Casa Gamer Banco do Brasil: a união de cultura e Esports no CCBB Brasília

Videogame é cultura, disso você já sabe. Agora é hora de mostrar a toda a sociedade que os videogames são parte de nossa cultura. Pelo menos é isso o que o Banco do Brasil irá fazer ao promover e patrocinar a primeira edição do espaço “Casa Gamer Banco do Brasil”, uma que transforma os Centros Culturais Banco do Brasil de Brasília e Belo Horizonte em espaços para jogatina livre.

Inicialmente previsto para ficar no CCBB Brasília de 28 de dezembro a 19 de janeiro, a casa de jogos teve sua temporada prorrogada até o dia 26. Desde que chegou ao Centro Cultural, a “Casa Gamer” tem proporcionado aos seus visitantes momentos de diversão, interatividade e nostalgia. As estações fixas contam com jogos que vão desde os fliperamas antigos até os jogos mais recentes. O pavilhão de vidro abriga uma pista de dança, várias estações para jogos mobile, seis consoles com jogos de futebol e corrida e uma arena de Counter-Strike de nível profissional. Nos fins de semana, a arena abriga uma competição amadora de CS:GO. A intenção é agradar o público de todas as idades.

De acordo com a organização do evento, além da arena de jogos no pavilhão de vidro, há ainda fliperamas espalhados pelo CCBB e jogos vintage localizados em um lounge montado ao lado da bilheteria.

“Esse ambiente foi feito para reunir as pessoas, as famílias e descontrair. Já somos referência no esporte de ginásio, quadra e praia. Queremos também ser referência nos jogos eletrônicos”, afirma Mauro Ribeiro Neto, vice-presidente corporativo do Banco do Brasil.

Abaixo você confere a programação completa:

 

ARENA DE GAMES DIGITAIS (FIXO)

Espaço equipado com jogos free play de futebol, dança, corrida e jogos first person online. Nos finais de semana, a arena de Counter-Strike abrigará uma competição amadora entre quatro equipes.

Data: 28/12 até 26/01

Horário: quinta a domingo, das 10h às 21h

Local: Pavilhão de vidro

Jogos: Just Dance, Mario Kart, CS:GO, Fortnite, Fifa e Mobile.

 

Just Dance

Com uma pista de dança iluminada, um telão para o público acompanhar os passos e espaço para até quatro pessoas jogarem ao mesmo tempo, a estação do jogo Just Dance tem animado crianças, adolescentes e adultos de todas as idades, além de revelar grandes dançarinos.

No rol de músicas, clássicos e sucessos atuais, nacionais e internacionais, podem ser escolhidos pelos jogadores para se soltarem e dançarem no espaço.

 

Mario Kart

Um dos jogos mais famosos de todos os tempos, que, inclusive, ganhou uma versão para smartphones no ano passado, possui uma estação com dois consoles (Nintendo Switch) e possibilidade de duas duplas por vez.

Pais e filhos, amigos, desconhecidos, todo têm se divertido com a corrida mais clássica que conhecemos. Alguns voltando no tempo e apresentando para as novas gerações um jogo que marcou época e outros descobrindo juntos as maravilhas (e armadilhas) desse jogo emocionante.

 

Counter-Strike e Fortnite (Arena First Person)

A Casa Gamer conta com uma arena de First Person games de nível profissional. São duas estações com 5 computadores cada, todos com periféricos próprios para jogos, fone para comunicação entre os jogadores e cadeira gamer.

No espaço, os visitantes podem jogar CS:GO (da franquia Counter-Strike) ou Fortnite (sucesso com os jogadores mais jovens). Nos fins de semana, a arena sediará uma competição amadora de CS:GO de tirar o fôlego.

 

Arena de Futebol

Com arquibancada, grama sintética e pufes em formato de bola de futebol, a área destinada ao jogo possui quatro consoles (Playstation), permitindo que quatro duplas joguem ao mesmo tempo, proporcionando momentos emocionantes entre pais e filhos, amigos e até entra aqueles que se conheceram na fila.

Na arena, os visitantes podem escolher entre o FIFA 20 ou o PES (Pro Evolution Soccer), atendendo aos amantes dos dois jogos, concorrentes no título de melhor jogo de futebol do mundo há alguns anos.

 

ESTAÇÃO DE JOGOS RETRÔ (FIXO)

Datas: 28/12 até 26/01

Horário: quinta a domingo, das 10h às 21h

Local: Área Externa – Ao lado da bilheteria

Jogos: Sonic, Street Fighter, RiverRaid

 

Lounge Vintage

Além do pavilhão de vidro, há um lounge com jogos vintage, com consoles Atari e Mega Drive e fliperamas, para trazer de volta os tempos de infância dos mais crescidos e apresentar aos mais novos os clássicos que nunca deixaram de encantar gerações.

 

Serviço – Casa Gamer CCBB

Local: CCBB Brasília – SCES Trecho 2 – Brasília/DF

Tel: (61) 3108-7600

28 de dezembro de 2019 a 26 de janeiro de 2020

Quinta a domingo

10h às 21h

Entrada franca com retirada de ingressos na bilheteria do CCBB.

Mais informações aqui.

 

Retrospectiva – Dez últimos anos de jogos eletrônicos

O ano de 2019 marca o fim de uma década de grandes momentos para a indústria de jogos eletrônicos e praticamente sacramenta o sucesso do Playstation 4 e o início da nova estratégia da Microsoft. Por outro lado a Nintendo trabalha incansável para manter os bons resultados já conquistados com o Nintendo Switch. Os anos 2010s serão marcados por alguns dos melhores jogos de todos os tempos, despedidas tristes e novos parâmetros para a indústria.

Hoje vamos relembrar alguns dos momentos mais marcantes da última década. Confira!

 

2010 – A sétima geração se torna desejável

Os anos 2010s marcavam o amadurecimento tardio da sétima geração de videogames, fato evidenciado pela quantidade de novas IPs de alta qualidade que surgiram neste ano, tais como Alan Wake, Darksiders, Deadly Premonition, Heavy Rain e Metro 2033. Além disso, alguns dos melhores games já criados surgiram em 2010 como Mass Effect 2, God of War III, Super Mario Galaxy 2 e o arrasa-quarteirão Red Dead Redemption. Para muitos gamers o ano 2010 foi um dos melhores que a indústria já teve.

 

2011 – A batalha dos portáteis

Apesar de alguns games importantes terem sido lançados em 2011 como Marvel VS Capcom 3, Limbo e Mortal Kombat, o ano de 2011 ficou marcado mesmo pela batalha travada entre Sony e Nintendo no ramo de consoles portáteis com os lançamentos do Playstation Vita, o sucessor do PSP e última investida da Sony no mercado de portáteis; e do Nintendo 3DS. Ainda que o PSVita se orgulhasse de ter um poder de processamento maior, quem levaria a melhor seria o console da Big N graças a sua capacidade de gerar jogos em 3D sem uso de óculos de realidade virtual e seus jogos de alta qualidade. Muitos consideram que o PSVita foi um videogame injustiçado.

 

2012 – O início do declínio da Nintendo

Sorte no ramo de portáteis, azar nos consoles de mesa, esta foi a sina da Nintendo em pouco menos de um ano após o lançamento do 3DS. Apesar da alta confiança que os investidores e a comunidade apostaram no conceito de um controle em formato de tablet, a Nintendo falhou em vários aspectos, incluindo no que se refere ao poder de processamento do console, usabilidade da tela do controle em títulos grandes e até com o nome da plataforma, que apenas serviu para confundir jogadores mais casuais. O resultado foi um lançamento frio e uma adesão cada vez mais fria da comunidade. As ações da Big N tiveram forte queda durante vários meses e até se cogitou que a empresa seguiria o caminho da SEGA, abandonando de vez a fabricação de consoles de mesa. Entretanto a Nintendo conseguiu dar a volta por cima, utilizando o conceito do Wii U para a criação do Nintendo Switch anos depois, que viria a se tornar um grande sucesso.

Outro destaque importante em 2012 para nós brasileiros foi a consolidação dos grandes eventos de jogos nacionais como o BIG Festival Festival e a Brasil Game Show. O primeiro, voltado aos jogos independentes; o segundo aos jogos mais badalados do mundo. No caso da BGS, aliás, vale mencionar que não foi a primeira edição do evento, mas foi em 2012 que o evento chegou à São Paulo e se tornou o maior e mais importante evento de games da América Latina.

 

2013 – Sony massacra a Microsoft na E3

A nova guerra dos consoles finalmente teve início em 2013 com os lançamentos do Playstation 4 e do Xbox One. A máquina da Sony teve melhor sorte, aproveitando-se do lançamento desastroso do concorrente. A Microsoft apostava em um console mais restritivo com políticas de DRM e conexão permanente com a internet, já a Sony voltou-se tão somente para produção de jogos, uma plataforma mais barata e mais poderosa. A estratégia se mostraria acertada: o PS4 atropelou seu rival nas vendas e foi capaz de oferecer games mais memoráveis. Já a caixa da Microsoft, apesar de games interessantes e serviços amistosos jamais conseguiu equiparar-se nas vendas, o que serviu de aprendizado para as novas versões como o Xbox One X.

 

2014 – Facebook quer jogar

O ano de 2014 foi um pouco morno em quesito de jogos, mas algumas movimentações financeiras da indústria podem ser sentidas até hoje. A primeira foi a mágica ressurreição da moribunda Atari, que havia passado por maus bocados durante anos. Outras coisas que deram o que falar foram as compras da IP Gears of War e da produtora Mojang (Minecraft) pela Microsoft, mostrando que a empresa de Redmond ainda estava alerta ao que poderia render lucro.

Mas nada foi maior do que a compra da Oculus Rift pelo Facebook. Marck Zuckerberg estava a fim de apostar alto na realidade virtual e o Rift despontava como o mais ambicioso e moderno projeto de tornar a realidade virtual possível e bem sucedida no ramo de jogos eletrônicos. Ainda que os óculos de Realidade Virtual não tenham se popularizado como esperado, essa aquisição colocou os holofotes em cima da tecnologia.

 

2015 – Adeus a Iwata

O ano de 2015 foi marcado pelo amadurecimento da sétima geração de consoles, pois alguns dos mais premiados e adorados jogos de todos os tempos finalmente viram a luz do dia. Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, The Witcher 3: Wild Hunt, Bloodborne, Undertale e Fallout 4 foram lançados em 2015 e arrebataram notas altíssimas e prêmios de vários países. The Witcher 3, aliás, é até hoje um dos games mais bem sucedidos de todos os tempos e um dos mais influentes já lançados.

Apesar do balanço positivo, nem tudo foram flores na indústria de games: foi em 2015 que Satoru Iwata, CEO da Nintendo faleceu aos 55 anos. Iwata foi responsável pela reestruturação da Nintendo e reposicionou a empresa como uma das mais relevantes do mundo do entretenimento. Sua morte foi sentida por todos os jogadores do mundo.

 

2016 – O ano de Pokémon Go

O ano de 2016 foi atípico para os gamers, pois os dois grandes concorrentes Xbox One e Playstation 4 ganharam novas roupagens mais poderosas e (PS4 Pro e Xbox One X), mas só ficariam prontos no ano seguinte, o que mostrou que as empresas já demonstravam intenção de mudar suas estratégias. Além disso, os óculos de realidade virtual finalmente caíram nas graças das produtoras e empresários que infestaram os shoppings centers com “arcades de VR”.

O PS4 teve seu melhor ano de todos graças a jogos imperdíveis como Uncharted 4, Ratchet & Clank e The Last Guardian. Mas o fenômeno mesmo ficou por conta de Overwatch, que rapidamente se tornou um dos jogos mais jogados do mundo e figurou nos grandes campeonatos de e-Sports. Ainda assim, nenhuma febre foi maior do que a causada por Pokémon Go, apontado como o jogo a popularizar a realidade aumentada e por momentos constrangedores – e perigosos – praticados por seus jogadores. O título para mobile foi baixado 750 milhões de vezes em nível mundial, se tornando um dos aplicativos mais populares de todos os tempos.

 

2017 – A redenção da Nintendo

 

Após o fiasco do Wii U, a Nintendo decidiu não perder mais tempo batendo a cabeça em um produto impopular: a empresa lançou seu híbrido Switch, vendendo mais de 14 milhões de unidades em poucos meses. Não bastasse, a Big N ainda lançou os magníficos Super Mario Odyssey e o The Legend of Zelda: Breath of the Wild, que arrebatou uma infinidade de prêmios e aclamação da crítica. Quem também se deu bem foi PlayerUnknown’s Battlegrounds, que foi lançado em early acess em março e terminou o ano com mais de 30 milhões de unidades vendidas.

Algumas franquias amadas tiveram novas entradas, tais como Assassin’s Creed, Call of Duty, Crash Bandicoot, Dragon Quest, Doom, Final Fantasy, Kingdom Hearts e Metroid.

 

2018 – Microsoft prepara o terreno para a próxima batalha

Após anos de espera finalmente os fãs da franquia God of War tiveram um contato novo com a franquia na forma de uma aventura nórdica. O título, vale dizer, conquistou muitos prêmios e surpreendeu os jogadores ao mostrar que um game tão emblemático poderia se renovar e se adaptar a uma nova geração de jogadores. O resultado: Game of the Year. Para além disso, Fortnite conseguiu superar seus concorrentes diretos e se tornou o battle royale mais popular do mundo. Quem se deu bem também foi Red Dead Redemption, que provou que a Rockstar não perdeu seu toque de Midas.

O ano de 2018 foi marcado por uma apresentação performática quase perfeita da Microsoft na E3, apresentando jogos bombásticos e uma preocupação com o público irrepreensível. Mas talvez o mais impressionante fosse o movimento que a empresa fez para garantir sua relevância no futuro: a empresa de Redmond saiu às compras e de uma só vez garantiu a compra das empresas Undead Labs, Playground Games, Compulsion Games e Ninja Theory. Além de ter anunciado a criação de um novo estúdio chamado The Initiative em Santa Monica. Pouco depois a empresa ainda comprou os estúdios InXile Entertainment e a Obsidian Entertainment. A intenção era preparar o terreno para a próxima geração do Xbox.

 

2019 – O fim e o início de uma era

O ano de 2019 vai embora deixando um rastro de grandes conquistas e sucessos para a indústria de jogos. Algumas das notícias mais relevantes começaram com o anúncio do Google Stadia, a primeira entrada da gigante das tecnologias no mundo dos games. A revelação colocou as outras gigantes da tecnologia em compasso de espera, afinal a Google tem cacife e tecnologia necessárias para bater de frente e revolucionar as tradicionais fabricantes de consoles. O ponto negativo é que nem todos terão a tecnologia necessária para fazer uso pleno do Stadia.

Outra notícia importante é que Reggie Fils-Aime deixou a presidência da Nintendo of America. Apesar de ter pouco impacto pratico a curto prazo, a substituição de Fils-Aime deixou um vazio nos fãs da Nintendo, afinal o executivo conseguiu impingir sua assinatura nos negócio da Big N em solo ocidental.

Passados alguns meses, a Microsoft anunciou continuou sua estratégia agressiva para fortalecer sua posição no mercado global com a compra da Double Fine, produtora de Psychonauts. A impressão é que a próxima plataforma estará bem servida de jogos extremamente bem avaliados.

Por fim, e não menos importante, o fim do ano termina com o anúncio oficial do Xbox Seres X, a nova plataforma da Microsoft, que promete ser o videogame mais poderoso de todos os tempos. A próxima década promete fortes emoções para a comunidade gamer, uma vez que a Sony ainda está para demonstrar as capacidades do Playstation 5.

