Conheça o jogo indie brasileiro Assault on the Sky

Nosso destaque para encerrar a semana é cortesia do estúdio indie brasileiro Emdev Soft Games e é especialíssimo para quem sente saudades do gênero shmups (shoot ‘em up). Trata-se do game Assault on the Sky, um título para Android que busca inspiração clara nos clássicos da era 8-16 bits como Space Invaders e Space Impact.

De acordo com Diego Peres, desenvolvedor do projeto, Assalt on the Sky possui visuais retrô em pixel art e jogabilidade pensada em dispositivos de telas de toque, evitando assim o desconforto de joystick virtuais que em muitos casos atrapalham a jogabilidade nesses dispositivos.

O objetivo foi relembrar um gênero muito saudoso e garantir uma experiência visual satisfatória e nostálgica, além de uma trilha sonora frenética que acompanha o visual e a ação desenrolada na tela durante o gameplay. Durante a jogatina o jogador controla uma nave de batalha, devendo progredir verticalmente eliminando inimigos alienígenas diversificados, como insetos, morcegos gélidos e blobs que cospem fogo na direção da nave do jogador.

A gameplay de Assault on the Sky é dividida em fases, cada uma representada por um planeta diferente. No fim de cada fase há um boss que deve ser derrotado para liberar o planeta seguinte. Ao terminar cada um dos planetas, o jogador receberá uma avaliação daquela fase que irá variar de uma a três medalhas, dependendo do seu desempenho. O download é gratuito.

Abaixo você confere um trailer de Assault on the Sky:

“Dimi – Jornada na Tabela Periódica” – game para Android ensina a memorizar a Tabela Priódica

Transformar o aprendizado em algo mais envolvente e até mesmo divertido é uma das possibilidades de se utilizar jogos eletrônicos em sala de aula. Durante esse tempo de quarentena muitos professores e instituições de ensino tem vislumbrado nos jogos uma ferramenta ideal para manter os estudantes engajados no aprendizado. A bola da vez é Dimi – Jornada na Tabela Periódica, que busca ensinar a tabela periódica aos estudantes de maneira lúdica.

Dimi – Jornada na Tabela Periódica busca fazer o aluno aprender e memorizar os 118 elementos da Tabela Periódica usando gamificação como uma forma de entretenimento educacional. O macete é que o game é bastante intuitivo e visualmente agradável graças a seus visuais 3D, permitindo imersão completa nos elementos químicos de forma lúdica. De acordo com os desenvolvedores, Dimi possui técnicas de design instrucional e foi totalmente desenvolvido para auxiliar o ensino de qualidade de modo fácil e divertido.
A dinâmica do jogo é a seguinte, o inventor da tabela periódica Dmitri Mendeleev (Dimi) está trancado na sala do último elemento. Será necessário abrir todas as portas, respondendo corretamente as questões, memorizando e aprendendo sobre os elementos para poder chegar até o Dimi e finalmente, salvá-lo.
O título conta com três modos de dificuldade e a cada jornada completa o aluno vai melhorar o seu aprendizado. Podendo observar sua performance através da pontuação. A cada resposta correta receberá um ponto, mas se a resposta for incorreta o ponto recebido será negativo.
O jogo é salvo automaticamente para que o aluno possa se focar no aprendizado e diversão e quando entrar novamente possa retomar ao seu progresso. O game permite que o aluno seja cada vez mais competitivo e busque melhorar o seu ranking no leaderboard. Dimi – Jornada na Tabela Periódica já está disponível para download gratuito através da Play Store.
Você pode conferir o trailer de Dimi abaixo:

Mala Vermelha – Game indie brasileiro desafia jogador e desvendar um crime sinistro

O destaque para iniciar a semana é um jogo indie produzido especialmente para quem curte mistério policial á lá Agatha Cristie: Mala Vermelha. O título acaba de chegar para dispositivos mobile através da produtora The King Owl e coloca o jogador em uma missão para encontrar um perigoso homicida em uma cidade que guarda muitos segredos.

Você encarna a detetive Muriel que descobre uma mala vermelha com um corpo dentro. Cabe a ela investigar o quanto for possível para chegar ao assassino antes que surjam mais vítimas. O problema é que nem tudo é o que parece e as pistas não serão fáceis de se obter, tão pouco espere colaboração dos moradores da cidade.

A cada pista ou interrogatório, a detetive Muriel será levada a outros pontos da cidade em busca do padrão do terrível assassino. Ao contrário do que se pode imaginar, o game é totalmente textual. Sim, aqui não há ilustrações para a aventura. A ideia é incentivar a leitura e a imaginação dos jogadores. Lembra as primeiras experiências de jogos desenvolvidos em DOS.

Outro detalhe importante de Mala Vermelha é que além do assassino, o jogador terá de lidar com uma cidade conservadora, onde seus moradores não toleram mudanças. Uma vez que a jogabilidade se baseia em decisão de escolhas e sem elementos visuais, cada detalhe se torna importante na resolução do caso. Há múltiplos finais e as escolhas feitas pelo jogador determinarão qual desfecho terá a história.

Totalmente em português, “Mala Vermelha” já está disponível na Play Store. Se você gosta de histórias detetivescas e de praticar a leitura interativa este jogo tem tudo para te cativar.

Abaixo você confere o trailer de Mala Vermelha: