Mercado de eSports no Brasil é um dos maiores do mundo

eSports

Há alguns anos os eSports eram uma modalidade de nicho e que atraia apenas algumas dezenas de entusiastas. O cenário mudou e atualmente ele é um dos segmentos mais promissores do planeta, tendo no Brasil um de seus principais mercados, incluindo a realização de torneios nacionais.

De acordo com o Global Esports Market Report, da Newzoo, das pessoas que acompanham futebol – o esporte brasileiro mais popular – 24% têm entre 10 e 20 anos. Quando falamos daqueles que assistem a algum torneio de eSports, o número quase dobra, 43%. Globalmente, o mercado movimentou US﹩ 1,1 bilhão em 2019 e deve se aproximar do US﹩ 1,5 bilhão este ano.

Um dos fatores que mais chama a atenção no entanto, é a audiência, que alcança números que nem mesmo os esportes mais tradicionais conseguem. Em 2019, a final da Copa do Mundo de League of Legends – um dos torneios mais conhecidos do mundo – registrou a incrível marca de 99,6 milhões de espectadores. No mesmo ano, o número de pessoas que assistiram os campeonatos de jogos eletrônicos foi de 453,8 milhões, um aumento de 16,3% em um ano. No Brasil, houve um crescimento de 20% em audiência no ano passado, com 21,2 milhões de espectadores, se tornando assim a terceira maior audiência no mundo, atrás apenas da China e dos Estados Unidos.

“O mercado de eSports tem crescido de forma exponencial, mas isso não é um fenômeno novo. Prova disso é a Twitch, fundada em 2011, e adquirida pela Amazon três anos depois em uma negociação de 970 milhões de dólares, tamanha influência desse segmento no mundo desde então”, afirma Pedro Oliveira, cofundador da OutField Consulting , consultoria focada nos negócios do esporte e do entretenimento.

De acordo com uma pesquisa da consultoria PwC, o mercado de games nacional deve crescer a uma média de 5,3% até 2022. Somando jogos de console e PCs aos jogos mobile, o faturamento total dos jogos digitais no Brasil para o mesmo ano está estimado em mais de 1,75 bilhão de dólares, um crescimento de mais de 250 milhões de dólares.

“Os torneios atraem milhões de pessoas e se mantém em alta mesmo com a pandemia. Isso porque as competições tiveram sua origem no mundo online e estamos lidando com plataformas que naturalmente possuem um forte engajamento de seus participantes”, analisa o especialista.

A atratividade do mercado é tamanha que tradicionais Clubes de futebol, como Flamengo, Corinthians, Santos e Cruzeiro já estão nos esportes eletrônicos. Não apenas os clubes, mas outras grandes companhias já tem enxergado o potencial deste mercado como Intel, Coca-Cola, RedBull, Netshoes, Submarino, Kalunga, BMW, Unilever, Lupo, e Vivo. Porém, ainda há muito o que ser explorado.

Autor: Luiz Silva

Luiz Silva, jornalista de games formado pela Universidade Paulista. Já escreveu para as revistas da Tambor Digital (EGW, Gameworld), para o site Player 2 entre outras coisas. "Sou um entusiasta por videogames, apesar de jovem já tive até um Atari, minha série favorita é Silent Hill".

Deixe seu comentário