Top 10 – Melhores jogos da história da EA Games

Você certamente já deve ter ouvido que a Electronic Arts (EA Games) é a pior empresa do mundo, que suas práticas são predatórias e que os executivos da empresa estão apenas sedentos por dinheiro, certo? Pois é, este post não é para passar o pano para a empresa americana, mas sim para mostrar que a EA tem belos jogos e que devem ser conferidos por qualquer um.

Confira abaixo os 10 melhores jogos da EA:

 

Battlefield 3

Battlefield já era uma franquia respeitada antes do terceiro capítulo, mas foi somente com o terceiro capítulo que a comunidade passou a ver a série da EA como um rival perigoso para o domínio de Call of Duty, da Activision. O game chegou ao mercado no final de 2013 e logo conquistou aclamação da crítica especializada e atenção dos fãs de FPS, graças as suas mecânicas bem construídas, variedade de armas e o modo multiplayer viciante.

O modo multiplayer, aliás, é o grande destaque de Battlefield 3, reunindo nada menos que até 64 jogadores (PC) em uma única partida, praticamente redefinindo os jogos de tiro online. Ainda que a franquia não tenha se mantido altura das entregas de CoD, Battlefield 3 marcou uma época dos jogos eletrônicos em que os focos estavam saindo do singleplayer para o multiplayer.

 

Dead Space

Há quem pense que jogos de terror são coisas exclusivas da Capcom e da Konami, porém até mesmo a EA já teve sua própria franquia. Dead Space colocava o jogador em uma missão investigativa no ano 2508 em uma espaçonave que perdeu comunicação de maneira misteriosa. Ao chegar a espaçonave o protagonista Isaac é atacado por estranhas criaturas alienígenas deve utilizar seu treinamento militar e inteligência para entender o que estava ocorrendo e conseguir voltar para casa.

Dead Space surgiu em um momento que os fãs de terror estavam descrentes com jogos eletrônicos, afinal Silent Hill estava em franca decadência e Resident Evil se virava para uma direção mais voltada para a ação. E que surpresa o game não se mostrou? Havia um clima claustrofóbico, jump scares e momentos de extrema tensão. Para quem não jogou, essa aqui e uma obra prima do terror.

 

The Sim 2

O simulador de vida digital alcançou seu ponto máximo no segundo jogo, tornando-se o game de PC mais vendido de todos os tempos em sua época. O título não tem objetivos específicos, deixando o jogador livre para fazer o que quisesse. Criar a casa dos sonhos, arrumar uma esposa e criar seus filhos? Sim, tudo isso e muito mais e possível! As expansões deixaram o game ainda maior e mais diversificado. Muita gente detesta a “brincadeira de casinha”, mas a verdade é que jogar meia hora de The Sims 2 pode ser a porta de entrada para o vício.

 

Mass Effect 2

Outro game lançado pela EA na geração anterior e que foi considerado uma obra prima. Mas Effect 2 foi o ponto alto da franquia, introduzindo novos personagens, permitindo que o jogador faça múltiplas escolhas (que afetam o desenvolvimento da história). Não bastasse isso, Mass Effect 2 ainda contava com cenários de tirar o folego, uma aventura cheia de reviravoltas e tramas de fundo. Não e bobagem dizer que este jogo foi um dos que definiu os RPGs ocidentais nos anos vindouros. Até mesmo os RPGs orientais acabaram influenciados pelas mecânicas de Mass Effect 2 e toda a sua escala grandiosa. Trata-se de um game extremamente bem otimizado e que merece ser jogado por todos os fãs de jogos eletrônicos.

 

Need for Speed Most Wanted (2005)

Há quem considere NFS Underground 2 o maior e melhor de toda a franquia de corridas da EA, entretanto consideramos que Most Wanted (o original de 2005) e o ponto alto da franquia. MW pegou tudo que havia de bom nas corridas de Underground, porem ao invés de corridas noturnas o jogador deveria correr a luz do dia. Sua missão principal e ascender até o topo dos corredores de Rockport, e de quebra fugir da polícia. Colocar o jogo durante o dia possibilitou que o jogador prestasse atenção em diversos detalhes do cenário e fosse inundado por um show visual espetacular. Experimente sair de um túnel escuro e ter as retinas atingidas pela luz do dia. Espetacular!

 

Burnout Paradise

Burnout 3: Takedown foi um monstro, ou seja, um game que beirava a perfeição e uma compra obrigatória. Como melhorar uma formula tão bem feita? A Criterion pegou aquela sensação de velocidade insana, transportou para a nova geração de videogames e incluiu uma cidade fictícia que dá nome ao jogo. Não bastasse isso, Burnout tinha modos de jogo e desafios extremamente funcionais e que garantiam variedade na jogatina. A quantidade de veículos também e absurda e o sistema de conquistas casou bem com o jogo. Jogadores hardcore se esforçaram bastante para conquistar todos os troféus do game. E que trilha sonora magnifica!

 

Sim City 4

Uma verdade deve ser dita: já se passaram dezesseis anos desde o lançamento de Sim City 4 e ainda não existe nenhum game de administração de cidade minimamente a altura deste jogo. Sim, a Maxis conseguiu um triunfo que nem mesmo seus produtores seriam capazes de repetir. Os gráficos envelheceram bem e a cidade está sempre em movimento, dando ao jogador a sensação de que as coisas de fato evoluem.

Sim City 4 tem tantos detalhes e desafios que o jogador se sente compelido a fazer seu melhor sempre. Disponibilizar um Estadista inteiro para o jogador construir suas cidades foi um grande acerto, pois o jogador sente que suas cidades tem propósitos e não são isoladas em um contexto aleatório (tal como ocorria nos jogos anteriores).

 

The Lord of the Rings: The Battle for Middle-Earth II

É realmente difícil escolher um único jogo de RTS da EA, afinal a empresa entregou alguns dos mais magníficos do gênero, tais como Genewars, Populous e as diversas entradas de Command & Conquer, mas escolhemos o segundo capitulo de Battle for Middle Earth porque é um dos melhores e mais envolventes jogos inspirados na Terra Média. Imagine construir seu castelo, bolar estratégias e invocar os grandes heróis e vilões para varrer o chão com a cara de seus inimigos? Não há satisfação maior. Para quem curte a mitologia de Tolkien não existe jogo mais recompensador. Uma pena que o título não teve mais sequencias.

 

Black

Black foi um jogo lançado na transição de gerações, lá no equidistante ano de 2005 e meio que fazia parecer o investimento nos novos videogames totalmente desnecessário. Os gráficos eram lindos e a jogabilidade era perfeita, com muita ação e cenários destrutíveis. Black jamais teve uma sequência direta, mas conseguiu marcar o coração de muitos jogadores. É realmente improvável que uma sequência surja, então só nos resta revogar este clássico e exaltar toda a sua qualidade.

 

Kingdoms of Amalur: Reckoning

Para a nossa última posição podíamos citar Rock Band, Dragon’s Age ou Mirror’s Edge, mas resolvemos sair do senso comum (não que esses jogos não mereça), então resolvemos dar espaço para um jogo até bem desconhecido chamado Kindoms of Amalur: Reckoning, que surgiu graças a uma parceria com a Big Huge. O título é um RPG de ação com mundo aberto onde o jogador deve destruir monstros, feiticeiros e demônios para avançar. O título segue um caminho semelhante ao Fable, da Microsoft, ou seja, você faz algumas escolhas e pode seguir um caminho mais sombrio.

O grande macete aqui mesmo é o combate baseado na ação, ainda que simplificado, pois o jogador se diverte muito e disposto a conquistar os diversos poderes disponibilizados. Uma pena não ter ganhado sequência e reconhecimento do público, pois este aqui foi um dos melhores jogos de RPG da geração Xbox 360 e PS3.