Top 7: Os jogos mais esperados de 2022

O ano de 2022 promete ser ainda mais agradável que 2021 para quem gosta de jogos eletrônicos. Tem games para todos os gostos, jogos de corrida, ação, RPG etc. Além disso, outro destaque é que a onda de jogos exclusivos deve se fortalecer neste ano, graças aos movimentos realizados pela Microsoft nos últimos anos. Confira aqui sete dos jogos mais esperados para 2022:

 

Pokémon Legends: Arceus

O ano já começa movimentado com o lançamento de Pokémon Legends: Arceus para o Switch. O game é ambientado na região de Sinnoh e promete uma leva enorme de monstrinhos para capturar, além de missões em um mundo aberto. A Game Freak, desenvolvedora do jogo, promete  uma mudança sensível no estilo de jogo em comparação com o recente Sword and Shield e Shining Pearl. A mudança mais importante é o sistema de batalha, que está mais dinâmico.

 

Horizon Forbidden West

Gráficos de nova geração, gameplay mais apurada, ambientação envolvente, trilha sonora de alta qualidade e uma trama mais densa prometem elevar ainda mais a qualidade do sucessor de Horizon Zero Dawn. Como se não bastasse, o mapa de jogo deve ser ainda maior, além de contar com mais inimigos e novas mecânicas para enfrentá-los. A expectativa é que Forbidden West seja figurinha fácil nas principais premiações de melhores do ano.

 

Elden Ring

Outro concorrente de peso para o GOTY deve ser Elden Ring, caso todas as promessas sejam cumpridas. Desenvolvido pela FromSoftware e com o auxílio de George R. R. Martin, Elden Ring não deve desapontar os fãs da série Souls graças a um mundo aberto maior permeado de criaturas grotescas e NPCs nenhum pouco confiáveis.

 

Gran Turismo 7

No final de 2021 os sonystas ficaram vendo a franquia Forza correr sozinha e despontando como o maior e mais ambicioso Racing game já feito com Forza Horizon 5. Pois em 2022 a franquia Gran Turismo retorna prometendo ao menos desafiar no campo de simulares de corrida, trazendo uma jogabilidade mais fiel jamais vista, um novo modo campanha e uma coleção de bólidos fotorrealistas.

 

Starfield

Starfield será a primeira nova IP da Bethesda em 25 anos, sendo possivelmente o jogo mais ambicioso do estúdio desde Skyrim. Aqui teremos viagens interestelares, exploração planetária e centenas de missões improváveis. Como em todo RPG da Bethesda, o jogador cria seu avatar e sai explorando o mundo (universo) sem muitas ressalvas. Ah, e vale lembrar que agora o título será um filho da Microsoft.

 

God of War: Ragnarok

Após um adiamento inesperado, God of War: Ragnarok chega em 2022 como o mais esperado jogo já feito pela Santa Mônica. Kratos e Atreus voltam a fim de impedir o Ragnarok e descobrir mais sobre o Deus Loki. Ao contrário do que se esperava, não haverá uma trilogia, sendo este o capítulo final das aventuras nórdicas de Kratos

 

Breath of the wild 2

Outro game que deve fazer bonito em 2022 é a sequência de Breath of the Wild, a grande sensação de 2017. Ainda sem nome definitivo e data certa de lançamento, este aqui promete pegar tudo que o antecessor fez e elevar a um novo patamar. Ainda que poucas informações tenham saído, sabemos ao menos que os jogadores poderão se aventurar pelos céus de Hyrule, o que forçará a Nintendo a implementar novas e elaboradas mecânicas. E se você acha que é bobagem hypear um jogo sem muitos detalhes, lembre-se que não se trata de um jogo qualquer, mas sim de Zelda, a pedra mais preciosa da coroa da Nintendo.

Você conhece a ordem cronológica de “The Legend of Zelda”?

The Legend of Zelda surgiu há mais de 30 anos anos atrás e, desde então, tem sido um dos jogos de maior sucesso mundialmente.
O protagonista é o jovem herói Link cuja missão é proteger o reino de Hyrule e a Triforce, a relíquia deixada pelas Deusas criadoras do mundo, capaz de realizar desejos trazendo ao mundo uma era de harmonia e prosperidade, mas que também poderia destruí-lo caindo em mãos erradas.

Cada um dos triângulos tem uma virtude diferente, sendo elas, Coragem, Sabedoria e Poder. O principal antagonista da série é Ganon (Ganondorf Dragmire). Porém conforme o tempo que os jogos foram evoluindo, se estabeleceu na mitologia, uma grande guerra contra o mal, trazendo novos vilões a tona.

A cronologia sempre foi um ponto de debate entre os fãs e, em 2011, a Nintendo finalmente revelou a cronologia oficial no livro “Hyrule Historia”. A revelação mais interessante é a divisão das linhas do tempo. Já se imaginava que após Ocarina of Time, o tempo sofreria uma ruptura e a história seguia por dois caminhos distintos, mas agora sabemos que acontece uma divisão tripla. A série acaba se dividindo em tantos episódios que fica difícil jogar na ordem cronológica (até porque também existe a diferença de consoles), mas a própria Nintendo deixa bem claro que a série é atemporal.

Você pode ver a cronologia oficial de The Legend Of Zelda no infográfico abaixo, disponibilizado pela equipe da NET Telefone, e aproveitar ainda mais essa história clássica que conquistou milhões de fãs ao redor do mundo.

O 5 Melhores (e piores) momentos da Nintendo na E3 2017

Como já vem ocorrendo há alguns anos, a Nintendo não fez uma conferência para a imprensa durante a E3. Ao invés disso, a empresa japonesa publicou um vídeo no padrão Nintendo Direct para mostrar suas novidades para os próximos meses. E se pudéssemos resumir o que foi mostrado, seria: a Nintendo roubou a E3!

Mesmo tendo de competir com um novo console da Microsoft e com as exclusividades da Sony, a Nintendo não desapontou, mostrando a força de suas marcas e o empenho que está tendo com o Switch. Sério, foram trinta minutos extremamente bem aproveitados. A impressão geral foi que a Nintendo foi a que mais se destacou no evento americano.

 

Confira os highlights da Nintendo na E3 2017:

 

Kirby, Pokémon e Fire Emblem mostram a força da Nintendo

É incrível a força que a Nintendo tem, mesmo quando seus próprios fãs estão céticos e seus produtos desacreditados. A E3 2017 serviu para mostrar que a companhia deve se apoiar mais do que nunca em suas franquias. Este ano, tivemos muitas novidades sobre os exclusivos Nintendo e somente isso serviu para arrancar lágrimas de fãs por todo o mundo.

Desde um novo Kirby, conteúdo adicional para o Zelda, um novo Pokémon em produção e o Firem Emblem. Enfim, a Big N fez o que se esperava das concorrentes, ou seja, apostou alto no que tem, mostrou suas armas mais letais para os próximos meses e garantiu que quem investiu no Switch não vai passar maus bocados. Grande destaque, aliás, para o novo Kirby, que parece ótimo. Nessa lineup só faltou mesmo um novo Donkey Kong…

 

O novo Mario parece incrível

Na edição de 2016 a Nintendo mostrou um pouco do Super Mario Odissey, então ele não era realmente uma surpresa. Ainda assim, muita gente teve uma péssima impressão do que a empresa reservava para a próxima aventura do bigodudo. Neste ano tivemos alguns detalhes sobre a jogabilidade.

Pelo que foi apresentado, Odissey vai misturar elementos 2D e 3D, além disso, Mario vai poder controlar o corpo de outros personagens e inimigos ao jogar o chapéu em suas cabeças. Parece que a jogabilidade será das mais divertidas e os mundos de jogo serão diversos e coloridos. O mais impactante: Mario chega ainda em 2017, e possivelmente vai lutar contra Zelda pela corrida do Game of the Year.

 

Metroid Prime 4 está sendo feito

Fazia tempo que a comunidade clamava por uma sequência da respeitada franquia Metroid Prime. Após Metroid Other M e Federation Force, parecia que um novo Prime era uma utopia. Eis que a Nintendo surpreendeu ao revelar que Metroid Prime 4 está em produção. Nada além disso foi dito, nem data de lançamento, nem imagens, nada! O anúncio foi mais para surpreender mesmo e a expectativa é que este se torne um dos melhores games do Switch.

Sabe-se que o novo título não vai ter o dedo da retro Studios. Bill Trinen, diretor da Treehouse, não revelou quem são os responsáveis pelo desenvolvimento, porém revelou que o produtor Kensuke Tanabe, que trabalhou em títulos anteriores da série Metroid Prime, estará envolvido.

 

Yoshi tem novo jogo

Outra grata surpresa foi o anúncio de um novo jogo estrelado pelo Yoshi. A Nintendo está apostando alto no Yoshi, afinal não faz muito tempo que a comunidade foi presenteada com o ótimo Yoshi’s Woolly World. Este novo jogo segue mecânicas retiradas do clássico Yoshi’s Island do SNES, com um toque de Paper Mario.

O mundo de jogo é bem colorido e tem tudo para agradar jogadores mais novos, e também os antigos. Sabemos que o motor utilizado é a Unreal Engine 4, provando que o Switch não apenas é compatível, mas que pode surpreender bastante em aspectos gráficos e físicos.

