Dazz divulga balanço da participação na BGS 2018 e expectativas de crescimento para 2018 e 2019

Após participar da 11 edição da Brasil Game Show, a Dazz, proeminente fabricante de periféricos para PCs voltados ao publico gamer, traz seu balanço final da feira, realizada entre os dias 10 a 14 de outubro. O resultado foi tao promissor que, de acordo com a empresa, o evento superou todas as expectativas de visitação, contatos e negócios.

Os resultados do evento aumentaram as projeções da companhia para 2018 e 2019. As expectativa é que com o lançamento de 30 produtos para este ano, a empresa deve fechar o ano com aumento de faturamento de 50%. Para 2019, as projeções são ainda mais otimistas: crescimento de 60%.

“Tivemos uma participação realmente marcante nesta edição da BGS. Além de nosso estande ficar em um local privilegiado, ao lado de grandes players como Nintendo, PlayStation e Xbox, contamos com 18 lançamentos para o mercado de games que fizeram bastante sucesso entre os visitantes”, enfatiza Antônio Nascimento, gerente de produtos da Dazz.

Só para o primeiro trimestre de 2019, a Dazz já planeja o lançamento de 40 novos itens, o que levará a marca a um total de 160 SKUs na linha de games. Para conquistar o consumidor, a Dazz irá manter a estratégia de oferecer produtos com tecnologia e design em harmonia com as mais atuais tendências de mercado.  Algumas das grandes novidades para o ano que vem serão a chegada de nobreaks para gamers e outros lançamentos que prometem surpreender o consumidor.

O estande da Dazz na BGS contou com diversas atrações, como campeonatos de games, sorteio de brindes; atividades de palco, área kids tematizada e a presença de Youtubers famosos. Além de proporcionar ao visitante uma experiência real com os principais lançamentos da marca, o estande ainda apresentou protótipos de futuros lançamentos.

Entre seus 18 lançamentos para a BGS 2018, a Dazz trouxe teclados, mouses, headsets, controles e cadeiras gamers. Abaixo você confere a galeria de fotos do estande da Dazz na Brasil Game Show 2018 . Você pode conferir todo o catálogo da empresa no site oficial.

Galeria de fotos da Dazz na BGS 2018:

Este slideshow necessita de JavaScript.

(Fotos por Victor Candido)

 

Logitech – Entrevistamos Ujesh Desai, VP da empresa, durante a BGS 2018

A Logitech, uma das maiores empresas no ramo de periféricos e acessórios, esteve presente na BGS 2018 com suas duas marcas voltadas para o público gamer, a Logitech G e a Astro em um estande impecável. E para essa edição a empresa trouxe não somente produtos, mas também a esperada final de seu campeonato de eSport, o Logitech G Challenge.

O torneio serviu para atrair uma legião de fãs de eSports para dentro do estande da gigante da informática. Aproveitamos alguns momentos para um breve bate papo com o pessoal da Logitech e, principalmente, Ujesh Desai, VP da Logitech G, conseguimos notar que os planos da Logitech é continuar trabalhando lado a lado com o público gamer e expandir ainda mais o crescente cenário dos eSports.

Veja abaixo um pouco da conversa que tivemos com o pessoal da Logitech:

 

  1. Quais os lançamentos da Logitech para a BGS 2018?
Ujesh deasi, VP da Logitech

Trouxemos alguns de nossos produtos mais bem conceituados, tanto da Logitech G, quanto da Astro, mas trouxemos também alguns produtos novos, como mouses, teclados e headsets.

Temos também uma grande novidade! Em parceria com a EA e a marca Battlefield, desenvolvemos um set especial, teclado, mouse e headset de edição limitada Battlefield V que serão distribuídos como prêmios para os participantes da G Challenge.

 

  1. Observamos que a empresa lançou recentemente o mouse gamer G305 recentemente, como tem sido a recepção da comunidade?Nós temos uma ótima recepção de nossos produtos vindo do público latino americano e, principalmente, o Brasileiro. O público gamer está a par do trabalho da Logitech G e tem se mostrado cada vez mais interessada em nossos produtos e marcas (Falando sobre a Astro).

 

  1. Há planos de lançar o acessório exclusivo para o público brasileiro?

Pode se dizer que sim, mas tudo depende sempre da receptividade do público e de como reagem aos produtos e lançamentos da marca. A nossa ideia é sempre investir nos jogadores, por exemplo, trouxemos esse ano alguns teclados mecânicos, pois percebemos a receptividade relacionada a esse tipo de produto, pela qualidade, conforto e melhor experiência que proporciona para os jogadores.

