gamescom latam terá espaço inédito para cosplayers em parceria com a essence

A gamescom, o maior evento de jogos do mundo, chega à América Latina com uma grande novidade para os apaixonados por cultura pop e cosplay. A primeira edição na região, que ocorrerá de 26 a 30 de junho no São Paulo Expo, apresenta um espaço inédito dedicado aos cosplayers: o gamescom latam cosplay lounge by essence cosmetics, em parceria com a renomada marca europeia conhecida por seus produtos que incentivam a expressão pessoal.

O lounge de cosplay não apenas será um ponto de encontro para entusiastas, mas também oferecerá recursos completos de beleza e produção. Em colaboração com a COSSUP, especialistas em serviços para cosplayers, o espaço proporcionará suporte integral, incluindo ajustes de maquiagem, perucas e cabelos, garantindo que os participantes mantenham seus visuais impecáveis ao longo do evento.

“A introdução do gamescom latam cosplay lounge em parceria com essence cosmetics representa nosso compromisso em oferecer uma experiência inclusiva e marcante para a comunidade de gamers e cosplayers”, destaca Eric Drummond, CXO do evento. “Estamos entusiasmados para ver a criatividade e paixão que os cosplayers trarão para a primeira edição da gamescom na América Latina.”

O acesso ao gamescom latam cosplay lounge by essence cosmetics é gratuito para todos os visitantes do evento, requerendo apenas o ingresso de entrada. O espaço estará equipado com infraestrutura completa, incluindo espelhos e bancadas, para facilitar montagens e ajustes de figurinos.

Além do lounge de cosplay, a gamescom latam promete uma programação diversificada, incluindo estandes de grandes publishers como Nintendo, Bandai Namco, Ubisoft, Roblox, Niantic, Wargaming, Atari, entre outros. Haverá também painéis com convidados especiais, como os diretores da CipSoft, desenvolvedora do jogo Tibia. O público poderá explorar áreas como o gamescom latam artists’ alley, meet & greet com influenciadores, campeonatos de e-sports, board games e muito mais.

Os ingressos para o evento já estão disponíveis, com preços variando de R$145 (meia-entrada) a R$340 (inteira) para visitas únicas. Há também a opção do ingresso social a partir de R$165, que inclui uma doação de R$10 para a AbleGamers Brasil, organização que promove acessibilidade por meio de jogos. Os recursos arrecadados serão destinados a tornar o evento mais inclusivo para todos os visitantes.

Com o apoio do Ministério da Cultura, Lei de Incentivo à Cultura e patrocínio de instituições como Banco do Brasil, Sabesp e TNT, a gamescom latam é realizada pela Omelete&Co e Koelnmesse, em parceria com entidades como SPcine e ApexBrasil. Novos patrocinadores e apoiadores serão anunciados em breve, fortalecendo ainda mais o compromisso com a expansão cultural e tecnológica na América Latina.

Para mais informações e para adquirir ingressos, visite o site oficial do evento.

O que a polêmica envolvendo o novo Assassin’s Creed pode nos ensinar

A recente controvérsia envolvendo Yasuke, o protagonista do novo jogo da Ubisoft “Assassin’s Creed Shadows”, nos oferece uma oportunidade de refletir sobre questões de representação cultural, racismo e a natureza da narrativa histórica na mídia de entretenimento.

A escolha de Yasuke, um samurai africano do século XVI, como personagem central de um jogo ambientado no Japão feudal, gerou uma série de debates intensos e acalorados. Porém, ao analisar as reações e os argumentos de ambos os lados, podemos extrair lições valiosas sobre preconceito, interpretação histórica e a importância de contar histórias diversificadas.

Racismo disfarçado de crítica histórica

Em primeiro lugar, é inegável que alguns indivíduos estão utilizando a polêmica para propagar racismo de maneira disfarçada. A crítica à escolha de um protagonista negro em um jogo ambientado no Japão frequentemente se mistura a argumentos que, sob uma análise mais profunda, revelam preconceitos raciais enraizados.

A alegação de que Yasuke “não pertence” à narrativa do Japão feudal ignora o fato de que ele foi uma figura histórica real já embasada por historiadores sérios, cuja história é tão válida e digna de ser contada quanto qualquer outra. Essa resistência à inclusão muitas vezes esconde um desejo de manter a mídia de entretenimento dominada por representações culturais homogêneas e exclui experiências e narrativas que fogem do padrão eurocêntrico.

A flexibilidade histórica de Assassin’s Creed

A franquia “Assassin’s Creed” nunca foi conhecida por sua precisão histórica rigorosa. Desde o seu início, a série tem sido uma mistura de fatos históricos e ficção, utilizando eventos e figuras reais como base para criar narrativas emocionantes e envolventes.

A inclusão de elementos fictícios, como a luta entre Assassinos e Templários e os artefatos místicos conhecidos como Pedaços do Éden, mostra claramente que o objetivo dos jogos não é fornecer uma recriação fiel da história, mas sim oferecer uma experiência de entretenimento rica e imersiva. Portanto, a crítica de que a inclusão de Yasuke distorce a história é, em grande parte, infundada dentro do contexto da série.

A importância da história de Yasuke

Contar a história de Yasuke em “Assassin’s Creed Shadows” não é apenas uma oportunidade para diversificar os protagonistas dos jogos, mas também para explorar temas que a franquia nunca abordou de maneira significativa. Yasuke representa a interseção de culturas, a migração e a complexidade das identidades históricas.

Sua jornada, de um africano que se torna samurai no Japão, desafia narrativas simplistas e permite uma exploração mais profunda de questões como o preconceito, a adaptação cultural e a resiliência pessoal. Esses temas são relevantes não apenas no contexto histórico, mas também em nosso mundo contemporâneo, onde questões de identidade e representação continuam a ser centrais.

Reflexão filosófica sobre a resistência à mudança

A resistência à mudança e à inclusão que vemos em torno da controvérsia de Yasuke pode ser compreendida através de uma lente filosófica. O filósofo alemão Friedrich Nietzsche argumentou que os seres humanos tendem a resistir ao que é diferente e desconhecido, preferindo o conforto das normas estabelecidas e das tradições. Essa resistência pode ser vista como uma forma de “ressentimento”, onde os indivíduos projetam sua frustração e insegurança em grupos ou ideias que ameaçam seu senso de identidade cultural e social.

Ao mesmo tempo, a filosofia existencialista, particularmente através das obras de Jean-Paul Sartre, nos ensina que a identidade humana é fluida e construída através de nossas escolhas e interações. Aceitar e celebrar a diversidade é reconhecer a complexidade e a riqueza da experiência humana. Em vez de ver a inclusão de Yasuke como uma ameaça, podemos vê-la como uma oportunidade para expandir nossa compreensão do mundo e de nós mesmos.

Conclusão: Assassin’s Creed Shadows é muito necessário nos dias de hoje

A polêmica em torno de Yasuke no “Assassin’s Creed Shadows” é um reflexo das tensões maiores em nossa sociedade sobre representação, história e identidade. Ela nos ensina que é crucial questionar os motivos por trás das críticas e reconhecer quando o preconceito está disfarçado de preocupação com a precisão histórica.

Além disso, contar essa história destaca a importância de contos diversos e ricos que desafiam narrativas homogêneas e promovem uma compreensão mais ampla e inclusiva da experiência humana. Através da história de Yasuke, temos a oportunidade de explorar novos temas e perspectivas, enriquecendo não apenas a franquia “Assassin’s Creed”, mas também nossa cultura como um todo.

Se o jogo será bom ou não, isso veremos em breve, mas é fato que só por ter aberto essa discussão Assassin’s Creed Shadows é muito necessário nos dias de hoje, pois nos possibilita debater questões raciais que ainda são tabus em toda a comunidade gamer. Acerto da Ubisoft!

Ubisoft anuncia crossover de Kung Fu Panda em Brawlhalla

Quem não se lembra dos personagens Po e Tai Ling da divertida animação Kung Fu panda? Pois bem, a Ubisoft, em parceria com a Universal Games acaba de anunciar que os personagens de Kung Fu Panda, da DreamWorks Animation, estarão disponíveis em Brawhalla, o divertido game de luta com estilo plataforma.

A partir de 24 de março a chegada das novas personagens em Brawlhalla dará início a um evento in-game que irá introduzir um modo de jogo, um mapa do reino espiritual de Kung Fu Panda 3 e um efeito K.O com o Mestre Shifu. Mantis, Crane, Monkey e Viper também farão aparições em Signature Attacks para ajudar Tigresa e Po nas batalhas.

Desenvolvido pela Blue Mammoth, Brawhalla é um jogo gratuito de luta em estilo plataforma que coloca os jogadores em disputas pela glória nos corredores de Valhalla. Conta com mais de 50 personagens únicos, modos single player e coop, além de partidas on-line e locais.

Brawlhalla tem suporte cross-plataform entre Xbox One X, Xbox Series X|S, Nintendo Switch, PlayStation 4, PlayStation 5, Windows PC e mobile (iOS e Android), e os usuários podem disputar partidas customizadas e encontrar adversários pela internet por meio do sistema de matchmaking.

Mais informações sobre o Brawlhalla podem ser encontradas aqui.