Minecraft ganha álbum de figurinhas da Panini

A enorme comunidade de fãs da franquia Minecraft acaba de ganhar uma novidade para saciar seu gosto por colecionismo. Amanhã (10) a Panini lança oficialmente o álbum de figurinhas Minecraft, com uma grande novidade: a coleção incluirá figurinhas especiais, que permitirão aos colecionadores assistir a vídeos do Minecraft através do aplicativo Panini Collector.

Essa coleção incluirá figurinhas especiais, que permitirão a você assistir a vídeos do Minecraft através do aplicativo Panini Collector. Use seu smartphone para descobrir esses vídeos por meio das figurinhas!

Além disso, o álbum traz alguns passatempos ao longo das páginas, para que você entre no clima “criar, explorar, sobreviver” do jogo! Explore o Mundo Superior, o Nether e o Fim ao mesmo tempo em que interage, cria, joga, admira os cenários e vive uma aventura! Iniciar uma nova aventura depende de atitude. Colecionar é o caminho.

 

Sobre Minecraft

Minecraft é um jogo aberto no estilo sandbox, no qual os jogadores exploram um mundo construído por meio de blocos e podem criar praticamente tudo o que a imaginação permitir. Com mais de 126 milhões de jogadores a cada mês e mais de 200 milhões de cópias vendidas no mundo todo, Minecraft é o game mais vendido na história.

Alunos do SESI – Jundiaí – usam Minecraft para recriar prédio da escola

Mais uma vez os fãs de Minecraft mostram que sua criatividade é ilimitada! Três alunos do SESI Jundiaí (SP) reproduziram de forma fiel o prédio da unidade escolar localizada no Jardim Morumbi. O que os motivou foi as saudades que sentem da escola e o empenho em manter viva uma amizade que começou há mais de um ano. De acordo com os estudantes, foram dispensados mais de 30 horas para erguer, virtualmente, o edifício. A ideia foi simular a vivência deles e dos colegas antes da necessidade do ensino não presencial, devido a pandemia do coronavírus.

Os alunos do 1º ano do Ensino Médio, Gabriel Serra Francisco, Kauã Araujo Tosim e Vinícius Camargo e Silva, pensaram em todos os detalhes: fachada, salas de aula, refeitório, pátio, biblioteca, banheiros, armários, escadas foram recriados e podem ser explorados no jogo que possibilita simular a vida real ou mesmo o ideal de mundo em que os jogadores gostariam de habitar.

“Nos despertou nostalgia, fez relembrar histórias, demos muita risada durante a construção da escola. Foi um jeito de dispersar a tristeza, uma fuga da realidade que estamos vivendo”, comentou Kauã Araujo Tosim. “O projeto foi inspirado num grupo de alunos japoneses que não puderam realizar a formatura presencialmente por conta da pandemia, portanto simularam o momento dentro desse ambiente virtual”, completou Vinícius Camargo e Silva.

O game Minecraft fez parte da infância dos garotos de 15 anos e, de tanto brincar, eles aprenderam a manipular criativamente as possibilidades oferecidas no simulador, mesmo utilizando computadores pessoais com limitações tecnológicas. A iniciativa dos alunos surpreendeu os colegas e professores, incluindo Amanda Cristina Mota Iassia, que leciona robótica para os estudantes.

“Os professores têm o papel de motivar, estimular e dar suporte aos estudantes. O SESI-SP incentiva que os alunos sejam protagonistas da construção do próprio conhecimento e de sua independência”, opinou. “E os conhecimentos que adquiriram de maneira independente por meio da ferramenta (Minecraft) poderão ser ampliados e aprimorados nas aulas de robótica e em participação de eventos, como torneios e feiras que incentivam a elaboração de novos projetos”, completou, orgulhosa.

A linguagem dos games, de acordo com os estudantes, pode estimular que mais adolescentes tenham iniciativas como a deles, também possam desenvolver a criatividade, descobrir seus talentos a partir da tecnologia e, numa situação como o isolamento social, manter unidos grupos de amigos como eles.

Abaixo você confere imagens do prédio do SESI recriados no Minecraft:

Estudantes do Marista de Maringá vencem concurso internacional de Minecraft

Cidadania, sustentabilidade e… Minecraft!? Sim, esses três elementos se juntaram para formar um dos projetos mais interessantes dos últimos tempos. Um grupo de estudantes do Colégio Marista de Maringá acaba de vencer a segunda edição do prêmio “M9 Urban Landscape Contest”, cujo objetivo é justamente pensar em cidadania e sustentabilidade utilizando o Minecraft. Basicamente, eles criaram soluções práticas para as favelas do Brasil.

O concurso desafia jovens de todo o mundo a criar um modelo de cidade ou edificação com base na agenda 2030 para Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), e é promovido pelo museu italiano M9, com apoio da M-Children e da Maker Camp, ambas organizações italianas que estimulam o aprendizado por meio da programação e gameficação. Ao todo, mais de 700 grupos, cerca de 14.500 alunos, de 5 continentes diferentes participaram e a equipe paranaense ganhou na categoria Internacional. A cerimônia de premiação foi transmitida pela página do Facebook do Museu M9, no dia 6 de junho.

Os alunos idealizaram e desenvolveram a Comunidade 2030, que representa uma “favela” com todos os problemas e as soluções sugeridas pelos objetivos da ONU. O projeto mostra como a turma foi capaz de enfrentar desafios reais e atuais em um exercício de planejamento. A ideia é mostrar como uma comunidade poderia ser melhorada, caso os investimentos necessários fossem realizados.

“Os alunos realizaram um trabalho cuidadoso e significativo sobre os objetivos da agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, imaginando soluções concretas para problemas que variam de profundas desigualdades sociais até dificuldade de acesso a alimentos de qualidade. Foi um grande estudo multidisciplinar”, afirma Matheus Amaral, analista de Tecnologia Educacional e Mentor Global Minecraft.

Durante a cerimônia de premiação, o estudante Pedro Grígolli participou compartilhando um pouco da sua experiência. “Esse concurso nos mostrou que é possível aprender de uma forma dinâmica e diferente. Fazer parte desse desafio nos ensinou como correlacionar o que aprendemos na escola com os desafios enfrentados no cotidiano, nos tornando cidadãos mais conscientes”, afirmou. “Usar a tecnologia do Minecraft para pensar nos problemas do mundo real é algo muito interessante”, concluiu, agradecendo a todos pela seleção do projeto e dedicação dos colegas. Você pode conferir mais informações aqui.

Abaixo você confere imagens do projeto desenvolvido pelos alunos do Marista Maringá:

Marista