Caso tenham alguma ideia de produto (acessórios e afins) específico, podem entrar em contato! Estamos sempre à disposição e esperamos o contato dos jogadores.

  1. Após as finais da Logitech G Challenge, vocês continuarão a promover mais torneios de eSports?Sim, a ideia é continuar espalhando a cultura do eSport, populariza-lo ainda mais. A Logitech continuará com os torneios, direta e indiretamente.

 

  1. Alguma chance de vermos a fabricante investindo em um torneio exclusivamente brasileiro nos moldes do G Challenge?

A resposta é não, não vemos a necessidade de criação de torneios ‘regionais’ exclusivos para evitar algum tipo de restrição, nosso compromisso é com a ‘universalização’ dos eSports, com torneios internacionais e que possam ser aproveitados por todos. Nosso compromisso está focado na expansão dos eSports, tanto para times grandes, como os pequenos, e também para os jogadores não competidores.

Essa expansão pode tornar os eSports e produtos da categoria mais acessíveis aos grande público, assim haverá um empoderamento do público gamer.

  1. Atualmente muitas empresas ligadas à tecnologia investem em times de eSports. A Logitech tem se mostrado parceira importante de equipes como a INTZ há muito tempo. Mas sempre nos perguntam se há qualquer plano futuro de montar um time com a marca da empresa e competir com outras equipes?

Não. A Logitech tem um perfil diferente que visa o patrocínio e parceria com os times e equipes, assim permite que os mesmos possam ter sua própria liberdade. Além disso, a empresa visa a expansão dos eSports pelo mundo, criar um time próprio poderia tirar esse o foco da ideologia que propomos. A ideia é expandir e não restringir.

Texto por Fernando Paixão

Devil May Cry 5: Será que a Capcom respeitou o legado da série?

Devil May Cry sempre foi uma franquia respeitada, sendo considerada uma das mais importantes do portfólio da Capcom. O 4º capítulo da franquia tem cerca de 10 anos desde seu lançamento. Uma entrega respeitável (não memorável), que fazia jus à marca nascida no PS2. Quando a Capcom anunciou o novo game para a nova geração, durante a E3 2018, muita gente imaginou se não era apenas mais um caça-níqueis. Após alguns meses, podemos colocar o jogo à prova.

Por mais que a fã base de Devil May Cry não seja lá tão fã do último reboot, é inegável que a Capcom utilizou muitos dos conceitos do quarto episódio para a produção do quinto capítulo. O título está presente na Brasil Game Show para que os fãs de Dante confiram a nova entrada da série. O GameReporter teve a oportunidade de testar o título e neste texto você confere nossas impressões.

Em Devil May Cry 5 acompanhamos Nero, um personagem bem mais ágil do que sua encarnação do quarto jogo. Os jogadores terão uma sensação de familiaridade bastante forte neste capítulo, pois a Capcom parece ter reciclado muito do jogo anterior. Até mesmo a câmera se comporta de forma similar a vista no reboot e os combates possuem comportamentos similares. Fica a sensação de que faltou inspiração.

O visual da demo da BGS 2018 está bem trabalhada e possui uma fluidez digna de um hack’n slash. Além disso, o jogo conta com um sistema chamado Devil Breaker, que permite que o personagem central utilize poderes especiais com o braço direito de Nero. A ideia basicamente é destroçar os inimigos com poucos comandos.

É possível trocar de braço ao longo da jogatina, basta encontrar outro braço durante o percurso. E cada braço possui funções diferentes, deixando o combate diversificado. A ideia é tornar os combates mais dinâmicos, menos repetitivos e viscerais.

Importante: durante o gameplay não encontramos uma forma de travar a mira em algum inimigo, sem a necessidade de soltar o botão RB (Xbox One). Tudo leva a crer que o jogo realmente não usufrua de um lock-on ilimitado, deixando-o limitado para execuções de golpes específicos apenas.

Resumindo, Devil May Cry 5 é um jogo que promete ser bom, ainda que não pareça surpreendente o bastante para ser apontado como nova geração. Contudo, há um bom tempo que não vimos a franquia retornar e bate aquele sentimento nostálgico de ver algo retornar do além túmulo. O melhor? Não é um remaster.

Texto por Victor Cândido

Abaixo tem um trailer de Devil May Cry 5: