Review: Hellblade 2 é um poema cinematográfico em formato de jogo 

Texto por: Victor Candido 

Em 2017 a Ninja Theory (desenvolvedora de jogos como Heavenly Sword, Enslaved, DMC: Devil May Cry e Bleeding Edge) resolveu lançar um jogo cuja experiência fugia de diversos padrões da indústria, e até mesmo dos jogos que eles vinham lançando até a data,  nascia ali Hellblade: Senua’s Sacrifice, um jogo com foco narrativo acima da média, onde a jogabilidade simples casou-se com uma experiência sensorial única, é um jogo onde praticamente você é obrigado a jogar com fones de ouvido devido ao seu excelente tratamento sonoro e imersão, além de trazer visuais impressionantes e captura de expressões faciais incríveis. 

Sendo um jogo que trata de um tema altamente sensível (saúde mental), acabou tornand0-se referência neste assunto, sendo uma experiência altamente precisa e talvez um dos melhores conteúdos interativos já produzidos que trata deste assunto. 

Passados sete anos, surge a sua continuação, intitulada de Senua’s Saga: Hellblade 2, uma nova experiência narrativa em formato de jogo. A primeira coisa que deve estar clara é que quem adorou o primeiro, tem a obrigação de jogar o segundo. Entretanto, aqueles que não apreciaram o estilo do primeiro game é melhor passar longe, pois é fato de que não é um jogo para todos. É aquele tipo de produto que não vai fazer um desconhecedor de games a passar a gostar desse tipo de entretenimento, pois o desconforto trazido por esse jogo traz é real graças a sua alta imersão. 

O que é Hellblade 2

Existem diversas formas de se contar uma história, seja em livros, quadrinhos, filmes,  obras de artes, músicas e por que não, jogos.  Hellblade não quer que você passe horas e horas matutando um puzzle ou enfrentando hordas de inimigos. A dinâmica aqui aqui é que você simplesmente aprecie a história.

Então o que define ele como jogo, não é exatamente a melhor coisa dele, que seria seu loop entre combate e puzzles, mas sim seus corredores lineares, onde a todo momento as vozes da cabeça de Senua lhe conta algo. Cutscenes, seu belíssimo visual, paisagens e os coletáveis, tudo está interligado a história e o conjunto disso formam o que realmente Hellblade é: um poema cinematográfico em formato de jogo. 

A história de Hellblade 2 ocorre um pouco depois do primeiro, Senua está em barco de escravos indo para a Islândia, atrás dos escravagistas que castigaram o seu povo no primeiro jogo. Esse barco naufraga e Senua deve explorar essas terras desconhecidas descobrindo a existência de gigantes e o horror que eles trazem. A grande surpresa é que a personagem não está sozinha, dessa vez existem pessoas que vão acompanhá-la e isso traz um ritmo melhor ao jogo e torna a jornada ainda mais  interessante. 

Seu texto aborda diversos temas como solidão, vingança, medos, propósitos na vida entre outros aspectos, ele não é  tão direto como o do primeiro jogo onde retratou luto de forma bastante clara, muitas coisas estão nas entrelinhas e cabe a interpretação, mas em sua camada mais fina você encontra uma jornada até mesmo de heroísmo, com diversas nuances e aquela já conhecida abordagem de saúde mental vinda do primeiro jogo segue presente. Dando ao jogador uma imersão entre realismo e alucinação. 

A escrita mostra uma maturidade muito maior do que a que foi vista no primeiro jogo, o tratamento dos diálogos, ritmo de jogo e a forma como a Ninja Theory lida com a psicose mostra um trabalho de evolução nesses aspectos o tornam Hellblade 2 muito melhor que seu antecessor. 

O combate está melhor, mas não é perfeito

Hellblade 2 melhora muito aspectos do seu antecessor, porém os puzzles continuam chatos. Felizmente esses quebra-cabeças são mais escassos e o combate está muito mais brutal, divertido e, dessa vez, as mecânicas casam perfeitamente, pois você sempre irá enfrentar um inimigo por vez, ou seja, o maior problema do combate do primeiro jogo foi corrigido. Mas apesar disso o combate segue com um fator de estranheza, pois a impressão de que se dá é que em momentos onde possui diversos inimigos na cena, eles formam uma fila e você enfrenta eles um a um, o que soa engraçado na prática. 

Outro fator ruim é a repetição de inimigos, algo bastante comum em diversos jogos, mas penso que se os combates desse jogo são tão pontuais caberia um esforço em tornar isso em menor escala, com mais inimigos únicos e formas individuais de derrotá-los e torná-los mais desafiadores, pois de modo geral o jogo é fácil. 

Ainda falando dos combates, eles são como cutscenes interativas, estão ligados diretamente a história na maioria das vezes, e possui jogos de câmeras muitos cinematográficos, além de atuações e movimentação bastante realistas. A brutalidade dos combates segue presente em um teor ainda maior que o antecessor, e  Senua aqui interpretada novamente por Melina Juergens dá um show de atuação durante o combate. A coreografia torna o impacto dos combates muito maior e mais prazeroso do que foi no primeiro jogo. 

De forma geral, é um combate competente, dentro do escopo, mas o jogo está longe de ser resumido a isso, pois definitivamente, Hellblade não é sobre isso. 

 

Em menor escala, os puzzles estão no jogo apenas para quebrar o ritmo

Um dos problemas do primeiro jogo sem dúvida alguma é a quantidade de puzzles e como eles são feitos, onde praticamente todos eles se resumem a encontrar símbolos no cenário para abrir uma passagem. Aqui isso se repete, felizmente em uma escala muito menor. 

Infelizmente os puzzles são os momentos mais fracos de Hellblade 2, todos eles são simples e como o jogo é curto fico me perguntando porque que não deram mais atenção a esse ponto, colocando desafios melhor elaborados. Certamente Hellblade 2 ganharia mais valor nesses aspectos. 

A impressão de que se dá é que os puzzles estão ali para tentar atrasar o jogador, quebrando o ritmo do jogo. 

 

A experiência está mais densa e flerta com o medo

O que torna Hellblade 2 um jogo charmoso é sem dúvida o conjunto da obra e não aspectos isolados, estamos diante de um jogo que quer te contar algo nem que isso sacrifique uma jogabilidade mais empolgante. 

Outro ponto a ser ressaltado é a sua abordagem quanto ao jogo como todo, Hellblade 2 é um flerte com o terror, desespero, solidão e trevas. Tudo isso é trazido à tona ao longo dos corredores, trilhas e campos em que Senua caminha, acompanhada pelas vozes em sua cabeça. Assim, resta ao jogador adentrar um caminho que muitas vezes vai soar perturbador, criando uma experiência que (para alguns) pode soar como um “walk simulator” onde tudo que você faz é caminhar, mas se você parar e perceber tudo que está ao seu redor é um formato de narrativa bastante interessante onde tudo que lhe cerca quer te contar algo, de forma indireta e direta. 

Existem trechos  densos e carregados de sentimentos negativos, você sente o peso disso observando o cenário, na atuação dos personagens e nos diálogos. Tudo no jogo é carregado de uma tristeza  e nessa jornada Senua deve passar por um fardo muito maior que isso e  o jogo como todo transmite isso muito que bem.

Hellblade 2

Visuais de cair o queixo e eis aqui o tal jogo de “nova geração”

Visualmente ouso dizer que nenhum jogo traz tamanho visual, até mesmo Alan Wake 2 que é um dos jogos mais bonitos já lançados.  Joguei em um PC equipado com uma RTX 3060 e com isso consegui jogar na qualidade “alta”. Com essa configuração, não obtive uma taxa de quadros estável, mas foi o suficiente para conseguir concluir o game. É impressionante o trabalho aqui feito, seja de texturas do cenário, poças de água, efeitos de iluminação, fogo, neblina, céu e a grande cereja do bolo: expressões visuais. O trabalho de detalhes nos personagens é um dos aspectos mais impressionantes

O jogo é feito na Unreal Engine 5 e talvez seja o melhor trabalho feito com esse motor até então, ainda que estejamos falando de um jogo linear, com cenários fechados, sem muitos elementos na tela como outros NPCs. Dito isso, é óbvio que é mais fácil dar essa densidade de detalhes do que em um GTA, por exemplo, ainda assim, se quiser mostrar a alguém os tais gráficos de nova geração, Hellblade 2 é o melhor até agora. Os visuais desse jogo estão em um nível tão acima que parei um pouco para brincar com o modo foto deles e as capturas presentes aqui são tiradas diretamente dele. 

 

Trabalho sonoro continua sendo um espetáculo

Assim como seu antecessor, Hellblade 2 possui diversos aviso da obrigação de jogar com fones de ouvido,  e ela faz total sentido, Senua é uma personagem que escuta vozes em sua cabeça, e são sussurros  que dão uma experiência imersiva sem tamanho ao jogador, e é impossível que outra saída de áudio faça igual, mas não é o único motivo, todo trabalho de áudio seja foley (captura de som por objetos), diálogos, explosões e nos combates estão a um patamar muito acima do primeiro, estão melhor mixados e tratados de forma artesanal para que toda essa obrigação com fones de ouvido faça total sentido. 

Hellblade 2

Conclusão: Hellblade 2: Senua’s Saga até essa data, é um marco do audiovisual quando o assunto é jogos 

Hellblade 2 é um jogo que está acima de tudo em termos visuais e tanto sua jogabilidade quanto o combate não são as melhores, mas estão longe de ser um desastre e há melhorias visíveis em relação ao primeiro. Trata-se de uma experiência linear com cerca de 7 horas de duração, dependendo do que você fizer. 

Como experiência narrativa ele brilha e muito, possui momentos sufocantes, com impressionantes atuações, combinados com um deslumbrante visual, mostrando que o jogo tem mais poder sobre esses aspectos do que com outros.  Sua conclusão é bastante incômoda, sem dar spoilers, aqui a experiência foi bem mais interpretativa do que foi visto no primeiro, deixando um gosto de “quero mais” e sinceramente torço para existir um terceiro jogo dessa franquia. 

É um jogo que me prendeu do início ao fim, pois possui um ritmo muito melhor que o primeiro jogo, sendo uma experiência melhor refinada com uma abordagem muito mais densa e melhor apreciada. Sendo uma evolução do primeiro jogo honesta e necessária. 

 

Nota: 8 (Bom)

Musashi vs Cthulhu: A fusão épica entre o Japão feudal e o horror cósmico de Lovecraft chega aos consoles

Um embate entre lendas dá vida a uma experiência de jogo eletrizante que promete prender a atenção dos jogadores mais ávidos por desafios. “Musashi vs Cthulhu”, o mais recente lançamento do estúdio independente brasileiro Cyber Rhino e publicado pela QUByte Interactive, mergulha os jogadores em uma jornada implacável, onde a perícia de um lendário guerreiro japonês é testada contra as abominações cósmicas dos mitos de H.P. Lovecraft.

Disponível em uma Amplia Gama de Plataformas

O jogo está programado para ser lançado em várias plataformas, incluindo Nintendo Switch, PlayStation 4, PlayStation 5 e Xbox One/Series X|S. E para aqueles que buscam adentrar imediatamente nesse confronto entre o samurai e os horrores cósmicos, um desconto de lançamento de 10% está disponível em todas as plataformas.

Os jogadores de PC também podem participar da ação, com a versão para Steam já disponível em acesso antecipado. A versão definitiva será lançada simultaneamente com as versões para consoles, proporcionando uma experiência de jogo coerente e envolvente em todas as plataformas.

Em “Musashi vs Cthulhu”, os jogadores enfrentam hordas intermináveis de inimigos, desafiando não apenas suas habilidades de combate, mas também sua resistência e precisão. O estilo de jogo arcade mergulha os jogadores em uma competição feroz, impulsionada pelos leaderboards, onde apenas os mais habilidosos conseguirão se destacar.

O Desafio de Musashi: Uma Luta pela Sobrevivência

O protagonista, Musashi, é atormentado por uma terrível maldição que o coloca em uma batalha pela sua própria existência. Em cada partida, ondas de monstros implacáveis o cercam, forçando-o a usar suas habilidades de guerreiro para sobreviver. Os inimigos surgem de todas as direções, exigindo precisão e habilidade para serem derrotados.

Depoimento do Designer do Jogo:

“Como todo humano que enfrentou Cthulhu, a questão não é vencer, é ver até onde você consegue lutar contra ele”, comenta Sandro Tomasetti, game designer da Cyber Rhino, sobre o desafio épico que aguarda os jogadores em “Musashi vs Cthulhu”.

Recursos do Jogo

        • Jogabilidade frenética estilo arcade, demandando reflexos rápidos e atenção total.
        • Enfrente 6 inimigos distintos, cada um com seus próprios desafios e pontos fracos.
        • Desafie seus amigos e jogadores de todo o mundo em leaderboards semanais, mensais e de todos os tempos, em busca da supremacia absoluta.

Combinando a rica história do Japão feudal com o horror cósmico dos mitos de Lovecraft, “Musashi vs Cthulhu” promete uma experiência de jogo única e imersiva que deixará os jogadores ansiosos por mais. Prepare-se para entrar nesse confronto lendário e provar sua coragem contra as forças do desconhecido.

Abaixo tem o trailer de Musashi vs Cthulhu:

Medieval Dynasty transcende para a Realidade Virtual

O desenvolvedor independente Render Cube e a editora Toplitz Productions deram um novo passo hoje ao apresentarem uma experiência completa em realidade virtual para Medieval Dynasty, o envolvente jogo de RPG de mundo aberto que inclui elementos de construção de cidade, simulação de vida e sobrevivência.

Em uma colaboração inovadora, a Toplitz Productions e a Render Cube anunciaram o lançamento do spin-off em realidade virtual, Medieval Dynasty New Settlement, publicado pela Spectral Games. Este lançamento marca um novo capítulo na franquia, combinando a experiência da Spectral Games com a de Render Cube e Toplitz Productions, oferecendo aos jogadores uma aventura em realidade virtual sem precedentes.

Com o lançamento, os jogadores terão a oportunidade de vivenciar a vida camponesa de uma maneira totalmente nova, mergulhando em um mundo imersivo repleto de missões e aventuras enquanto forjam uma existência para si mesmos na desafiadora Idade Média. Com suporte para headsets Meta Quest 2, Meta Quest 3 e Meta Quest Pro, o pacote oferece uma perspectiva única do mundo do Medieval Dynasty em realidade virtual.

“Estamos entusiasmados com a possibilidade que a equipe da Spectral Games trouxe com o spin-off em VR ‘Medieval Dynasty New Settlement’. Isso demonstra claramente nosso compromisso com a comunidade de jogadores, introduzindo uma nova e envolvente forma de explorar e desfrutar do belo e desafiador mundo medieval do jogo”, comentou Matthias Wünsche, CEO da Toplitz Productions GmbH.

No game, os jogadores podem caçar, sobreviver, construir e liderar seus companheiros enquanto buscam encontrar seu lugar na sociedade medieval. Com eventos, decisões e consequências únicas que moldam diretamente a jogabilidade, os jogadores têm a oportunidade de transformar seu pequeno pedaço de terra em um lar, e sua vila em uma cidade próspera, expandindo sua esfera de influência.

Para mais informações sobre Medieval Dynasty New Settlement e este mais recente spin-off em realidade virtual, visite o site da Spectral Games e acompanhe as atualizações regulares no Steam.

Medieval Dynasty está disponível para PC, Xbox Series X|S e PlayStation 5, bem como para Xbox One e PlayStation 4. Para mais informações sobre o game, acesse a página oficial aqui.

Abaixo tem o trailer de Medieval Dynasty: