Estudantes do Marista de Maringá vencem concurso internacional de Minecraft

Marista

Cidadania, sustentabilidade e… Minecraft!? Sim, esses três elementos se juntaram para formar um dos projetos mais interessantes dos últimos tempos. Um grupo de estudantes do Colégio Marista de Maringá acaba de vencer a segunda edição do prêmio “M9 Urban Landscape Contest”, cujo objetivo é justamente pensar em cidadania e sustentabilidade utilizando o Minecraft. Basicamente, eles criaram soluções práticas para as favelas do Brasil.

O concurso desafia jovens de todo o mundo a criar um modelo de cidade ou edificação com base na agenda 2030 para Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), e é promovido pelo museu italiano M9, com apoio da M-Children e da Maker Camp, ambas organizações italianas que estimulam o aprendizado por meio da programação e gameficação. Ao todo, mais de 700 grupos, cerca de 14.500 alunos, de 5 continentes diferentes participaram e a equipe paranaense ganhou na categoria Internacional. A cerimônia de premiação foi transmitida pela página do Facebook do Museu M9, no dia 6 de junho.

Os alunos idealizaram e desenvolveram a Comunidade 2030, que representa uma “favela” com todos os problemas e as soluções sugeridas pelos objetivos da ONU. O projeto mostra como a turma foi capaz de enfrentar desafios reais e atuais em um exercício de planejamento. A ideia é mostrar como uma comunidade poderia ser melhorada, caso os investimentos necessários fossem realizados.

“Os alunos realizaram um trabalho cuidadoso e significativo sobre os objetivos da agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, imaginando soluções concretas para problemas que variam de profundas desigualdades sociais até dificuldade de acesso a alimentos de qualidade. Foi um grande estudo multidisciplinar”, afirma Matheus Amaral, analista de Tecnologia Educacional e Mentor Global Minecraft.

Durante a cerimônia de premiação, o estudante Pedro Grígolli participou compartilhando um pouco da sua experiência. “Esse concurso nos mostrou que é possível aprender de uma forma dinâmica e diferente. Fazer parte desse desafio nos ensinou como correlacionar o que aprendemos na escola com os desafios enfrentados no cotidiano, nos tornando cidadãos mais conscientes”, afirmou. “Usar a tecnologia do Minecraft para pensar nos problemas do mundo real é algo muito interessante”, concluiu, agradecendo a todos pela seleção do projeto e dedicação dos colegas. Você pode conferir mais informações aqui.

Abaixo você confere imagens do projeto desenvolvido pelos alunos do Marista Maringá:

Marista

Autor: Luiz Silva

Luiz Silva, jornalista de games formado pela Universidade Paulista. Já escreveu para as revistas da Tambor Digital (EGW, Gameworld), para o site Player 2 entre outras coisas. "Sou um entusiasta por videogames, apesar de jovem já tive até um Atari, minha série favorita é Silent Hill".

Deixe seu comentário