A Bandeira do Elefante e da Arara – RPG clássico lança financiamento coletivo para virar game

Quem acompanha o mercado de board games certamente já ouviu falar do RPG A Bandeira do Elefante e da Arara, game ambientado em uma versão fantástica do período colonial brasileiro e que se tornou um dos mais populares e premiados do país. Pois bem, há uma grande chance de ele migrar das mesas para os computadores, afinal há uma campanha de financiamento coletivo em voga no Catarse.

Para quem não conhece, A Bandeira do Elefante e da Arara nasceu com contos e se espalhou por diferentes formatos e mídias, como romances e HQs. A série original levou as histórias e lendas brasileiras para o mundo, sendo traduzida para sete idiomas e alcançando mais de 100 mil leitores. Tornou-se também um RPG de sucesso internacional, já com sete títulos lançados, ao adaptar o riquíssimo folclore do nosso país para a fórmula do RPG de mesa. Trata-se do único RPG nacional a receber nos EUA o prestigioso prêmio ENnie, um dos maiores do RPG.

O objetivo do game é levar toda a tradição do board game para o ambiente digital. Para isso, no gane, o jogador vai acompanhar a história de Baltasar, um jovem português em busca de aventuras e redenção nas terras inexploradas da colônia. O caminho do jovem é interrompido por um touro negro, uma tribo de guerreiras indígenas e uma entidade ancestral. Tudo isso em uma terra em eterno conflito. O jogador forma então um grupo de até quatro personagens para desbravar a região entre Olinda e São José do Maranhão.

O game está sendo desenvolvido pelo Time Galleon Studio, que foi formado para o projeto, mas que conta com experientes profissionais. Outro destaque é que o gane contará com um estilo artístico único, que retrata com esmero o Brasil colonial. As batalhas, vale dizer, serão por turno.

De acordo com os desenvolvedores, a narrativa é intrigante e convida o jogador a testar seus limites de ética e moral através de escolhas ingame. Essas escolhas, aliás, afetam o desenvolvimento e conclusão do jogo. Ao longo da aventura é possível coletar itens e habilidades que afetam as habilidades do personagem. A ideia é fazer um RPG clássico com a adição de coisas mais modernas. Mais informações na página oficial no Catarse.

Abaixo você confere o trailer de Três Reinos:

Bem Vindo ao Game Design – livro busca mostrar todas as etapas da criação de um jogo eletrônico

Quem nunca jogou um game e ficou se perguntando como se deu a sua produção? Pois é justamente sobre as etapas de um game design que se propõe a falar o livro “Bem Vindo ao Game Design”, do Prof. João Victor, fundador da escola de programação One Day e criador do canal One Day Code. A obra pleiteia mostrar como é produzido um título desde seus estágios iniciais até seu derradeiro lançamento, de modo que o leitor irá perceber o que diferencia um game de sucesso, de outro relegado ao ostracismo.

De acordo com o Prof. João, o livro “Bem Vindo ao Game Design” possui linguagem fácil para completos iniciantes, de modo que o leitor interessado em entrar de cabeça no mundo da produção de jogos possa transformar um HOBBY em uma PROFISSÃO, sejam quais forem suas habilidades.

O livro ainda não está finalizado, pois seu idealizador não conta com o apoio de uma grande editora – tudo está sendo feito pelo empenho do autor. Para finalizar o projeto e publicar o livro foi aberto uma campanha de crowdfunding a fim de arrecadar R$ 7.500,00 a fim de garantir a impressão, uma revisão esperta, diagramação etc. De acordo com João, o projeto nasceu após analisar que há muitas pessoas interessadas em produção de jogos, mas que não encontram materiais de pesquisa que tornem sua saga mais fácil.

“No mercado de jogos, existe uma grande falta de profissionais capacitados, e ao mesmo tempo um excesso de pessoas tentando criar jogos, sem saber como começar, gerenciar um projeto, organizar suas ideias e escolher o melhor meio de monetizar e progredir no mercado. O que acontece é que na maioria das vezes, as pessoas miram muito alto e ao tentar criar um “Grande MMORPG Battleroyale 3D” acabam se frustrando, nunca terminando o projeto e desistindo no meio do caminho”, diz o Prof. João Victor.

O livro “Bem Vindo ao Game Design” pode ser considerado um miniguia, ensinando passo a passo como gerenciar um projeto de jogo, quais são as áreas em que você pode se encaixar, recomendações de softwares e materiais de estudo e exercícios práticos sobre Design de Jogos. Você pode experimentar uma prévia da obra baixando o primeiro capítulo aqui.

Um dos capítulos mais interessantes é o que fala sobre as carreiras de game designer, pois é aqui que o leitor fica ciente de que pode atuar em diferentes ramos do designer de um game, tal como arte, música, programação, negócios etc. A ideia de “Bem Vindo ao Game Design” é mostrar que mais do que escrever linhas de programação, a produção de jogos abraça diferentes perfis de profissionais. Além disso, a obra fala sobre como é trabalhar em pequenos e grandes estúdios, além de pincelar um pouco como é o panorama do mercado nacional de jogos.

Você pode descobrir mais sobre o livro “Bem Vindo ao Game Design”, clicando aqui ou assistindo o vídeo abaixo:

Conheça “Poracy: As Sombras da Natureza”, jogo inspirado em tribos da Amazônia

Nosso grande destaque do dia é mais um projeto brasileiro que presta homenagem ao folclore nacional. Trata-se de Poracy: As Sombras da Natureza, criado pelo desenvolvedor Kazuhira Mark. O título é uma ode ao folclore indígena com uma ambientação toda inspirada nas matas amazônicas e o jogador deve enfrentar sete bosses assustadores.

A trama leva o jogador ao passado, centenas de anos após um dos filhos de Taú e Kerana ser morto e o mal ser enfraquecido como um todo. Eis que a luz da lua é roubada do céu, o símbolo da derrocada do mal, e as forças da escuridão ganham força. Cabe a Poracy a árdua missão de derrotar as sete forças malignas que assombram as matas amazônicas e trazer a paz de volta a sua terra.

“Os povos indígenas da América Latina tem um folclore e um imaginário único e rico repleto de histórias e criaturas fantásticas que podem ser exploradas, em nosso jogo utilizamos de vários elementos de toda essa gama, além de traços do imaginário amazônico como um todo para construir um mundo rico em personagens e objetos para o jogador explorar e conhecer mais sobre a cultura dos povos pré-colombianos”, diz Marcus Paz, desenvolvedor de Poracy: As Sombras da Natureza.

O título tem inspiração nas criaturas e mitos da cultura guarani e da cultura Amazônica e cabocla. O mundo do jogo é fictício, bem como o povo retratado na aventura, que é inspirado em várias culturas como marajoara, tupinambá e assurini, contando com reimaginações de conceitos retirados dessas culturas. O objetivo foi construir um universo novo com base na cultura nacional.

A missão principal do jogo gira em volta do mito de Tau e Kerana onde a protagonista deverá derrotar os 7 bosses para completar a sua missão e restaurar a paz em sua terra. Há outras missões secundárias durante a aventura e o jogador estará ocupado durante muito tempo.

De acordo com o time de criação, Poracy terá um “story-telling” semelhante a “Metal Gear Solid Peace Walker” e “Valiant Hearts” em que as “cutscenes” da história são em quadrinhos separados da “Gameplay” em si. Além disso, a jogabilidade será de RPG em terceira pessoa como no vídeo em anexo.

Poracy: As Sombras da Natureza ainda está em fase de crowdfunding via Catarse e deverá ser publicado mesmo que a meta não seja batida. A expectativa é que a meta de R$ 10 mil seja arrecadada para aumentar a qualidade da produção e agilizar todo o processo criativo. O game tem previsão de lançamento para dezembro de 2018.

Abaixo você confere um trailer de Poracy: As Sombras da Natureza: