Conheça Dog Duty, novo game indie de estratégia para todas as plataformas

Hoje o destaque vai para mais um jogo indie da SOEDESCO, que chega no segundo trimestre desse ano. Trata-se de Dog Duty, um RTS em tempo real para PS4, Xbox One e Switch, que desafia os jogadores a derrotar o exército do terrível comandante Octopus em uma série de ilhas. O grande diferencial é que o título conta com bastante humor e batalhas difíceis contra os chefões.

Desenvolvido pelo estúdio Zanardi & Liza, Dog Duty oferece aos jogadores tiroteios épicos e uma boa dose de batalhas épicas contra chefões. O macete é que cada missão demanda de táticas elaboradas. Ou seja, não adianta repetir velhas fórmulas, pois cada fase requer sua própria estratégia.

“É ótimo trabalhar com a SOEDESCO Studios no desenvolvimento de Dog Duty ver o trabalho para outras plataformas. Sinto firmeza com eles, por conta do progresso do port. A versão console tá bonita, tem boa jogabilidade e mal posso esperar pelo lançamento.”, disse Leonardo Zimbres, fundador do estúdio de desenvolvimento Zanardi & Liza.

Durante seu período no Early Access da Steam, Dog Duty recebeu muitos grandes updates. Com o feedback da comunidade, Zanardi & Liza trabalhou duro nas melhorias de Dog Duty, adicionando mais personagens jogáveis e inimigos. Jogadores podem montar esquadrões de 3 membros, a partir de 8 personagens possíveis.

O estúdio Zanardi & Liza também mudou a UI completamente, adicionando mais diálogos e encontros com NPCs amigáveis e duvidosos. Com um novo sistema de abordagem, jogadores podem adentrar postos inimigos e-ou conquistados. Por exemplo, jogadores podem agora receber mensagens hostis dos postos inimigos não-conquistados. A versão para Nintendo Switch, PS4 e Xbox One também sairá com estes updates.

Abaixo você confere o trailer de Dog Duty:

7 coisas que você precisa saber sobre o Xbox One Series X

Durante a The Game Awards a Microsoft deu o pontapé inicial da nova geração de videogames ao anunciar o Xbox Series X, sucessor do One. Poucos detalhes foram revelados, porém algumas coisas já foram ventiladas no evento e em conversas de corredores. Hoje vamos dissecar sete coisas que você precisa saber sobre o novo videogame da Microsoft.

 

Tudo em família

A primeira coisa que você deve ter em mente é que a máquina apresentada na TGA não é a única plataforma que os engenheiros da Microsoft estão trabalhando. Na verdade ele é apenas um dos membros da família denominada “Xbox”. Em outras palavras, a próxima geração da Microsoft não se resumirá em apenas um único console, mas sim em diferentes versões capazes de rodar os mesmos jogos ou com funções diferenciadas, tal como vimos ocorrer recentemente com a versão All Digital do Xbox One. Essa pista deixa a impressão de que a Microsoft deve seguir um caminho semelhante ao que a Apple já faz ao lançar diferentes versões do iPhone.

 

Preço

Ainda é cedo para falar de preço e entendemos o porquê a Microsoft não ter dado nenhum indicativo de quanto teremos de economizar até o lançamento, afinal a concorrência se ajustaria rapidamente ao que a empresa de Redmond faria. Entretanto, se serve de alento, a Microsoft já disse que não cometerá os mesmos erros de preço do Xbox One na ocasião de seu lançamento. O que isso significa? Bem, o atual console da empresa norte-americana chegou custando US$ 499,00, cerca de US$ 100,00 acima de seu concorrente direto, o Playstation 4. Com isso, analistas apostam que o preço do console no lançamento deva ser de US$ 399,00.

Data de lançamento

O que se sabe é que tanto o Xbox Series X quanto o PS5 chegam ao mercado durante o ano de 2020. Um tanto vago, hein? Mas se quiser uma data mais precisa, a própria Microsoft deu uma dica – “Holiday 2020”, ou seja, o lançamento se dará entre os meses de outubro e dezembro de 2020. Com certeza a fabricante não irá querer deixar escapar a chance de lançar seu console a tempo do feriado de ação de graças + Black Friday + Natal.

Configurações

Neste quesito ainda faltam muitas informações, mas alguns detalhes já são públicos: a Microsoft afirmou que o Xbox Series X será quatro vezes mais poderoso que o Xbox One X e oito vezes mais poderoso que o Xbox One original; apresenta a arquitetura de CPU Zen 2 da AMD e a arquitetura gráfica RDNA, uma unidade de estado sólido projetada sob medida, GDDR6 SDRAM e suporte para Ray Tracing em tempo real e VRS. Além disso, a máquina terá poderio de renderização de até 120 quadros por segundo e resolução de até 8K. A Microsoft também promoveu o “modo automático de baixa latência” e a “entrada dinâmica de latência” para melhorar a capacidade de resposta.

Para eliminar telas de loading, a empresa optou pelo armazenamento do tipo NVMe SSD. Imagine um novo Forza rodando a 8K nativo sem telas de loading rodando em até 120 quadros por segundo. Parece surreal, mas é o futuro!

É retrocompatível?

Sim! Seguindo a cartilha adotada no Xbox One, a Microsoft garantiu que o Series X terá suporte aos títulos existentes do Xbox One, bem como aos títulos do Xbox e Xbox 360 compatíveis com o Xbox One. De acordo com a empresa, para garantir a função foi necessário interromper o programa de retrocompatibilidade no Xbox One para focar os esforços no Series X. Se a promessa for cumprida, e parece que vai, a nova plataforma já ganha uma biblioteca gigantesca antes mesmo de chegar ao mercado. Será que a Sony consegue revidar o golpe?

Terá jogos exclusivos?

Uma das fraquezas mais lembradas por fãs de videogames em relação à Microsoft quando comparada com suas rivais era a evidente falta de estúdios de desenvolvimento first parties capazes de criações únicas e desejáveis. Entre 2018 e 2019 a Microsoft saiu desembestada comprando todo estúdio que parecesse promissor e o resultado dessas aquisições é que atualmente a Microsoft Studios conta hoje com 15 subsidiárias, todas trabalhando em novos jogos para o Series X – atualmente a Sony conta com 14 subsidiárias.

Entre os jogos já anunciados, apenas Halo Infinite e Senua’s Saga: Hellblade II por enquanto, mas ao longo do próximo ano novos anúncios serão feitos. Vale ainda lembrar que algumas third parties já trabalham em outros projetos como a Ubisoft com Watch Dogs: Legion, Gods and Monsters e Rainbow Six Quarantine. Outros jogos também no forno são Battlefield 6 e Elder Scrolls VI. A próxima E3 será imperdível!

Design

O design do Xbox Series X foi motivo de memes – e não é por menos – ele possui um formato semelhante a uma “torre” ou a um “gabinete”, de modo que ele é projetado para ficar na posição vertical. A princípio causa estranheza, mas seus traços minimalistas podem ser o ar futurista que sua sala de estar está esperando.

De cordo com Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, a ideia por trás do design do Series X é que ele “desapareça” da sala, o que permitiria uma experiência mais imersiva. Dito isto, espera-se que a máquina seja bastante silenciosa.

Controle

“Em time que está ganhando não se mexe”. Foi seguindo esse mantra que a Microsoft manteve o mesmo design do Xbox Wireless Controller, do Xbox One. A única novidade é o botão Share, que permite tirar capturas de tela e compartilhar vídeos rapidamente nas redes sociais, função que o Dual Shock 4 já executa com esmero. Mas espere, de acordo com a Microsoft, o controle tem curvas mais confortáveis e seu tamanho mais adequado para se encaixar na mão da maioria das pessoas. O objetivo é unir conforto e praticidade em um produto já testado e aprovado.

Quando devo comprar um novo videogame?

Desde o início do ano os rumores sobre o sucessor do Xbox One e do PS4 já eram pautas recorrentes na editoria de games. Com essas notícias uma onda de aficionados por jogos eletrônicos que ainda não possuem qualquer desses aparelhos passou a conjecturar se ainda vale a pena comprar um videogame da geração atual ou esperar o lançamento das novas máquinas. Pensando nisso e na iminência de novos consoles invadindo o mercado, elaboramos este guia para responder qual o melhor momento para comprar um novo videogame?

Há um consenso entre os consumidores: comprar um videogame no início da geração é um péssimo negócio! Isto porque o início da vida útil de uma plataforma tende a ser sofrível. Em geral um console de lançamento tem uma biblioteca reduzida de jogos, o preço das plataformas tendem a ser maiores e podem ter uma leva mal funcional. Em contrapartida, uma plataforma já antiga já conta com uma biblioteca gigantesca de jogos (incluindo jogos de alta qualidade), tem um hardware já testado e comprovado e preços inferiores às novatas.

