Ed entra no Ringue em Street Fighter 6 a partir de 27 de Fevereiro

Os fãs de Street Fighter se prepararam para receber o formidável boxeador Ed no próximo capítulo da série, Street Fighter 6, a partir de 27 de fevereiro de 2024. Disponível nas plataformas PlayStation 5, PlayStation 4, Xbox Series X|S e PC via Steam, Ed se torna o 21º personagem jogável do jogo, seguindo os lançamentos de Rashid e A.K.I. no ano passado. Os jogadores poderão encontrar o boxeador em todos os três modos de Street Fighter 6 – World Tour, Fighting Ground e Battle Hub.

O Passe de Luta “A Chegada do Ed!” também está disponível por tempo limitado, oferecendo aos jogadores a chance de adquirir alguns equipamentos de boxe e se prepararem para a batalha.

Além da chegada de Ed, um novo estágio chamado Laboratório em Ruínas será introduzido, mostrando as consequências da queda da Shadaloo e a decadência de seu antigo laboratório. Aqueles que adquiriram o Year 1 Ultimate Pass e a Edição Ultimate receberão o estágio automaticamente quando Ed for lançado. Diversas atualizações de qualidade de vida também estão a caminho, incluindo a habilidade de trocar a disposição dos botões no PC e a adição do recurso Iluminação Extra no Modo de Foto.

Ed, que apareceu pela primeira vez em Street Fighter V, agora retorna com uma nova abordagem. Após rejeitar as intenções malignas de M. Bison, ele conseguiu fugir das garras da organização Shadaloo e criar a Neo Shadaloo na esperança de ajudar outros na mesma situação. Seus ataques em Street Fighter 6 foram reformulados, com todos os seus golpes agora focados em socos. Ed continuará a manter seus comandos simplificados, enquanto também receberá novas opções para o modo Controles Clássicos.

Entre os golpes arrebatadores de Ed, destacam-se o Psycho Flicker, um jab rápido que pode ser executado em três direções diferentes, o Psycho Blitz, que dispara uma saraivada de socos envoltos em Poder Psíquico, e o Psycho Storm, sua Super Arte Nível 1 que apresenta uma série de golpes rápidos.

Ed será desbloqueado para os jogadores que possuem o Year 1 Character Pass, o Year 1 Ultimate Pass, a Edição Deluxe ou a Edição Ultimate a partir de 27 de fevereiro. Além disso, o Traje 2 de Ed, inspirado em seu Traje de História de Street Fighter V, estará disponível no mesmo dia.

A diversão continua com a proximidade da Capcom Cup X! Os jogadores têm até 14 de fevereiro para acessar o Battle Hub tematizado e apostar em quem será o próximo campeão, com a chance de ganhar uma cor exclusiva do Traje 1 para o personagem que o campeão usar.

E a espera está quase no fim para o lançamento de Akuma, previsto para o segundo trimestre de 2024. Para mais informações, acesse o site oficial.

Abaixo você confere o trailer de Ed em Street Fighter 6:

 

Sobre Street Fighter 6

Street Fighter 6, com mais de três milhões de unidades vendidas desde seu lançamento, representa a próxima evolução da série Street Fighter, oferecendo uma combinação única de inovações em jogos de luta. Com três novos modos de jogo – Fighting Ground, World Tour e Battle Hub – os jogadores podem desfrutar de toda a ação de Street Fighter 6 nas plataformas PlayStation 5, PlayStation 4, Xbox Series X|S e PC via Steam.

Everhood Eternity Edition: Uma Jornada Musical em um Mundo Bizarro

Imagine-se viajando para um mundo inexplicável repleto de uma história profunda, encontros estranhos e encantadores, humor peculiar e batalhas musicais desafiadoras para todos os seus sentidos. Pois bem, a espera acabou! A BlitWorks Games e a Foreign Gnomes têm o orgulho de anunciar o lançamento da “Everhood Eternity Edition” para os consoles Xbox One, Xbox Series S/X Series e PlayStation 4 e 5, com um preço de lançamento de R$ 49,00 e 16,99 EUR. Esta edição é a definitiva do sucesso de aventura de RPG indie que já vendeu mais de 500.000 cópias entre as plataformas Steam e Nintendo Switch.

A “Everhood Eternity Edition” não é apenas uma mera adaptação para os consoles, mas sim uma expansão impressionante, incluindo 16 novas batalhas musicais exclusivas criadas pelos melhores designers de níveis da comunidade. Além disso, apresenta músicas compostas por artistas lendários da cena indie. Esta aventura promete levar os jogadores a um território inexplorado e desafiar suas expectativas.

