Professora do Marista cria jogos de tabuleiro para ensinar matemática

Marista

A pandemia do novo coronavírus tem obrigado professores e alunos a se adequarem a nova realidade, pensando formas de manter os estudos com qualidade, sem deixar as coisas maçantes. Um caso de sucesso que merece atenção é o caso do Colégio Marista em São Paulo, que criou um jogo de tabuleiro para auxiliar os alunos aprender matemática.

A ideia é simples: jogar dominó para aprender frações ou brincar de jogo da memória para treinar  multiplicação. A solução foi atribuída aos alunos do 3º, 4º e 5º do Marista Escola Social Irmão Rui, que atende gratuitamente crianças e adolescentes, no Bairro Jardim Maria das Graças, em Ribeirão Preto (SP) estão aprendendo matemática. A iniciativa faz parte do projeto Redescoberta, que tem como missão descobrir novas formas de olhar para a disciplina tão usada no cotidiano.

Durante o período das aulas remotas, os alunos receberam nas suas casas um kit com jogos prontos para fazer as atividades em família. Dentro da sala de aula, o projeto serve como um reforço para a disciplina , que seguiu com aulas online neste período de pandemia.

“Sentíamos que os alunos precisavam lembrar como era dentro da sala, por isso enviamos os kits para que possam jogar e também criar outros jogos com os materiais enviados”, conta a professora Adriana Ezequiel, do Marista.

Os kits foram entregues junto com as atividades quinzenais impressas, retiradas com horário previamente marcado. “A ideia é entender que a matemática está presente em muitos momentos da nossa vida, e de uma forma divertida aprender as operações que vão acompanhá-los em muitos anos de estudo”, reforça Adriana.

Aprendizado para toda família

Para a mãe de Sabrina Vitória Souza de Freitas aluna do 5º ano no Marista Escola Social, essa atividade contribuiu para momentos de aprendizado e diversão de toda família. “Muitas coisas mudaram na forma de ensinar, eu não tive a oportunidade de terminar meus estudos, então junto com ela, aprendemos muito também”, reforça Maira Sousa Mendes.

A estudante de apenas 8 anos confessa as dificuldades na disciplina. “Não é minha matéria favorita, eu demoro mais para entender, mas com esse jogos, a gente nem sente, fica muito mais divertido de aprender”, revela.

Para mais informações, clique aqui.

Autor: Luiz Silva

Luiz Silva, jornalista de games formado pela Universidade Paulista. Já escreveu para as revistas da Tambor Digital (EGW, Gameworld), para o site Player 2 entre outras coisas. "Sou um entusiasta por videogames, apesar de jovem já tive até um Atari, minha série favorita é Silent Hill".

Deixe seu comentário