 

Nintendo abraçando o cross-play

Um dos jogos mostrados durante a apresentação em vídeo foi Rocket League. Tudo bem que o jogo não é nenhuma novidade e quem tinha de jogar, já jogou. Contudo, um aspecto não pôde ser ignorado: o jogo vai ter cross-play, permitindo que quem joga no Switch possa competir com jogadores do PC e do Xbox One. É interessante ver que a Nintendo está de fato empenhada a oferecer à comunidade o que ela quer.

E aqui vai uma crítica para a soberba da Sony, que é a única a ignorar este desejo tão antigo da comunidade. E vejam só, logo a Nintendo que foi tão cabeça dura com relação às comunidades online agora está um passo a frente da Sony. A expectativa é que ao longo dos anos mais jogos tenha cross-play entre plataformas concorrentes.

 

E os pontos negativos da apresentação

 

Pouco tempo para jogos de alta qualidade

A Microsoft teve quase duas horas de apresentação e a Sony ficou no palco por uma hora inteira. Mesmo que esse tempo todo das duas empresas tenha sido aproveitado de forma mediana, vale dizer que poucas dúvidas ficaram no ar e serviu para mostrar muito conteúdo. Já a Nintendo teve apenas 30 minutos de vídeo.

Esse tempo é muito curto e não serviu para saciar o gosto de quero mais. Claro, o que foi mostrado roubou o show, mas porque não ter mais tempo de vídeo, mostrar os jogos com mais destaque e mais detalhes? A impressão foi que foi muito pouco tempo para mostrar tanta coisa boa.

 

Nada de novo no Virtual Console

A Nintendo não mostrou nada de novo para o Virtual Console, a plataforma de jogos online do Switch. Nenhuma nova promoção, nem jogos novos. Nem mesmo os indies deram as caras ou a retrocompatibilidade com plataformas antigas. A Nintendo está dando suporte ao Virtual Console, disso não há dúvidas, mas a impressão é que ao focar apenas nos jogos novos, a Big N ignorou uma base de fãs que esperam novidades sobre a plataforma.

 

Nenhuma nova IP

Tudo bem que Arms já é um dos jogos mais esperado do Nintendo Switch, mas ficamos sabendo dele na E3 2016. Deste modo, a Nintendo não apresentou nenhuma IP nova neste evento. Não que o line up tenha sido ruim, mas tal como a maioria das empresas desenvolvedoras, parece que o forte da indústria esteja em repetir fórmulas e em franquias já estabelecidas.

São raras as oportunidades que novas franquias podem brilhar e a E3 é o palco ideal para isso. Visto que a Nintendo conseguiu muito destaque nos últimos anos com Splatoon e Arms, seria de esperar que a companhia mantivesse sua sina de mostrar jogos novos no evento americano. Uma pena que desta vez isto não aconteceu.

 

3DS ficou às moscas

O Nintendo Switch é o grande foco da Nintendo para o ano e isto pôde ser visto durante a E3 2017. Assim, o 3DS acabou ficando meio que ignorado. Não que não houvessem novos jogos, afinal a empresa revelou Metroid: Samus Returns, Sushi Striker  e Mario & Luigi: Superstar Saga + Bowser’s Minions, mas a impressão geral foi que faltou alguma coisa.

Muita gente esperava que desta vez era um novo Zelda para o portátil ou quem sabe um novo Donkey Kong, mas a Big N deixou a oportunidade de lado e o que foi mostrado para o sistema foi muito pouco para uma das plataformas mais populares do mercado. A esperança é que ao longo dos meses surjam novos jogos para a sólida base instalada de jogadores do 3DS.

 

Third Parties ignoraram a Nintendo?

O principal jogo terceirizado para o Switch foi Skyrim, um título que continua estupendo, mas que já está no mercado há muitos anos. Outro destaque foi Mario + Rabbids Kingdom Battle, crossover que coloca os mascotes da Ubisoft no Reino do Cogumelo. Dois jogos. Será que o Switch vai sofrer o mesmo destino do Wii U? Ainda é cedo para cravar que o Switch será ignorada pelas desenvolvedoras, visto que a Nintendo está tentando atrair as empresas rapidamente.

Dados do VGChartz sugerem que já existem 3 milhões de consoles Switch no mercado, um número até expressivo para o pouco tempo de vida da plataforma. Mas esses números ainda não foram suficientes para que os desenvolvedores comecem a apoiar massivamente a plataforma. Se a e3 serve de termômetro, no próximo ano o Switch vai sobreviver quase que exclusivamente de jogos 1st Party.