Desenvolvido pela Foreign Gnomes e lançado pela BlitWorks Games, “Everhood Eternity Edition” é uma aventura musical de RPG e ação que leva os jogadores a um reino bizarro localizado nas bordas do espaço e do tempo. Os habitantes desse mundo são tão peculiares quanto o próprio lugar, e a história começa quando um gnomo rouba o braço de Red, o boneco de madeira, desencadeando uma busca que revelará segredos e mistérios inimagináveis.

A jornada de Red o levará a explorar ambientes fantásticos, interagir com criaturas curiosas e enfrentar desafios únicos, incluindo batalhas musicais contra personagens tão diversos quanto magos, robôs, vampiros e muito mais. Cada batalha é uma experiência única, com músicas de artistas renomados, como Chipzel, David Wise, Manami Matsumae, Keiji Yamagishi, Disasterpeace e outros.

À medida que a história se desenrola, os jogadores aprenderão sobre o passado de Red e se aproximarão das “Verdades Absolutas” do universo de Everhood. No entanto, o conhecimento vem com um preço, e os residentes ecléticos de Everhood não permitirão que Red explore livremente seu reino. Desafios e perigos aguardam, e cabe aos jogadores superá-los movendo-se, dançando e saltando no ritmo da música.

“Everhood Eternity Edition” oferece cinco modos de dificuldade, uma variedade de opções de acessibilidade e um recurso desbloqueável (Novo Jogo+) que promete questionar tudo o que os jogadores achavam que sabiam sobre este mundo bizarro.

Embarque nesta jornada pelo desconhecido, experimente uma história distorcida e mergulhe em batalhas musicais épicas como nunca antes. Afinal, em Everhood, a única regra é: “Espere o inesperado!”

Abaixo você confere o trailer de Everhood: Eternity Edition:

Retrô – Kingdom Hearts (a mistura improvável de Disney e Square que deu muito certo)

Kingdom Hearts é uma franquia de jogos eletrônicos que foi lançada em 2002, em um momento em que os jogos eletrônicos começavam a ganhar mais espaço na cultura pop. A mistura de personagens da Disney com personagens da Square Enix em um mundo repleto de magia, aventuras e batalhas conquistou fãs em todo o mundo. Hoje vamos relembrar essa mistura tão inusitada.

O primeiro jogo da série ainda é lembrado com muito carinho por muitos jogadores, principalmente por sua capacidade de despertar a nostalgia em quem cresceu assistindo aos clássicos da Disney. A trama segue um jovem chamado Sora, que se vê envolvido em uma guerra entre a luz e a escuridão e precisa salvar vários mundos da destruição certa. Ao longo da jornada, Sora encontra vários personagens icônicos da Disney e da Square Enix, como Mickey Mouse, Donald Duck, Pateta, Sephiroth e Cloud Strife.

Todo o caos nos diversos mundos é causado pelo aparecimento dos Heartless, seres criados a partir das trevas e da negatividade que residem nos corações das pessoas. Eles aparecem como criaturas sombrias e sem rosto, e são capazes de se reproduzir e evoluir, criando inúmeras variações de forma e tamanho. Essas criaturas são extremamente perigosas e são atraídas pelos corações cheios de escuridão, e muitas vezes sequestram pessoas para tentar corromper seus corações e transformá-las em mais Heartless. Eles também invadem mundos e tentam consumir a luz que neles existe, ameaçando a estabilidade e a sobrevivência desses lugares. Para combatê-los, Sora e seus amigos usam armas especiais, como a lendária Keyblade, que pode abrir portas para outros mundos e destruir os Heartless.

Uma das características mais marcantes de Kingdom Hearts é o seu sistema de batalhas em tempo real, que combinava elementos de ação e RPG de forma inovadora. O jogador controlava o personagem principal, Sora, enquanto ele lutava contra inimigos em cenários tridimensionais. O jogador podia atacar, desviar, bloquear e usar magias em tempo real, criando um sistema de batalha fluido e dinâmico.

O objetivo da equipe de criação foi combinar elementos de diferentes gêneros, oferecendo uma experiência única e agradável. As batalhas eram intensas e recompensadoras, com inúmeros combos e movimentos especiais que o jogador podia realizar. Além disso, o jogo também tinha um sistema de níveis que permitia ao jogador aumentar as habilidades de Sora e desbloquear novas habilidades de combate.

Outra inovação do sistema de batalhas de Kingdom Hearts foi a introdução de companheiros de equipe, como Donald e Pateta. O jogador podia controlar seus aliados, ordenando-lhes que usassem magias ou realizassem ações específicas durante as batalhas. Essa adição permitia ao jogador criar estratégias e táticas únicas para cada luta. Era como unir o melhor do RPG de ação com RPGs de turno.

