Caminhos para a Cidadania – Novo jogo gratuito do Instituto CCR ensina crianças sobre cuidados no trânsito

Responsabilidade no trânsito não é exclusiva dos motoristas, mas também dos pedestres a fim de evitar acidentes. Foi pensando nas crianças que o Instituto CCR criou o jogo gratuito Caminhos para a Cidadania, um título educativo que visa mostrar às crianças cuidados necessários no trânsito e atitudes de um bom cidadão. É a primeira vez que o Responsa, mascote oficial de campanhas de segurança no trânsito do Grupo CCR, vai ao mundo virtual para se unir ao Lucas e à Luiza, personagens do Caminhos para a Cidadania, e combater as Más Ideias.

Basicamente, Caminhos para a Cidadania é um platformer bem simples de jogar: basta clicar nas setas do teclado para avançar. O macete é que ao longo da caminhada o jogador se depara com algumas situações e deve tomar decisões para prosseguir sem sofrer danos, por exemplo, apenas andar no sinal verde do trânsito ou respeitar as placas referentes a acessibilidade. Há ainda momentos que aludem ao uso indevido do smartphone, veículos sem segurança, preguiça, sono, direção perigosa e união de bebida alcoólica e direção.

A ideia é mostrar às crianças as principais causas de acidentes de maneira lúdica e divertida. Caminhos para a Cidadania conta com gráficos bem coloridos e uma jogabilidade bem simples, de modo a tornar o título atrativo para as crianças.

A ação faz parte de uma das atividades do programa Caminhos para a Cidadania que são abertas para todos que tiverem interesse em proporcionar às crianças o ensino da cidadania de forma divertida. Para aprender brincando, é só clicar neste link e iniciar o “Jogo do Trânsito – Nível 3”. O game é gratuito e livre para todas as idades.

ação Caminhos para a Cidadania

O programa é uma ação socioeducacional para alunos dos 4º e 5º anos da rede pública de ensino que leva os temas segurança no trânsito, cidadania e mobilidade urbana às escolas. Em 2019, o Caminhos para a Cidadania iniciou o uso de uma plataforma para a realização do curso livre EAD a professores, coordenadores municipais e pedagógicos. Em 2020, o programa tornou-se totalmente digital, inclusive para os alunos, mas, devido a pandemia, o cronograma sofreu alterações. Além dos conteúdos voltados aos municípios adeptos ao programa, o site conta com várias outras atividades, jogos e dicas disponíveis ao público geral.

Abaixo você pode ver um vídeo institucional do Caminhos para a Cidadania:

Chat Bot Game – Fugativa cria solução de treinamento adaptada aos tempos de pandemia

A pandemia do novo coronavírus colocou em voga alguns desafios para as empresas que conseguiram manter seus funcionários e, contrariando as expectativas, estão contratando: como promover o treinamento de seus novos funcionários? Pois bem, a Fugativa Escape Games e a XGEN, especialista em soluções de relacionamento digital, firmaram uma parceria para desenvolver um modelo de treinamento corporativo gamificado adaptado aos dias atuais por meio do chatbot, um programa de computador que simula a comunicação humana.

De acordo com a Fugativa, a ferramenta permite que empresas realizem treinamentos, avaliações e processos seletivos em um ambiente virtual moderno e envolvente. Chamada de Chat Bot Game, a ferramenta pode ser desenvolvida nos principais canais de comunicação online, como WhatsApp, Facebook Messenger, WebChat, Apple Business Chat, Telegram e Google RBM, além dos próprios canais do cliente. A base de conhecimento, ou seja, o conteúdo necessário para o treinamento, pode ser criado tanto pelo cliente quanto pela equipe do Chat Bot Game.

“A ferramenta pode ser adaptada às necessidades de cada cliente, tanto em relação ao canal de comunicação utilizado quanto ao conteúdo”, explica Fabio Passerini, fundador e sócio-diretor da Fugativa. “A vantagem de um treinamento gamificado é que ele consegue despertar o interesse e promover o engajamento do participante, o que gera resultados muito melhores do que os métodos convencionais, além de ser capaz de avaliar habilidades como raciocínio abstrato e atenção”, explica. “A empresa também consegue saber em que etapa as pessoas estão errando mais para que possa reforçar o treinamento naquele ponto”.

O modelo disponível para testes, por exemplo, simula o roubo a um museu. O participante recebe pistas que o levam na direção de desvendar o enigma – onde será o roubo, o que será roubado e para onde os assaltantes planejam fugir. A ideia é que os empregadores possam avaliar ou promover o treinamento dos funcionários de modo a avaliar as ações dos funcionários e suas decisões tomadas em momentos de tensão.

A Fugativa disse que o desenvolvimento do Chat Bot Game foi a maneira que a empresa encontrou para manter-se funcionando e expandir sua atuação no mercado. “Nós já temos experiência com treinamentos corporativos gamificados e dinâmicas de grupo em eventos. O que fizemos foi levar essa solução para o ambiente digital”, diz Passerini.

A XGEN, que registrou aumento da demanda por soluções digitais com a pandemia de covid-19, com muitos clientes migrando o atendimento de voz para os programas de mensagens, acredita que a tendência é de aceleração da transformação digital mesmo após a pandemia. “É um caminho sem volta, e as empresas sentiram isso. Quem não estava preparado teve de correr para não fechar as portas”, diz Marcelo Loiacono, diretor de Novos Negócios na XGen.

Estudantes do Marista de Maringá vencem concurso internacional de Minecraft

Cidadania, sustentabilidade e… Minecraft!? Sim, esses três elementos se juntaram para formar um dos projetos mais interessantes dos últimos tempos. Um grupo de estudantes do Colégio Marista de Maringá acaba de vencer a segunda edição do prêmio “M9 Urban Landscape Contest”, cujo objetivo é justamente pensar em cidadania e sustentabilidade utilizando o Minecraft. Basicamente, eles criaram soluções práticas para as favelas do Brasil.

O concurso desafia jovens de todo o mundo a criar um modelo de cidade ou edificação com base na agenda 2030 para Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), e é promovido pelo museu italiano M9, com apoio da M-Children e da Maker Camp, ambas organizações italianas que estimulam o aprendizado por meio da programação e gameficação. Ao todo, mais de 700 grupos, cerca de 14.500 alunos, de 5 continentes diferentes participaram e a equipe paranaense ganhou na categoria Internacional. A cerimônia de premiação foi transmitida pela página do Facebook do Museu M9, no dia 6 de junho.

Os alunos idealizaram e desenvolveram a Comunidade 2030, que representa uma “favela” com todos os problemas e as soluções sugeridas pelos objetivos da ONU. O projeto mostra como a turma foi capaz de enfrentar desafios reais e atuais em um exercício de planejamento. A ideia é mostrar como uma comunidade poderia ser melhorada, caso os investimentos necessários fossem realizados.

“Os alunos realizaram um trabalho cuidadoso e significativo sobre os objetivos da agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, imaginando soluções concretas para problemas que variam de profundas desigualdades sociais até dificuldade de acesso a alimentos de qualidade. Foi um grande estudo multidisciplinar”, afirma Matheus Amaral, analista de Tecnologia Educacional e Mentor Global Minecraft.

Durante a cerimônia de premiação, o estudante Pedro Grígolli participou compartilhando um pouco da sua experiência. “Esse concurso nos mostrou que é possível aprender de uma forma dinâmica e diferente. Fazer parte desse desafio nos ensinou como correlacionar o que aprendemos na escola com os desafios enfrentados no cotidiano, nos tornando cidadãos mais conscientes”, afirmou. “Usar a tecnologia do Minecraft para pensar nos problemas do mundo real é algo muito interessante”, concluiu, agradecendo a todos pela seleção do projeto e dedicação dos colegas. Você pode conferir mais informações aqui.

Abaixo você confere imagens do projeto desenvolvido pelos alunos do Marista Maringá:

Marista