Coato lança dia 10 de fevereiro game “Inimigos” com live “Narrativas para Espetáculo Game”

Inimigos

Comemorando  seu sétimo ano de atividades, o COATO Coletivo, em parceria com o Game Dev Project (GDP – UFRJ), lança em 1º de Abril o Game Inimigos, que poderá ser baixado gratuitamente até 10 de abril no site oficial do grupo, com lançamento no mesmo mês. Para introduzir o público ao processo criativo do jogo, no próximo dia 10 de fevereiro, às 19h, ocorre a live “Narrativas para Espetáculo Game” em que abordarão os processos de pesquisa e investigação para uma construção híbrida entre teatro e game.

O bate papo, que será exibido pelo Youtube do COATO, contará com a mediação de Mirian Fonseca e Marcus Lobo – diretores de Inimigos – e a participação do game designer Igor Carneiro (GDP), o roteirista do jogo Márcio Ventura, a artista do jogo Yasmin Barbosa e a atriz e coordenadora de acessibilidade Natielly Santos. Além  da equipe de criação e construção desse game, o público poderá entender a construção dramatúrgica de Inimigos, que parte de uma obra clássica do norueguês Henrik Ibsen, chamada “O inimigo do povo”.

Inimigos

A trama original conta a história de um médico em uma pequena cidade litorânea norueguesa que, ao tornar público um problema de contaminação dos recursos hídricos no balneário, torna-se gradativamente o inimigo do povo, ao contrário do que imaginara enquanto prestava esse parecer à saúde pública da população.

Na adaptação da peça, o roteiro recebe uma roupagem especial, carregada de características imbricadas tanto ao universo dos jogos quanto ao nosso território, tempo, questões ambientais e de saúde. A obra  virtual propõe uma reflexão sobre questões apontadas pelo dramaturgo Norueguês (1882),  mas que também trouxesse relação com o agora. A escassez dos recursos hídricos, o descaso com a saúde pública e a corrupção política e social. O jogo em ARG propõe uma ampla ocupação dos espaços da cidade, onde os  personagens e os jogadores interagem mesclando as narrativas ficcionais e reais.

“O real e a ficção é o que me move quanto criadora cênica, por isso trabalhar no campo do game tem sido uma descoberta interessante e desafiadora, pois é preciso entender qual narrativa se estabelece ali e como ela se constrói levando em conta elementos que são únicos tanto do game quanto do teatro”, comenta Mirian Fonseca, diretora responsável pelo projeto junto a Marcus Lobo.

Autor: Luiz Silva

Luiz Silva, jornalista de games formado pela Universidade Paulista. Já escreveu para as revistas da Tambor Digital (EGW, Gameworld), para o site Player 2 entre outras coisas. "Sou um entusiasta por videogames, apesar de jovem já tive até um Atari, minha série favorita é Silent Hill".

Deixe seu comentário