Falando assim, parece óbvia qual a melhor escolha, certo? Não é tão simples assim! Uma plataforma em final de ciclo realmente terá um preço menor, porém isto porque ela desvalorizou com o tempo. Isto acontece porque a tecnologia já está defasada e há a certeza de que a máquina deixará de receber novos jogos em pouco tempo. Se você é um gamer hardcore e extremamente antenado às novidades, será péssimo acompanhar a geração surgindo estando de fora.

Além disso, um novo videogame é um investimento para o futuro da tecnologia, ou seja, ao comprar um novo videogame, você está apostando que ela trará os melhores e mais desejados jogos dos próximos anos. Ainda que ter a experiência de jogar o clássico instantâneo God of War do PS4 seja uma ideia atrativa, é possível que essa plataforma tenha retrocompatibilidade. Imagine o que mais o PS5 pode te oferecer…

A questão preço

A menos que você seja um masoquista financeiro, com certeza vai preferir gastar menos dinheiro. Ainda que você decida comprar o PS5 ao invés do PS4, é certo que seu preço cairá em alguns meses. Lembre-se que o PS4 chegou ao Brasil por R$ 4.000,00 e atualmente pode ser encontrado por aproximadamente R$ 1.700,00. A queda de preço foi gradativa, porém real. Uma pessoa que comprou o PS4 no lançamento brasileiro fatalmente tem a sensação de que fez mau negócio (em termos financeiros), afinal uma vez que saiu da loja, o produto só desvaloriza. Assim, esperar a queda de preço é o mais adequado.

A questão da biblioteca de jogos

Um videogame antigo, conforme dito anteriormente, tem uma biblioteca rica e estabelecida. Quem não gostaria de comprar um Game Cube para jogar o clássico The Legend of Zelda: The Wind Waker? Mesmo sendo um game datado, a qualidade do título vale o investimento tardio. Muitos retrogamers entendem que o ideal é comprar um console e seus jogos em um prazo aproximado de seis anos após o lançamento. Pois é neste período que os preços dos jogos estarão mais baixos e estabilizados nas lojas. Entretanto há um perigo ao adotar essa estratégia: um jogo antigo pode ganhar status de item de colecionador, o que irá multiplicar seu preço original.

Um ano a dois de seu lançamento garantirá que você salve alguns reais no preço dos jogos e possa selecionar os melhores jogos produzidos neste período. Já um videogame de lançamento contará com uma biblioteca de jogos (novos) pequena e para piorar, nem todos serão bons. Se a plataforma contar com retrocompatibilidade, você ficará restrito a jogar jogos já antigos, tendo pago o preço de um console muito mais caro.

A espera por quedas de preço

A história mostra a tendência: após um ano de seu lançamento, um videogame tem corte de preços. Tanto a Sony, quanto a Microsoft reduzem os preços de suas plataformas com certa periodicidade, cerca de um ano, até que a base de jogadores seja alta o bastante para garantir um preço menor.

Outra dica é evitar comprar um videogame no final do ano, pois é durante o natal que os preços tendem a ser mais altos, se o produto for um lançamento. Já os meses de janeiro e fevereiro contam com ações de queima de estoque das lojas. Ou seja, o ideal é comprar um sistema novo no início do ano. Há um porém: a Black Friday de novembro tende a contar com preços realmente atraentes.

Espere por novos modelos

Outro detalhe importante na hora de comprar um videogame: espere um novo modelo chegar ao mercado. Primeiro porque terá um hardware otimizado; segundo porque o preço será menor. Sim, esperar até a versão slim do PS5 pode ser torturante, porém você poderá ter uma máquina com mais funções e com um hardware mais confiável. Basta analisar a primeira versão do Xbox 360 original com a versão S surgida anos depois.

Lojas físicas ou sites de e-comerce

Há uma percepção de que lojas físicas cobram preços mais elevados e isto não está errado. Apesar de lojas de esquina não precisarem pagar empresas de entregas, as lojas físicas pagam aluguéis altíssimos e manutenção predial. Assim, as lojas têm repassado esses preços aos consumidores. Já as lojas digitais conseguem oferecer o mesmo produto a preços menores. O ideal é comprar um videogame através de sites, sendo ele um novo lançamento ou um console mais retro.

Uma solução bastante útil é o site Promobit, (que possui app também) a comunidade de curadoria que filtra promoções de lojas digitais. Se você vai comprar um novo aparelho, tenha certeza de localizar o preço mais baixo entre o ambiente que oferece preços menores. A Black Friday, aliás, oferece uma oportunidade única de comprar seu aparelho a um preço atrativo. Então, comprar o aparelho durante essa época do ano é realmente recompensador.