“Elden: Path of the Fogotten” está chegando no Nintendo Switch, PC, XBOX One e PS4

Nosso destaque do dia veio diretamente da Austrália! A Onerat Games e a editora Another Indie acabam de anunciar que o esperado título de ação sobrenatural Elden: Path of the Forgotten chegará ao Nintendo Switch – a pré-venda estará liberada no Nintendo eShop até 11 de junho na Europa e Ásia e até 18 de junho nos EUA com 10% de desconto -, Utomik e Steam no dia 9 de julho (versões Xbox e PS4 em breve).

Na trama você deve guiar o jovem Elden em uma terra destruída para salvar sua mãe de horrores antigos. Apesar de bem genérico, a história promete muitas reviravoltas e brincar com o psicológico do jogador. Elden explora a narrativa através de métodos indiretos não tradicionais – como ler um livro ilustrado em um idioma que você não entende. O combate é baseado na reação, não na ação, você precisa gerenciar sua resistência e posição enquanto aguarda o momento perfeito para atacar ou, alternativamente, dominar a arte dos desvios.

Elden: Path of the Forgotten é uma jornada pessoal através da psique do desenvolvedor. De acordo com o desenvolvedor, o jogador irá encontra uma aventa repleta de metáforas, mistério e horror, enquanto deixa os jogadores descobrirem uma narrativa por si mesmos.

Um dos maiores destaques em Elden: Path of the Forgotten é seu clima sombrio, bonito e intrigante. O game foi desenvolvido inteiramente em pixel art, conferindo ao projeto visuais únicos e belíssimos. Inspirado visualmente em jogos clássicos de 16 e 8 bits. A jogabilidade é um pouco mais atual, bastante semelhante ao clássico Diablo, de modo que você deve explorar vastos ambientes e derrotar estranhas criaturas.

Elden: Path of the Forgotten tem previsão de lançamento para o dia 9 de julho através da Steam. Você pode conferir mais informações através do site da desenvolvedora.

Abaixo tem o trailer de Elden: Path of the Forgotten:

Spheres: The Ancient Fuses – indie brasileiro lembra clássicos de plataforma da Rare

Hoje o destaque é para o jogo indie produzido pela Vira-Lata Game Studio que busca inspiração nos jogos de plataforma da geração 32-64 bits. Trata-se de Spheres: The Ancient Fuses. O título presta homenagem especial para os jogos da Rare para o Nintendo 64, uma vez que contém muitos momentos de ação, combates e resolução de puzzles.

Em Spheres, o jogador deve controlar um pequeno robô que se junta à uma missão para salvar o universo enquanto explora diferentes planetas em busca de fusíveis ancestrais! Durante a exploração, o pequeno robô se depara com diferentes tipos de cenários, que vão de mesas de sinuca até montanhas de gelo. O título é desenvolvido por apenas dois desenvolvedores, e tem o propósito de combinar elementos de vários gêneros.

Neste universo você controla dois personagens: um cientista que fugiu da Terra e um robô alienígena em formato circular. Quando você coleta os fusíveis pra ajudar o robô recuperar sua memória, você possibilita que o cientista decifre um pouco mais do software codificado presente no droide, revelando mistérios e liberando novas habilidades.

A mecânica gira em torno de se transformar para ganhar novas habilidades. O robô Spheres, tem a habilidade de se transformar em qualquer objeto esférico que ele encontra no cenário. O robô saca a arma de transferência do topo de sua cabeça, ele então atira em um objeto esférico e se transforma nele, mudando sua localização, cor e tamanho para os da esfera atingida. Além das mecânicas de quebra cabeça e de plataforma, este jogo também tem um certo foco em combate. As armas principais de Spheres são suas luvas flutuantes. Alterne entre os ataques leve e pesado para executar diferentes combos! Sim, há missões e chefões que demandam habilidades de luta e resolução de quebra-cabeças extremamente inventivos.

O game é bastante colorido e a trilha sonora é bem animada. Não tem como não lembrar de Conker ou de Banjo-Kazzoie. A intenção parece ser apelar para jogadores mais saudosistas, pois até o estilo gráfico remete a essa época.

Spheres começou como projeto de uma competição de uma game jam ocorrida em Goiânia, cujo tema era “uma forma geométrica”. O jogo “Bola Robô” (como o jogo foi chamado durante a competição) acabou por ganhar o primeiro lugar na jam. Após isso, o título ganhou reconhecimento do público e da mídia por onde passou. Ainda que não esteja concluído, Spheres já possui uma versão demo na Steam.

Abaixo você confere o trailer de Spheres: The Ancient Fuses:

Prévia – ROCK OF AGES 3: MAKE & BUILDER

Rock of Ages é uma franquia iniciada em 2012, onde em 2017 ganhou o seu segundo jogo e agora vem para o seu terceiro, a formula é muito simples de jogar, mas difícil de lidar. O objetivo do jogador é controlar uma rocha que sai rolando pelo cenário, o jogador deve passar por difíceis obstáculos e lidar com uma física bastante punitiva.

Além disso, existe o modo Tower Defense onde o jogador deve colocar os seus próprios obstáculos no trajeto a fim de evitar que o adversário destrua a sua base. Fora isso, temos um modo de corrida, contra a rocha adversária e o modo Humpty Dumpty cujo seu objetivo é controlar um ovo (já assistiu Gatos de Botas? Então é aquele ovo) até a linha de chegada, a tarefa parece fácil, mas não é, graças aos obstáculos absurdos e física que exige que o jogador manipule o ovo com bastante cuidado.

Mas o grande diferencial de Rock of Ages 3 é a possibilidade de criar o seu próprio cenário, o modo Make promete ser muito atraente, pois é ali que o jogo promete se prolongar. Criar e usar os cenários da comunidade promete ser extremamente divertido, pois assim como jogos como Mario Maker, Rock of Ages 3 traz uma ferramenta bastante vasta para esta funcionalidade. A interface é bem intuitiva e permite modificar os cenários de diversas formas, como elevar o terreno, acrescentar obstáculos, inclinar a pasta entre outras coisas.

Jogamos a beta que possui um polimento bastante aceitável, o jogo em configurações médias rodou de forma bem fluida, apresentando pouquíssimos bugs, porém eles existem e é bem capaz de serem corrigidos até a sua versão final.

Foi possível verificar um pouco da campanha principal através desta beta, nela podemos ver que o foco é o humor, onde a história é praticamente revisitada com muito humor e animações de qualidade.

Um dos pontos ruins é a falta de clareza quanto as ferramentas do modo Tower Defense, não deixa muito claro o que cada coisa faz, fazendo com que a forma mais ideal de se aprender seja jogando os cenários e observando o que cada objeto faz na pratica, não é algo tão absurdo, mas na minha experiencia precisei perder algumas vezes para pegar o jeito e ter a noção dos objetos.

E a versão testada está em inglês, espero que até a finalização tenhamos o nosso idioma como opção de linguagem.

Rock of Ages 3 pode ser a versão definitiva desta franquia, tem tudo para ser algo muito agradável e que fará os jogadores passarem horas criando os seus próprios cenários para desafiar os mais habilidosos de seus jogadores.

 

Texto: Victor Cândido