Google Play divulga lista dos melhores jogos de 2021

Para quem gosta de lista de melhores do ano, o Google anunciou os melhores aplicativos e jogos da loja brasileira em 2021. Os títulos foram selecionados por uma equipe editorial do Google, que leva em conta critérios como qualidade e nota de avaliação do público.

Semelhante ao ano passado, seguem populares os aplicativos focados no auto-aperfeiçoamento, controle de hábitos e meditação. Nos jogos, o Play Store também viu uma onda de desenvolvedores independentes criando experiências de jogo imaginativas e pessoais.

Confira abaixo a lista dos vencedores deste ano no Brasil:

Os mais competitivos

      • Rogue Land: jogo 3D dinâmico em um mundo de fantasia e monstros;
      • MARVEL Future Revolution: primeiro RPG mobile baseado no universo da Marvel.
      • Northgard: jogo de estratégia baseado na famosa Mitologia Nórdica;
      • League of Legends: Wild Rift: versão mobile de um dos jogos mais famosos do mundo;
      • Suspects: Mystery Mansion: jogo online de até nove jogadores para resolução de mistérios.

 

Os mais inovadores

      • Inked : resolva puzzles com a identidade de um Samurai;
      • Sixit : com apenas seis ações por turno, o jogo leva seus jogadores a explorar a floresta, resolver os seus puzzles e salvar os amigos da Grande Tempestade;

 

Os melhores indies

      • Donut County: jogo de quebra-cabeça de física baseado numa história no qual você joga como um buraco no chão que está sempre crescendo;
      • My Friend Pedro: Ripe for Revenge: baseado no jogo de computador com mesmo nome, esse novo jogo traz tudo do seu antecessor para os celulares;
      • Bird Alone: jogo de superação, aventura, música e da vida;
      • 7 Billion Humans : jogo que permite o jogador a gerenciar um mundo com 7 bilhões de pessoas;

 

Os melhores casuais

      • Project Makeover : jogo que repagina os personagens por meio de escolhas de roupas, penteados, maquiagens e até móveis da moda;
      • Disney POP TOWN : jogo de fases que, resolvendo quebra-cabeças desafiadores, é possível colecionar trajes e construir cidades com temas da Disney;
      • Gatos no Tempo : o jogador deve resolver puzzles para salvar os gatinhos que viajaram por uma máquina do tempo e ficaram presos na Idade Média;
      • Switchcraft: combinar 3 mágicos : através de resoluções dos quebra-cabeças de centenas de fases, o jogador caminha para solucionar o desaparecimento de Lydia em uma trama que se desenrola em uma linda história em quadrinhos.

 

Melhor para tablets

      • League of Legends: Wild Rift: a versão mobile de um dos jogos mais famosos do mundo.

Top 5 – Jogos feitos para ajudar no combate à depressão e ansiedade

Durante a pandemia do novo coronavírus muitas pessoas relataram passar por uma situação de extremo estresse, e não foi por menos! Contudo, os jogos online foram a salvação de muitas pessoas durante esse período de isolamento social. De acordo com um estudo feito pelo Programa Xbox Research Accessibility Community Feedback, 84% das pessoas afirmaram que os games ajudaram em relação à saúde mental no período mais forte da pandemia.

“Após um dia estressante no home office, há quem encontre conforto em passar um tempo na frente da televisão ou do computador jogando alguma coisa. É importante ter a noção do quanto esse tempo é benéfico para a saúde mental”, afirma Dr. Victor Kurita, (CRM 98008 SP), médico focado na saúde física e mental dos gamers. Pensando nisso, o médico selecionou cinco jogos online criados especialmente para ajudar pessoas com transtornos de ansiedade e depressão.

Jornada do Acolhimento: criado em parceria com associações de psicólogos e psiquiatras, o jogo é feito propriamente para conscientizar os jogadores sobre a depressão. São quatro estágios que passeiam pela fase da descoberta, superação, esperança e cuidado.

Hellblade: Senua’s Sacrifice: o jogo foi criado a partir de eventos reais após a invasão viking nas ilhas Orkney e a personagem do Jogo, Senua, viaja para um dos mundos da Mitologia Nórdica. Enquanto a jornada dela acontece, o game mostra com clareza como se comporta uma pessoa com ansiedade e até mesmo com episódios de psicose.

Sea of Solitude: o jogo se passa na Alemanha após uma enchente devastadora e a personagem principal, Kay, passa pela cidade destruída totalmente solitária e sozinha. Entre os monstros que ela combate, ao longo do jogo fica implícito que isso tudo na verdade vem da protagonista, que passa por uma fase de depressão severa, mas vê um lampejo de esperança com outras representações artísticas de luz no meio da escuridão.

Celeste: com uma arte mais voltada para o que lembra os anos 80, a ideia do jogo é ajudar Madeline a sobreviver à seus demônios interiores. Isso acontece enquanto ela está na jornada de escalada de uma montanha até seu topo evitando a morte. A ‘luta’ é de uma pessoa com ansiedade e depressão e faz o jogador empatizar com a personagem, fazendo o possível para que ela chegue ao final.

Flower: o jogo não é desafiador, mas tem a intenção de trazer sentimentos e sensações boas ao jogador. Também sem diálogos, o arco narrativo é formado pelas artes visuais e emocionais. Ao controlar as pétalas que voam graças ao vento, o jogo é considerado como uma terapia para jogadores com depressão.