As batalhas se mostravam bastante dinâmicas e a cada inimigo era necessário elaborar estratégias diferentes. Talvez um dos pontos altos seja as batalhas contra os chefões. Quem não se lembra de desafiar o Chernabog ou a Maleficent na forma dragão? Esse misto de inimigos proporcionava ao jogador uma experiência diversificada e desafiadora, mantendo as batalhas emocionantes e interessantes.

A equipe de desenvolvimento de Kingdom Hearts falou sobre a criação do sistema de batalhas, dizendo: “Queríamos criar um sistema que fosse fácil de entender, mas difícil de dominar. Queríamos que os jogadores se sentissem como heróis, lutando contra inimigos poderosos e salvando o mundo. E acreditamos que conseguimos atingir esse objetivo”.

O sistema de batalhas de Kingdom Hearts se tornou uma marca registrada da série e influenciou outros jogos de ação e RPG que vieram depois. Ele foi um exemplo de como a inovação e a criatividade podem levar a uma experiência de jogo envolvente e emocionante.

Outra característica marcante do game foi a trilha sonora, considerada uma das mais marcantes da história dos jogos eletrônicos. Composta por Yoko Shimomura, a trilha sonora é uma mistura de músicas originais e temas icônicos da Disney. A trilha era orquestrada e embalava todos os momentos do game de forme genial. Os gráficos do jogo eram considerados excelentes para a época em que foi lançado, e a arte do jogo é única e facilmente reconhecível.

Já a trama se mostrava bastante complexa e elaborada para a época. Em um dia ensolarado da Destiny Island, Sora presencia uma invasão de Heartless e o desaparecimento de seus amigos Kairi e Riku. A partir daí, Sora se vê como um escolhido pela Keyblade (uma arma mágica capaz de abrir outros muyndos e banir os Heartless para a escuridão). Sora então viaja para vários mundos Disney que estão sendo atacados pelas forças o mal. Para ajudar a resgatar seus amigos e derrotar a ameaça invasora, Sora conta com a ajuda de Donald e Pateta. A história apresenta uma luta entre a luz e a escuridão, entre o bem e o mal, e a jornada de Sora e seus amigos é uma reflexão sobre as batalhas internas que enfrentamos em nossas vidas.

A franquia Kingdom Hearts foi criada por Tetsuya Nomura, um dos produtores da Square Enix, que trabalhou em jogos como Final Fantasy VII, VIII e X. “Eu queria criar um jogo que agradasse a todos os fãs da Disney”, disse Nomura em uma entrevista. “Queria criar um universo onde personagens de diferentes mundos pudessem interagir”.

Uma das razões para o sucesso de Kingdom Hearts pode ser atribuída à sua relação com a Sony. O jogo foi lançado originalmente para o PlayStation 2, um dos consoles mais populares da época, e a Sony ofereceu suporte para a promoção e distribuição do jogo. Além disso, a Sony também ofereceu uma edição limitada do PlayStation 2, que vinha com uma cópia de Kingdom Hearts e um console personalizado com a arte do jogo.

Kingdom Hearts Playstation 2

Essa relação com a Sony foi uma parte importante da história do jogo e ajudou a estabelecer a franquia Kingdom Hearts como um dos principais pilares da PlayStation. A série continuou a ser lançada exclusivamente para os consoles da Sony, incluindo o PlayStation 3 e o PlayStation 4. No entanto, recentemente foi anunciado que a próxima entrada principal da série, Kingdom Hearts IV, será lançada não apenas para o PlayStation, mas também para outras plataformas, como o Xbox e o PC.

O impacto cultural de Kingdom Hearts foi enorme, especialmente na geração de consoles de 128 bits. A franquia ganhou um grande número de fãs e se tornou um clássico dos videogames. Mesmo após tantos anos, muitos jogadores ainda sentem carinho e admiração pela franquia.

Além de seu impacto cultural, Kingdom Hearts também foi um grande sucesso comercial, vendendo milhões de cópias em todo o mundo. O primeiro jogo da série vendeu mais de seis milhões de cópias, tornando-se um dos jogos mais vendidos da PlayStation 2. Isso levou a uma série de sequências e spin-offs, com novos personagens e histórias adicionais.

O futuro de Kingdom Hearts é incerto, mas os fãs da série aguardam ansiosamente por novidades. A franquia já deixou uma marca indelével na história dos videogames, e continua a inspirar novos jogadores a embarcarem na jornada emocionante de Sora e seus amigos. “Quando criamos Kingdom Hearts, queríamos fazer algo que nunca tivesse sido feito antes”, disse Nomura em uma entrevista recente. “Queríamos criar um universo onde personagens de diferentes mundos pudessem interagir. E acho que conseguimos fazer isso”.

Abaixo você relembra o icônico trailer de Kingdom Hearts no Playstation 2: