Esquadrão 51: Game nacional lança campanha no Kickstarter

Se você é leitor assíduo aqui do GameReporter certamente já ouviu falar do game brasileiro Esquadrão 51, afinal o título da Loomiarts roubou a cena no evento BIG Festival 2017 e desde então se tornou um dos projetos mais aguardados desde então. Infelizmente o título ficou ausente dos circuitos dos eventos de games nacionais e não ouvimos falar mais dele. Agora temos novidades sobre o título: a Loomiarts e a produtora Fehorama Filmes deram início a uma campanha de financiamento coletivo no Kickstarter para a finalização do jogo.

O game de naves mistura o gênero shoot ’em up com cenas live action, ao estilo preto e branco da ficção científica dos anos 1950. Os visuais são a parte de maior destaque do game, além da ação e as explosões dinâmicas. É como uma mistura de Gradius com Guerra dos Mundos e outros filmes com temática de guerra galática.

A campanha termina no dia 11 de fevereiro e tem como meta inicial arrecadar US$ 28 mil, os interessados podem contribuir com valores entre US$ 5 e US$ 5 mil, com as mais variadas recompensas, que incluem cópia digital do game, livro de making of (físico ou digital), LP com a trilha sonora e miniaturas dos personagens. A previsão de lançamento está marcada para o segundo semestre deste ano, nas plataformas Nintendo Switch, PC, Playstation 4 e Xbox One.

Na trama, alienígenas chegam à Terra com a promessa de um futuro melhor. Porém o planeta acaba dominado pela Corporação Vega, liderada pelo maligno Diretor Zarog (Cristian Verardi). Surge então o Esquadrão 51 para enfrentar os discos voadores e monstros espaciais. Ao longo de 11 fases de muita ação, o jogador assume o comando das aeronaves rebeldes – pilotadas pela corajosa Tenente Kaya (Kaya Rodrigues).

A criação do game e roteiro são de Márcio Rosa, com produção executiva de Matheus Piccoli e Giordano Gio, e direção das cenas de Felipe Iesbick. No elenco também estão Paula Souza, Adriane Azevedo, João França (1960-2020), Oscar Simch, e outros. “Esquadrão 51” tem distribuição mundial garantida pela publisher chinesa WhisperGames.

Você pode conferir o trailer de Esquadrão 51 abaixo:

Conheça Dog Duty, novo game indie de estratégia para todas as plataformas

Hoje o destaque vai para mais um jogo indie da SOEDESCO, que chega no segundo trimestre desse ano. Trata-se de Dog Duty, um RTS em tempo real para PS4, Xbox One e Switch, que desafia os jogadores a derrotar o exército do terrível comandante Octopus em uma série de ilhas. O grande diferencial é que o título conta com bastante humor e batalhas difíceis contra os chefões.

Desenvolvido pelo estúdio Zanardi & Liza, Dog Duty oferece aos jogadores tiroteios épicos e uma boa dose de batalhas épicas contra chefões. O macete é que cada missão demanda de táticas elaboradas. Ou seja, não adianta repetir velhas fórmulas, pois cada fase requer sua própria estratégia.

“É ótimo trabalhar com a SOEDESCO Studios no desenvolvimento de Dog Duty ver o trabalho para outras plataformas. Sinto firmeza com eles, por conta do progresso do port. A versão console tá bonita, tem boa jogabilidade e mal posso esperar pelo lançamento.”, disse Leonardo Zimbres, fundador do estúdio de desenvolvimento Zanardi & Liza.

Durante seu período no Early Access da Steam, Dog Duty recebeu muitos grandes updates. Com o feedback da comunidade, Zanardi & Liza trabalhou duro nas melhorias de Dog Duty, adicionando mais personagens jogáveis e inimigos. Jogadores podem montar esquadrões de 3 membros, a partir de 8 personagens possíveis.

O estúdio Zanardi & Liza também mudou a UI completamente, adicionando mais diálogos e encontros com NPCs amigáveis e duvidosos. Com um novo sistema de abordagem, jogadores podem adentrar postos inimigos e-ou conquistados. Por exemplo, jogadores podem agora receber mensagens hostis dos postos inimigos não-conquistados. A versão para Nintendo Switch, PS4 e Xbox One também sairá com estes updates.

Abaixo você confere o trailer de Dog Duty:

7 coisas que você precisa saber sobre o Xbox One Series X

Durante a The Game Awards a Microsoft deu o pontapé inicial da nova geração de videogames ao anunciar o Xbox Series X, sucessor do One. Poucos detalhes foram revelados, porém algumas coisas já foram ventiladas no evento e em conversas de corredores. Hoje vamos dissecar sete coisas que você precisa saber sobre o novo videogame da Microsoft.

 

Tudo em família

A primeira coisa que você deve ter em mente é que a máquina apresentada na TGA não é a única plataforma que os engenheiros da Microsoft estão trabalhando. Na verdade ele é apenas um dos membros da família denominada “Xbox”. Em outras palavras, a próxima geração da Microsoft não se resumirá em apenas um único console, mas sim em diferentes versões capazes de rodar os mesmos jogos ou com funções diferenciadas, tal como vimos ocorrer recentemente com a versão All Digital do Xbox One. Essa pista deixa a impressão de que a Microsoft deve seguir um caminho semelhante ao que a Apple já faz ao lançar diferentes versões do iPhone.

 

Preço

Ainda é cedo para falar de preço e entendemos o porquê a Microsoft não ter dado nenhum indicativo de quanto teremos de economizar até o lançamento, afinal a concorrência se ajustaria rapidamente ao que a empresa de Redmond faria. Entretanto, se serve de alento, a Microsoft já disse que não cometerá os mesmos erros de preço do Xbox One na ocasião de seu lançamento. O que isso significa? Bem, o atual console da empresa norte-americana chegou custando US$ 499,00, cerca de US$ 100,00 acima de seu concorrente direto, o Playstation 4. Com isso, analistas apostam que o preço do console no lançamento deva ser de US$ 399,00.

Data de lançamento

O que se sabe é que tanto o Xbox Series X quanto o PS5 chegam ao mercado durante o ano de 2020. Um tanto vago, hein? Mas se quiser uma data mais precisa, a própria Microsoft deu uma dica – “Holiday 2020”, ou seja, o lançamento se dará entre os meses de outubro e dezembro de 2020. Com certeza a fabricante não irá querer deixar escapar a chance de lançar seu console a tempo do feriado de ação de graças + Black Friday + Natal.

Configurações

Neste quesito ainda faltam muitas informações, mas alguns detalhes já são públicos: a Microsoft afirmou que o Xbox Series X será quatro vezes mais poderoso que o Xbox One X e oito vezes mais poderoso que o Xbox One original; apresenta a arquitetura de CPU Zen 2 da AMD e a arquitetura gráfica RDNA, uma unidade de estado sólido projetada sob medida, GDDR6 SDRAM e suporte para Ray Tracing em tempo real e VRS. Além disso, a máquina terá poderio de renderização de até 120 quadros por segundo e resolução de até 8K. A Microsoft também promoveu o “modo automático de baixa latência” e a “entrada dinâmica de latência” para melhorar a capacidade de resposta.

Para eliminar telas de loading, a empresa optou pelo armazenamento do tipo NVMe SSD. Imagine um novo Forza rodando a 8K nativo sem telas de loading rodando em até 120 quadros por segundo. Parece surreal, mas é o futuro!

É retrocompatível?

Sim! Seguindo a cartilha adotada no Xbox One, a Microsoft garantiu que o Series X terá suporte aos títulos existentes do Xbox One, bem como aos títulos do Xbox e Xbox 360 compatíveis com o Xbox One. De acordo com a empresa, para garantir a função foi necessário interromper o programa de retrocompatibilidade no Xbox One para focar os esforços no Series X. Se a promessa for cumprida, e parece que vai, a nova plataforma já ganha uma biblioteca gigantesca antes mesmo de chegar ao mercado. Será que a Sony consegue revidar o golpe?

Terá jogos exclusivos?

Uma das fraquezas mais lembradas por fãs de videogames em relação à Microsoft quando comparada com suas rivais era a evidente falta de estúdios de desenvolvimento first parties capazes de criações únicas e desejáveis. Entre 2018 e 2019 a Microsoft saiu desembestada comprando todo estúdio que parecesse promissor e o resultado dessas aquisições é que atualmente a Microsoft Studios conta hoje com 15 subsidiárias, todas trabalhando em novos jogos para o Series X – atualmente a Sony conta com 14 subsidiárias.

Entre os jogos já anunciados, apenas Halo Infinite e Senua’s Saga: Hellblade II por enquanto, mas ao longo do próximo ano novos anúncios serão feitos. Vale ainda lembrar que algumas third parties já trabalham em outros projetos como a Ubisoft com Watch Dogs: Legion, Gods and Monsters e Rainbow Six Quarantine. Outros jogos também no forno são Battlefield 6 e Elder Scrolls VI. A próxima E3 será imperdível!

Design

O design do Xbox Series X foi motivo de memes – e não é por menos – ele possui um formato semelhante a uma “torre” ou a um “gabinete”, de modo que ele é projetado para ficar na posição vertical. A princípio causa estranheza, mas seus traços minimalistas podem ser o ar futurista que sua sala de estar está esperando.

De cordo com Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, a ideia por trás do design do Series X é que ele “desapareça” da sala, o que permitiria uma experiência mais imersiva. Dito isto, espera-se que a máquina seja bastante silenciosa.

Controle

“Em time que está ganhando não se mexe”. Foi seguindo esse mantra que a Microsoft manteve o mesmo design do Xbox Wireless Controller, do Xbox One. A única novidade é o botão Share, que permite tirar capturas de tela e compartilhar vídeos rapidamente nas redes sociais, função que o Dual Shock 4 já executa com esmero. Mas espere, de acordo com a Microsoft, o controle tem curvas mais confortáveis e seu tamanho mais adequado para se encaixar na mão da maioria das pessoas. O objetivo é unir conforto e praticidade em um produto já testado e aprovado.