Jogo brasileiro “FROGUE” traz inovação com e mistura de gêneros em lançamento para consoles

O aguardado game “FROGUE” será lançado para consoles no próximo dia 27 de junho. Desenvolvido pelo estúdio independente brasileiro Wired Dreams, o jogo, que já fez sucesso no PC, agora chegará ao Xbox One, Xbox Series X/S, PlayStation 4, PlayStation 5 e Nintendo Switch, através da publicação da QUByte Interactive.

Em “FROGUE”, os jogadores assumem o controle de Kene Legstrong, um guerreiro anfíbio que deve enfrentar uma maldição centenária. Misturando elementos de ação, estratégia e manipulação temporal, o jogo proporciona uma experiência dinâmica e inovadora, destacando-se pela sua alta rejogabilidade graças à geração procedural de cenários.

A proposta de “FROGUE” é oferecer uma jogabilidade versátil, permitindo que cada jogador explore diferentes estratégias e estilos de jogo. Kene Legstrong não é apenas um lutador habilidoso, mas também um mestre em acrobacias, capaz de escalar paredes e usar poderes especiais. Essas habilidades conferem ao jogo uma sensação tridimensional, ampliando as possibilidades de solução de desafios de maneira criativa e estratégica.

O combate em “FROGUE” é baseado em turnos, uma característica que desafia até os jogadores mais exigentes. Com um visual pixelado vibrante que evoca os grandes clássicos dos consoles do passado, o jogo combina nostalgia com inovação, criando uma atmosfera única e envolvente.

De olho no mercado internacional

O lançamento de “FROGUE” para consoles representa o quarto título do estúdio Wired Dreams em parceria com a QUByte Interactive. Thiago Oliveira, o desenvolvedor solo por trás do estúdio, já é conhecido por suas produções independentes, e “FROGUE” é o quinto jogo de sua carreira. A expansão para o mercado de consoles marca um passo significativo na trajetória do estúdio, reforçando a crescente presença do Brasil na indústria global de jogos eletrônicos.

A versão para PC de “FROGUE”, lançada em fevereiro de 2024, já recebeu elogios da crítica e dos jogadores. Um dos jogadores comentou: “É um sopro de ar fresco no gênero. Em um mar de clones pouco inspirados de Vampire Survivors, ‘FROGUE’ se destaca como uma das misturas estilísticas mais interessantes dos últimos tempos.” Outro jogador destacou a adrenalina proporcionada pelo combate em turnos: “O jogo é fantástico. Traz uma adrenalina em um gênero baseado em turnos de uma forma brilhante. Fiquei empolgado ao controlar o sapo badass nessa atmosfera sombria.”

Com a expectativa de ampliar seu público com o lançamento para consoles, “FROGUE” promete conquistar ainda mais jogadores com sua jogabilidade cativante e desafiadora. O título estará disponível para compra a partir de 27 de junho de 2024, e já se prepara para ser um dos destaques do ano no universo dos games.

Para mais informações sobre “FROGUE” e outras produções do estúdio Wired Dreams, visite o site oficial da QUByte Interactive.

Abaixo tem o trailer de Frogue:

Conheça Top Racer Collection, game inspirado nos clássicos arcades de corrida dos anos 90

Prepare-se para reviver a emoção das corridas clássicas dos anos 90 com uma dose extra de adrenalina: a QUByte Interactive anuncia o modo online de Top Racer Collection, que permite competir com amigos de qualquer lugar do mundo.

A série de vídeos “INSIDE TOP RACER”, dividida em dois episódios, apresenta as novidades da coletânea. O primeiro vídeo, já disponível no YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=2YqltLQfBIY), detalha o modo online, onde jogadores de todas as plataformas podem se conectar e disputar acirradas corridas.

No próximo episódio, a série “INSIDE TOP RACER” vai explorar outras duas funcionalidades:

        • Modo Custom Cup: Crie seus próprios campeonatos com as pistas e carros de sua preferência, desafiando seus amigos a superarem seus tempos.
        • Modo Time Attack: Aprimore suas habilidades e busque o recorde absoluto em cada pista, competindo contra o fantasma de outros jogadores.

Top Racer Collection reúne três jogos icônicos da franquia: Top Racer, Top Racer 2 e Top Racer 3000. A coletânea também inclui o inédito Top Racer Crossroads, além de filtros visuais para reviver a experiência nostálgica dos anos 90, modo campanha e muito mais.

Prepare-se para acelerar com amigos e reviver a emoção das corridas clássicas! Top Racer Collection estará disponível no dia 7 de março para PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X|S e Nintendo Switch.Para mais informações, acesso o site oficial da QUByte Interactive.

Top 7 – Maiores polêmicas envolvendo videogames

Produtos voltados aos jovens sempre estiveram envoltos em polêmicas das boas e você provavelmente já vivenciou algumas. Recentemente uma reportagem da TV Record associou o anime Death Note a transtornos mentais. Quem é das antigas já viu a emissora fazer algo semelhante com os videogames, como na vez em que associou o Massacre de Realengo aos videogames. Pensando nesses episódios elencamos sete vezes em que os videogames se viram envoltos em polêmicas grandes demais para os produtores. Tem polêmica envolvendo violência, jogo mal produzido e até loot boxes abusivas. Vem ver!

 

GTA e um “Café quente”

O ano de 2004 foi extremamente positivo para os fãs de videogames, afinal foi nesse ano que os jogadores colocaram as mãos em preciosidades como Ninja Gaiden, Silent Hill $: The Room, Half Life 2, Need for Speed: Undergroud 2 e The Legend of Zelda: The Minish Cap. Mas nenhum jogo da época foi mais grandioso que Grand Theft Auto: San Andreas. Além de se tornar o número 1 em vendas globais, o título ainda colecionou aclamação da crítica e do público. A Rockstar estava nas nuvens.

O jogo era gigantesco para os padrões da época, com variadas missões e coisas a fazer nas três cidades do Estado. Com tanta gente jogando o game era certo que uma hora alguém encontraria segredos que nem mesmo a Rockstar gostaria. Pois bem, apesar de retratar assassinatos, roubos de carro e violência urbana gratuita, a sociedade não estava preparada para encarar o minigame “Hot Coffee”, que retratava CJ em momentos calientes com uma das suas namoradas.

Quem não curtiu nada foi a ESRB, que mudou a classificação do game para “adulto”, o que dificultava o acesso de muitos adolescentes ao título. Você deve se lembrar que era a época das lan houses e muita gente ia nesses ambientes para jogar GTA tranquilamente e por conta da nova classificação o game foi impedido de rodar em máquinas do tipo. Após muita reclamação e começar a perder dinheiro, a Rockstar mudou o código do game a fim de retirar o conteúdo, possibilitando que adolescentes voltassem a ter acesso ao game.

 

“Compre o Xbox 360”

Após uma geração extremamente bem sucedida com o Xbox 360, parecia que a Microsoft ditaria o ritmo mais uma vez com o Xbox One, uma máquina que prometia revolucionar os videogames com melhorias na rede online, sequencias de franquias matadoras e apoio das third parties. Porém Don Mattrick, CEO da divisão Xbox da época  jogou um balde de água fria nos fãs da marca. Durante o evento de revelação damáquina, o executivo disse que o console demandava que o jogador estivesse online permanentemente, não haveria possibilidade de comprar uma versão sem o Kinect, você não poderia trocar ou vender seus jogos usados e teria um preço de 499 dólares (100 a mais que o Playstation 4).

Obviamente as notícias não agradaram a todos. Um jornalista questionou Mattrick sobre o fato de há muitos fãs do Xbox sem conexão com a internet ao redor do mundo, ao que o executivo disse: “Felizmente nós temos um produto para as pessoas que não tem infelizmente a condição de ter um Xbox One e que se acha Xbox 360.”

A frase foi captada em vídeo e circulou a internet, angariando a fúria de muitos jogadores e desconfiança em relação ao futuro do Xbox One.

 

Loot Box demais em Star Wars: Battlefront 2

Star Wars Battlefront II de 2017 aparentava ser tudo o que os fãs da franquia queriam: batalhas espaciais viscerais na terra e no espaço, diversos planetas para conquistar e diversos veículos. É bom lembrar que na época os fãs estavam em uma relação de puro amor com a franquia. Assim, a EA achou que seria de bom tom tentar lucrar o máximo possível com o jogo e ninguém iria reclamar. A versão beta veio com tantas loot boxes que davam vantagens injustas aos compradores que ficou claro que o game era “pay to win” da forma mais grotesca possível.

Ao invés de mudar o game, a EA decidiu postar uma declaração no Redditexplicando porque tomaram essa decisão. Evidentemente a desculpa não foi aceita e a pressão popular foi mais forte do que os produtores podiam segurar. Ao final a EA removeu essas mecânicas e lançou um game mais amigável para quem não tinha condições de comprar loot boxes a cada minuto.

 

Cyberpunk 2077 se torna a maior decepção em décadas

Cyberpunk prometia ser o maior e mais ambicioso da CD Projekt RED. Parecia impossível dar errado, afinal esses caras haviam entregado o ótimo The Witcher 3 pouco antes e Cyberpunk 2077 estava em produção ainda antes da geração Playstation 5 ser oficialmente lançada. Os produtores inclusive se gabavam de que o mapa de jogo seria uma escala jamais vista antes.

Entretanto foi os jogadores colocar o game para rodar que a decepção começou: no geral parecia um game não terminado, com muitos bugs e mal acabamento. O título até se encerrava sozinho durante a jogatina, carros caiam do céu ou explodiam e os NPCs pareciam realmente burros. A crítica da IGN disse que o game é injogável e indesculpável vindo do mesmo estúdio de The Witcher 3. A Sony ficou tão aborrecida com as reclamações e as insistentes solicitações de reembolso que decidiram retirar o game da loja do Playstation.

 

Watch Dogs ensina que demo é demo e jogo é jogo

Quando um trailer parece bom demais pra ser verdade fique alerta! Se Killzone já se mostrou um desastre e Dead Island foi traumaticamente ruim em comparação ao que o trailer prometia, nada pode ter sido mais decepcionante do que comparar a primeira aparição em 2012 de Watch Dogs com o que foi lançado um ano depois.

A impressão que a primeira aparição deu foi que se tratava de um jogo de nova geração, fotorrealista, com uma mecânica nova e uma cidade vibrante. O que foi lançado não estava nem perto do que foi anunciado, tão pouco de ser um jogo de nova geração. Os gráficos eram bem simples e a jogabilidade estava abaixo até mesmo de GTA IV. Tal como ocorreu com Cyberpunk 2077, muita gente pediu reembolso, mas muitas lojas negaram, uma vez que o jogo era de fato funcional.

 

Mortal Kombat e o selo de classificação

Se hoje em dia existe um órgão de classificação de jogos eletrônicos, você pode (e deve) botar a culpa em Mortal Kombat. Em uma época em que os jogos tentavam ser o mais fofos possíveis, MK continha fatalidades e mortes impiedosas em lutas viscerais. Em 1993, o Congresso dos EUA convocou uma audiência para debater o tema da violência nos videogames, onde muitas autoridades disseram que games do título deviam ser banidos e seus produtores passar um tempo na prisão. Até mesmo Ed-Boom, produtor do game concordou que não deixaria seu filho menor ter acesso ao game.

Seguido dessa polêmica, Mortal Kombat se viu proibido de chegar em alguns países, enquanto que em outros ele teve de ser censurado. Notoriamente a versão de SNES trocou a cor do sangue dos personagens. A polêmica acabou ajudando a franquia de certo modo, pois a fama rendeu muito lucro, mas não há como negar que MK 2 foi o grande divisor de águas quando se fala de videogames e violência.

 

Doom e o Massacre de Columbine

Já contamos essa história uma vez, mas vale a pena relembrar essa polêmica: em 1999 dois adolescentes entraram armados até os dentes e atiraram contra seus colegas de escola e professores, ceifando a vida de 12 pessoas antes de cometerem suicídio. Na época o episódio foi visto como a maior tragédia envolvendo armas de fogo em solo americano.

Quando a polícia investigou o passado dos alunos, descobriram que ambos eram viciados em Doom, tendo até mesmo criado uma versão da escola no jogo. Pronto, a confusão estava armada. Associações de pais e a mídia logo apontaram os videogames como os responsáveis pela carnificina. Quanto mais investigavam Doom, mais parecia que o jogo era um elaborado plano para desvirtuar os jovens americanos, desde os símbolos nazistas até os portais que traziam demônios. Tal como ocorreu com Mortal Kombat, Doom teve de passar pelo crivo da justiça, pois diversos pais dealgumas das vítimas processaram os produtores do game, mas sem sucesso.