas planejam, então, acabar com toda história e sua preservação, e decidem voltar no tempo para roubar e destruir todo acervo do Museu do Ipiranga. Com a ajuda de um robô amigo, os jogadores devem pôr um fim ao plano dos robôs do futuro, garantindo a segurança e integridade do precioso acervo do Museu.

Descrição gerada automaticamenteNo aplicativo Museu do Ipiranga Virtual, usuários também podem realizar a montagem, em três níveis de dificuldade, de quebra-cabeças de obras que fazem parte do acervo do Novo Museu do Ipiranga, como as pinturas Desembarque de Cabral, de Oscar Pereira da Silva, Retrato de Maria Quitéria, de Domenico Failutti, e o famoso quadro Independência ou Morte, de Pedro Américo. Além disso, no menu do aplicativo, também há a opção “Visitar”, em que os usuários podem fazer um tour pelas áreas externas e internas do Museu e conhecer exposições que vão além dos espaços físicos da instituição, como Personagens da Independência, Cartões Postais de São Paulo e Dirigíveis de Santos Dummont.

No ambiente digital, além do lançamento do game, o Museu do Ipiranga deu início a uma série de vídeos sobre itens do acervo que poderão ser vistos em sua reabertura, como a famosa tela de Pedro Américo, Independência ou Morte, e a pedra fundamental, que foi enterrada nos campos do Ipiranga para assinalar o lugar da proclamação de 1822. Quem lidera este passeio pelo acervo é o ator, humorista e influenciador digital Ivan Mesquita, que viralizou em seu perfil do Instagram após contar a história da heroína da Independência na Bahia, Maria Quitéria, de forma descontraída e engraçada, usando o retrato dela pertencente ao acervo do Museu. Serão 12 vídeos a serem lançados mensalmente pelas redes sociais, até o momento da reabertura.

O Museu do Ipiranga também realizou diversas ações em comemoração ao Dia da Independência, no último 7 de setembro. A instituição lançou o pocket show João Bosco no Museu celebra Aldir Blanc, gravado dentro do Edifício-Monumento em reforma. O vídeo mostra um passeio do músico por diversos ambientes do Museu, enquanto fala sobre seu parceiro homenageado e a instituição centenária. Dentre as ações especiais, também foi inaugurado um totem com um relógio em frente ao Museu com a contagem regressiva para a reabertura do espaço, que está prevista setembro de 2022.

Itaú se une ao primeiro time campeão mundial de esports do Brasil

Errou feio quem disse que os eSports não tinham futuro. Ao passo que grandes times de futebol enfrentam dificuldades e falta de apoio, no meio dos esportes eletrônicos as coisas parecem mais promissoras. Pelo menos é isso que se absorve ao ver que o banco Itaú Unibanco e a equipe MIBR acabam de firmar uma parceria inédita. A parceria prevê uma série de ações com foco na experiência de quem acompanha e torce pelo MIBR. A primeira delas já está disponível nas redes das duas empresas, um manifesto na voz do rapper e poeta brasileiro, Rincon Sapiência, o querido Manicongo.

Com um olhar que relembra toda a trajetória do MIBR, o manifesto destaca os valores do time e convida o fã a revisitar uma história emocionante e marcada por muita resiliência, que se confunde com a de todos nós. Por meio da plataforma #IssoMudaOGame, o Itaú Unibanco e o MIBR buscam impactar e transformar o ecossistema, dando visibilidade às histórias, à paixão do time e de sua torcida ao redor do mundo. A parceria contempla as equipes de CS:GO, CS:GO Feminino, CS:GO Academy e Rainbow 6 Siege.

O lançamento contempla a veiculação do manifesto da marca, produzido pela agência DRUID, nos canais digitais e redes sociais. A ação é a primeira de uma série de conteúdos nos mais diferentes formatos a longo prazo, assim como benefícios e interações dedicadas à torcida. Para Yuri “Fly” Uchiyama, diretor do MIBR, a parceria é uma grande celebração à comunidade, o que faz do time um dos gigantes dos esports no mundo, e ao trabalho de todos que buscaram este crescimento.

“Muito antes de adentrar a diretoria eu aprendi a torcer, competir e a sonhar com o MIBR. Espero que vocês se sintam representados e inspirados como eu ao ver o que vem pela frente”, diz o executivo.

O lançamento do manifesto é a primeira de uma série de ações que terão como foco a experiência dos fãs. A parceria evidenciará a história do time em seu contexto atual, seus jogadores e os torcedores e deve apresentar cada vez mais ativações em breve.

Você pode conferir o manifesto do MIBR e Itaú Unibanco abaixo: