Estudo “Gaming Apps Report” da Liftoff revela que 2020 é o ano dos jogos para dispositivos móveis

Liftoff

É sempre bom saber onde a indústria de games está e para onde ela vai, certo? Pois bem, a Liftoff, líder em marketing e retargeting de aplicativos móveis, acaba de lançar seu relatório anual com foco em mobile e games – o “Mobile Gaming Apps Report”. Os resultados apontam que para o aumento da importância de jogos móbile durante a pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a Liftoff, à medida que as restrições sociais em torno da COVID-19 aumentam o uso de celulares e as atividades de jogos nesses dispositivos, o estudo revela mudanças comportamentais fundamentais para os profissionais de marketing de aplicativos desse segmento. Os dados também confirmam o comprometimento do sistema operacional Android nessa direção, mostrando que a plataforma pode ser uma promessa em relação ao iOS.

Ao analisar 314 milhões de engajamentos de anúncios pela primeira vez, mais de 300 milhões de instalações e 6,5 milhões de compras em 697 apps de jogos entre junho de 2019 e maio de 2020, o relatório chegou a muitas conclusões em níveis global e regional.

“Na América Latina, devido à sua natureza econômica, a maioria dos estúdios de jogos investe em um modelo de monetização via receita por anúncios chamado Ads Revenue. A região possui diversas particularidades e também métricas bastante específicas. No entanto, este mercado não pode ser ignorado devido ao seu enorme potencial. Para tanto, a Liftoff considera crucial ter um relatório com todas essas métricas locais, especialmente considerando a ampla gama de estúdios de jogos e o grande volume de usuários em países como o Brasil”, ressalta Antonio Affonseca, General Manager da Liftoff no Brasil.

Custos e conversões

De acordo com o relatório da Liftoff, os CPIs (custos por instalação) – de US$ 1,47 – atingiram o nível mais baixo de todos os tempos. Os custos de instalação para compra aumentaram 24% em comparação com o ano anterior e as taxas de conversão caíram 22%. É o oposto dos custos de instalação para registro, que caíram significativamente. No entanto, as taxas de engajamento de apenas 3,3% (queda de quase 3 vezes em relação ao ano anterior) indicam que os profissionais de marketing podem ter que trabalhar mais no futuro.

ROAS – retorno em publicidade investida

Uma comparação entre as subcategorias Casual, Midcore & Strategy e Social Casino revela que Midcore & Strategy tem o melhor desempenho com os menores CPIs (US$ 0,89) e o maior ROAS (Dia 30 – 39,5%). Em geral, o Android tem mais valor, oferecendo o melhor ROAS pelo menor custo (US$ 0,57). O Casino Social vem em último lugar com os custos mais altos (US$ 6,82) e o ROAS mais baixo (Dia 30 – 32,6%).

Os jogadores de perfis Casual e Hyper Casual respondem melhor a abordagens não-orgânicas. Midcore & Strategy é outra categoria em que o não-orgânico tem vantagem, impulsionando taxas que superam o orgânico em uma média de 13%. O orgânico traz um empate para jogadores Hardcore, mas as taxas de retenção mais baixas (Dia 1 – 29,8%) são uma desvantagem. O Casino Social é um caso à parte, mas o não-orgânico gera os melhores resultados no início da curva. [Mais informações sobre cada categoria podem ser obtidas no relatório]

Retenção

A América do Norte é onde se encontram os jogadores mais leais, ocupando o primeiro lugar no benchmark global e na maioria das subcategorias. A Europa vem em segundo lugar, seguida na maioria dos casos pela APAC. No entanto, uma divisão da retenção por país elege o Japão como líder indiscutível em 3 das 5 subcategorias. Canadá, Alemanha e Reino Unido também mostram um poder de permanência impressionante.

Dados regionais

No Brasil, os CPIs apresentaram queda considerável (nove vezes menos que no ano anterior), fechando em média a US$ 0,15. Em termos de ROAS, o país também ficou na última posição, até abaixo do benchmark regional. Em relação à lealdade com os jogos, os brasileiros voltaram a ocupar a última posição, com índices variando entre 28,4% (1º dia) e 1,6% (30º dia).

Em termos de ROAS por plataforma, o iOS ainda é a escolha dos usuários brasileiros. Fatores como custos mais baixos levaram o Android (ROAS de 7 dias: 9,4% – ROAS de 30 dias: 26,6%) e o sistema operacional móvel da Apple (ROAS de 7 dias: 11,9% – ROAS de 30 dias: 32, 8%) para um desempenho relativamente bom no país.

“Temos uma operação global inteiramente voltada para jogos e a América Latina é sem dúvida uma região estratégica para nós, por abrigar grandes players desse segmento. A Liftoff já atende a muitas dessas empresas latino-americanas com distintos serviços, dentre eles, modelos de otimização para CPA, ROAS, Ads Revenue e Retenção”, conclui Affonseca.

Abaixo tem alguns gráficos da pesquisa:

Metodologia

O relatório Liftoff 2020 Mobile Gaming Apps é baseado em uma análise de dados internos de 1° de junho de 2019 a 31 de maio de 2020, incluindo 314 engajamentos de anúncios pela primeira vez, mais de 300 milhões de instalações e 6,5 milhões de compras em 697 aplicativos de jogos. O relatório rastreou os custos e as taxas de conversão associados ao marketing de jogos para celular, bem como as taxas de retenção da AppsFlyer (dias 1, 3, 7, 14 e 30). Ele também apresenta dados divididos por plataforma (IOS e Android), subcategorias de jogos (Midcore & Strategy, Casual, Hyper Casual, Casino Social), regiões (APAC, EMEA e América do Norte) e 8 países (Brasil, Canadá, Alemanha, Japão, Rússia, Coreia do Sul, EUA e Reino Unido).

Clique aqui para ler o estudo na íntegra.

Autor: Luiz Silva

Luiz Silva, jornalista de games formado pela Universidade Paulista. Já escreveu para as revistas da Tambor Digital (EGW, Gameworld), para o site Player 2 entre outras coisas. "Sou um entusiasta por videogames, apesar de jovem já tive até um Atari, minha série favorita é Silent Hill".

Deixe seu comentário