Por mais que existam muitos estudos que falem sobre como o uso excessivo de games pode ser prejudicial à saúde mental, outros debatem exatamente o contrário, como é o caso dos pesquisadores da Universidade de Oxford, que relacionam o modo de jogar com o bem-estar dos jogadores. Matti Vuorre, um dos autores do estudo, afirma que os jogos oferecem uma alternativa interessante e satisfatória em relação aos contatos restritivos da pandemia.

“Apesar de muito tempo de tela não ser recomendado, os jogos online podem ser muito benéficos para a saúde mental, tanto para reduzir o estresse, quanto para apoiar o equilíbrio mental e ajudar com o relaxamento. Eles oferecem um escape, uma chance de deixar suas preocupações diárias para trás por um tempo e fazer algo completamente diferente”, finaliza Dr. Victor.

Top 6 – Jogos que se tornaram fenômenos da cultura pop

Alguns jogos ultrapassam as barreiras do que é apenas um jogo eletrônico, tornando-se verdadeiros fenômenos da cultura pop, sendo facilmente reconhecíveis mesmo entre quem não é lá tão chegado em videogames. Hoje vamos elencar seis franquias dos games que se tornaram verdadeiros fenômenos da cultura pop.

 

Halo

O Xbox é provavelmente o último grande lançamento de videogames do mundo, isso em 2001. Na época a Sony e a Nintendo já eram empresas estabelecidas enquanto que a Sega dava seu canto do cisne. Inegavelmente o sucesso do Xbox se deu graças a uma franquia: Halo. A franquia da Bungie vendeu mais de 81 milhões de jogos, contando os spin offs, alçando a franquia a uma das mais bem sucedidas da história e ícone da cultura pop.

Não obstante, o game transpôs o caminho dos games e foi expandido para o universo dos quadrinhos, livros, animes e até uma série live action. O grande segredo é que Halo sempre consegue boas notas da crítica e aclamação do público. E como não mencionar Master Chief, um dos personagens mais reconhecidos do mundo dos games.

Angry Birds

Parece bobagem a primeira vista, mas a verdade é que Angry Birds é de fato um fenômeno da cultura pop. Viciante e fácil de jogar, os pequenos pássaros raivosos transformaram a pequena Rovio em uma das forças mais proeminentes dos jogos móbile, tendo lançado quase 20 jogos relacionados aos Angry Birds. Outra prova do sucesso dos pássaros foram os crossovers com dois outros pesos pesados da indústria de massa: Star Wars e Transformers. Também é importante ressaltar a série de televisão americana que se tornou fenômeno e os dois filmes em animação que obtiveram bilheterias expressivas.

Minecraft

Você pode ter até torcido o nariz para Minecraft, mas em algum momento teve de dar o braço a torcer. O game é simplesmente o mais vendido de todos os tempos, deixando franquias como GTA ou Mario comendo poeira. Com mais de 238 milhões de cópias vendidas e onipresença em quase todas as plataformas atuais, o jogo da Mojang entraria facilmente no radar das gigantes do entretenimento eletrônico.

Em 2014 a Microsoft comprou a produtora por nada menos que US$ 2,5 bilhões. A franquia Minecraft conta com cerca de 140 milhões de jogadores mensalmente e inspirou uma série de quadrinhos, livros, brinquedos Lego, um jogo em modo campanha e até mesmo um evento próprio, o MineCon. Também é bom destacar que centenas de youtubers ganharam fama internacional transmitindo lives em canais dedicados a falar exclusivamente de Minecraft.

 

Tomb Raider

Hoje em dia a franquia Tomb Raider parece esquecida pelo grande público, mas a verdade é que a saga de Lara Croft se tornou um caso de sucesso tão grande que é até difícil mensurar o impacto cultural do game. O game surgiu em uma época que o Playstation não tinha um mascote para chamar de seu, ainda assim, Lara Croft se tornou tão ligada ao Playstation quanto Mario e Sonic era para seus consoles concorrentes, simbolizando a força do console.

Tomb Raider ainda é apontado como o jogo que inseriu as mulheres como protagonistas em um mundo dominado por personagens masculinos. E como não mencionar que a franquia ainda recebeu duas adaptações com orçamento poupudo o bastante para ter como estrela a Angelina Jolie na época em que a atriz estava nos charts de pessoas mais bem pagas do mundo?

 

World of Warcraft

World of Warcraft (ou WoW para os íntimos) é provavelmente o game que levou os MMO a outro patamar, conquistando o coração de milhões de jogadores mundo a fora. A franquia da Blizzard dominou as lan houses no período em que todo mundo matava aula para jogar nesses ambientes. A enxurrada de expansões cuidou para manter a base engajada e não deixar o mundo de Azeroth esquecido.

Não obstante, WoW teve tantas peças publicitárias que é difícil ver alguém que nunca viu os personagens do game. A franquia ainda foi lembrada no memorável episódio 8 da décima temporada de South Park: Make Love, Not Warcraft. Além disso, ainda recebeu uma adptação fraca. Mas bem intencionada de Hollywood e o melhor meme do mundo dos games.

 

Pokémon

Faça as contas: oito gerações de jogos, 1131 episódios de animes, 23 filmes animados, milhões de brinquedos vendidos, ao menos um avião com o rosto do Pikachu. Como senão bastasse, os monstrinhos de bolso ainda podem se gabar de serem o grande motivo de tornar os portáteis da Nintendo um absoluto sucesso. Os lançamento de Pokémon Go e Pokémon Unite mostram que não há indícios de que esse fenômeno vá acabar algum dia. Se para você Pokémon é coisa de criança, lamento dizer que a franquia é muito viva e muito mais potente comercialmente falando do que qualquer novo Call of Duty ou Battlefiel. Pelo mundo viajarei tentando encontrar…