Women Game Jam 2021 – Maior evento mundial de jogos para mulheres ocorre em agosto

O mês de agosto marca o acontecimento da quinta edição da Women Game Jam (WGJ), evento mundial que reúne cybertlatetas femininas em competições empolgantes. De acordo com a organização, a edição deste ano contará com algumas sedes presenciais em capitais australianas, como Sydney, Melbourne e Western Austrália. Para outras localidades as disputas e continuarão online.

A ideia para o futuro é que a capilaridade do evento possa continuar a crescer no formato online e que cada vez mais países e cidades se sintam empoderadas para sediar o evento, possibilitando que mulheres cis, trans e pessoas não binárias de diferentes países, culturas e raças possam, juntas, desenvolver jogos. A edição de 2021 vem com muitas novidades. O evento acontecerá dos dias 20 a 22 de agosto, e terá, do dia 06 ao dia 19 de agosto, ciclos de palestras, painéis, workshops e tudo isso de forma inteiramente online e com interpretação simultânea para libras.

Dentre as novidades de 2021, haverá o lançamento da We Game Jam, um evento irmão da Women Game Jam, que acontece na mesma data e servidor, com canais e conteúdos próprios, focados no público transmasculine. A ideia é identificar e fortalecer essa comunidade para que o evento ganhe cada vez mais público e autonomia para decidir suas necessidades e demandas específicas, ao mesmo tempo que conversa e se inclui na estrutura atual da Women Game Jam.

Para quem não conhece, a Women Game Jam é a maior maratona de desenvolvimento de jogos com recorte de gênero da América Latina. Atualmente o evento registra um aumento de 10% de mulheres na indústria em países como Chile, simplesmente devido ao surgimento da Women Game Jam. No Brasil ainda não há mensurar o impacto real da WGJ, pois no último dado divulgado, de acordo com o 2° Censo da Indústria Brasileira de Jogos (de 2018), as mulheres representam apenas 21% da mão de obra na indústria de games e, em nível global, pessoas transgênero representavam menos de 2% – logo, faz-se necessário ações que insiram e criem possibilidades para que essas pessoas possam trabalhar como desenvolvedoras.

O convite é para toda mulher e/ou pessoa trans e/ou não binária que queira experimentar o ambiente de criação de jogos pela primeira vez e, também, para as que já estão na indústria e desejam compartilhar conhecimento com mais profissionais e se divertir, crescendo no processo. É o primeiro passo dentro de muitos que virão, para que, juntes, possamos tornar o desenvolvimento de jogos mais humano, profissional e diverso.

Para fazer inscrição, basta clicar aqui.

Segundo Split da GRRRLS League começa no dia 28 de junho

Já começou a disputa pelo título da GRRRLS League, a maior liga feminina de CS: GO do mundo! O segundo split da competição teve início hoje (28/06) e contará com seis times na briga pelo troféu histórico e uma das maiores premiações da categoria.

Os jogos acontecem nos dias 28 de junho, 5, 12, 19 e 26 de julho, e 2 e 9 de agosto. Jaguares, MIBR, FURIA, Black Dragons, Havan Liberty e Voltz se enfrentam na fase de grupos, que será nos canais da Game XP, (@gamexpoficial) na Twitch e no TikTok, a partir das 17h45. Os quatro primeiros colocados da fase de grupos se enfrentam nos playoffs, previstos para acontecerem em agosto, em uma final épica e histórica.

Lançada em dezembro do ano passado, a GRRRLS League é uma iniciativa da Game XP – maior evento gamer da América Latina – com o propósito de contribuir para a profissionalização do cenário feminino de eSports no Brasil. Além de contar com equipes convidadas, a organização do campeonato ofereceu a meninas e mulheres que se identificam com o gênero feminino a oportunidade de formarem seus próprios times e disputarem uma vaga na liga por meio de dois open qualifiers – um realizado antes do primeiro split e outro antecedendo a fase de relegation.

Outro destaque foi a premiação anunciada: 200 mil reais distribuídos ao longo dos dois splits. Com o objetivo de se aproximar dos prêmios pagos em competições masculinas, a liga acabou sendo seguida por outras competições e elevando o cenário feminino dos eSports no Brasil a um novo patamar.

“Sabemos que ainda existe um longo caminho a ser percorrido, mas temos muito orgulho de tudo o que conquistamos até aqui. As meninas mostraram que são profissionais de alto nível, dando um show a cada partida. Os fãs de eSports embarcaram com a gente nessa, acompanhando as transmissões e vibrando junto. Estamos ansiosos para saber quem fará história e vai levar o título da GRRRLS League”, finaliza Roberta Coelho, CEO da Game XP.

 

Tabela Segundo Split

 

      • 28/06, às 18h: Furia VS Voltz
      • 28/06, às 21h: Mibr VS Jaguares
      • 05/07, às 18h: Black Dragons VS Havan
      • 05/07, às 21h: Furia VS Mibr
      • 12/07, às 18h: Black Dragons VS Jaguares
      • 12/07, às 21h: Havan VS Voltz
      • 18/07, às 18h: Havan VS Furia
      • 18/07, às 21h: Mibr VS Black Dragons
      • 26/07, às 18h: Havan VS Mibr
      • 26/07, às 21h: Voltz VS Jaguares
      • 02/08, às 18h: Jaguares VS Furia
      • 02/08, às 21h: Voltz VS Black Dragons
      • 09/08, às 15h: Furia VS Black Dragons
      • 09/08, às 18h: Jaguares VS Havan
      • 09/08, às 21h: Mibr VS Voltz

55,4% dos gamers brasileiros que conhecem eSports praticam a modalidade, revela PGB 2021

Muito se engana quem pensa que os eSports eram uma moda passageira e que logo seriam abandonado. Nesse contexto de pandemia em que o distanciamento social é tão importante.  De acordo com a Pesquisa Game Brasil 2021 (PGB 2021), levantamento anual mais importante sobre o consumo de jogos digitais em território nacional, cujos indicadores apontam uma a escalada do reconhecimento em torno desta modalidade nos últimos 4 anos.

De acordo com a 8ª edição do estudo, lançada neste ano, 64,3% dos jogadores brasileiros já ouviram falar em eSports. O principal destaque, porém, fica por conta do aumento de 10,7 pontos percentuais do público praticante comparado ao ano anterior — os gamers que conhecem e praticam a modalidade saltou de 44,7% para 55,4%. Um dos principais fatores que contribuíram para este crescimento foi o impacto do isolamento social imposto pela pandemia de COVID-19.

 “Como o entretenimento em outros setores freou com a pandemia, os eSports ganharam maior visibilidade, ocupando um espaço importante e mostrando resultados expressivos em conhecimento sobre o que é esta modalidade, sua prática e o consumo de conteúdo relacionado a ela entre os gamers no Brasil”, conta Carlos Silva, Head de Gaming na GoGamers.

Uma característica interessante do público de eSports é o perfil mapeado de jogadores, que praticam e enxergam como uma possível carreira, e o perfil espectador, que são os consumidores que acompanham e se engajam em torneios e campeonatos, criando assim  uma base de fãs associada aos times e celebridades brasileiras.

Ainda sobre a carreira nos eSports, de acordo com a PGB 2021, apenas 30,5% dos jogadores receberam premiações em dinheiro ao participar de competições. “Muitos jovens sonham em se tornar pro players, movimento que atrai a atenção de marcas e clubes esportivos tradicionais, mas esse público muitas vezes começa em torneios menores e amadores. Mesmo assim, esse interesse fica claro quando notamos o aumento na prática dos eSports de um ano para o outro, e que acontece de maneira acelerada”, afirma Silva.

Consumo de conteúdo de eSports

A PGB 2021 revela que assistir a partidas competitivas tornou-se parte da atividade semanal de muitos brasileiros em 2020. Enquanto 12,8% dos gamers que conhecem eSports consomem conteúdo relacionado à modalidade diariamente, 18,2% fazem isso duas vezes por semana, e 17,8% uma vez por semana.

Fora isso, o consumo de conteúdo da categoria é superior a 3 horas semanais para 29% da audiência e a 2 horas semanais para 24,7% do público de eSports no Brasil — o dado tem a ver com as partidas realizadas em torneios, que costumam ser longas, e a transmissões imersivas feitas ao vivo. Somente 14,3% não acessam streamings ou consomem outro tipo conteúdo relacionado a eSports.

Para se manter informado sobre as competições de eSports, a maioria do público interessado (63,7%) prefere acompanhar veículos de comunicação especializados no assunto, enquanto 22,1% se atualiza via canais de times e atletas, e 19,6% por meio de celebridades ligadas à modalidade.

A maior parte do público (75%) acompanha eSports online, com uma pequena parcela assistindo de forma presencial: 18% em arenas e 16,4% em clubes. “O indicador pode ter sido impactado pelo isolamento social e, embora as futuras edições da PGB possam mostrar uma diferença mais efetiva entre físico e digital, ainda se espera que a presença online seja mais volumosa por conta da facilidade de acesso”, explica o Head de Gaming da GoGamers.

Ainda sobre o consumo de conteúdo de eSports em espaços digitais, o YouTube permanece na liderança com 84,6% de preferência do público, seguido pelo Instagram com 34,5% — onde supõe-se que o consumo é feito por meio dos perfis oficiais de atletas, times e celebridades que utilizam a rede social. “Canais de TV paga e aberta começam a surgir como uma opção de consumo dos conteúdos, um reflexo das transmissões de torneios e eventos”, acrescenta Silva.