Arquivo da tag: Switch

Conheça Dog Duty, novo game indie de estratégia para todas as plataformas

Hoje o destaque vai para mais um jogo indie da SOEDESCO, que chega no segundo trimestre desse ano. Trata-se de Dog Duty, um RTS em tempo real para PS4, Xbox One e Switch, que desafia os jogadores a derrotar o exército do terrível comandante Octopus em uma série de ilhas. O grande diferencial é que o título conta com bastante humor e batalhas difíceis contra os chefões.

Desenvolvido pelo estúdio Zanardi & Liza, Dog Duty oferece aos jogadores tiroteios épicos e uma boa dose de batalhas épicas contra chefões. O macete é que cada missão demanda de táticas elaboradas. Ou seja, não adianta repetir velhas fórmulas, pois cada fase requer sua própria estratégia.

“É ótimo trabalhar com a SOEDESCO Studios no desenvolvimento de Dog Duty ver o trabalho para outras plataformas. Sinto firmeza com eles, por conta do progresso do port. A versão console tá bonita, tem boa jogabilidade e mal posso esperar pelo lançamento.”, disse Leonardo Zimbres, fundador do estúdio de desenvolvimento Zanardi & Liza.

Durante seu período no Early Access da Steam, Dog Duty recebeu muitos grandes updates. Com o feedback da comunidade, Zanardi & Liza trabalhou duro nas melhorias de Dog Duty, adicionando mais personagens jogáveis e inimigos. Jogadores podem montar esquadrões de 3 membros, a partir de 8 personagens possíveis.

O estúdio Zanardi & Liza também mudou a UI completamente, adicionando mais diálogos e encontros com NPCs amigáveis e duvidosos. Com um novo sistema de abordagem, jogadores podem adentrar postos inimigos e-ou conquistados. Por exemplo, jogadores podem agora receber mensagens hostis dos postos inimigos não-conquistados. A versão para Nintendo Switch, PS4 e Xbox One também sairá com estes updates.

Abaixo você confere o trailer de Dog Duty:

Retrospectiva – Dez últimos anos de jogos eletrônicos

O ano de 2019 marca o fim de uma década de grandes momentos para a indústria de jogos eletrônicos e praticamente sacramenta o sucesso do Playstation 4 e o início da nova estratégia da Microsoft. Por outro lado a Nintendo trabalha incansável para manter os bons resultados já conquistados com o Nintendo Switch. Os anos 2010s serão marcados por alguns dos melhores jogos de todos os tempos, despedidas tristes e novos parâmetros para a indústria.

Hoje vamos relembrar alguns dos momentos mais marcantes da última década. Confira!

 

2010 – A sétima geração se torna desejável

Os anos 2010s marcavam o amadurecimento tardio da sétima geração de videogames, fato evidenciado pela quantidade de novas IPs de alta qualidade que surgiram neste ano, tais como Alan Wake, Darksiders, Deadly Premonition, Heavy Rain e Metro 2033. Além disso, alguns dos melhores games já criados surgiram em 2010 como Mass Effect 2, God of War III, Super Mario Galaxy 2 e o arrasa-quarteirão Red Dead Redemption. Para muitos gamers o ano 2010 foi um dos melhores que a indústria já teve.

 

2011 – A batalha dos portáteis

Apesar de alguns games importantes terem sido lançados em 2011 como Marvel VS Capcom 3, Limbo e Mortal Kombat, o ano de 2011 ficou marcado mesmo pela batalha travada entre Sony e Nintendo no ramo de consoles portáteis com os lançamentos do Playstation Vita, o sucessor do PSP e última investida da Sony no mercado de portáteis; e do Nintendo 3DS. Ainda que o PSVita se orgulhasse de ter um poder de processamento maior, quem levaria a melhor seria o console da Big N graças a sua capacidade de gerar jogos em 3D sem uso de óculos de realidade virtual e seus jogos de alta qualidade. Muitos consideram que o PSVita foi um videogame injustiçado.

 

2012 – O início do declínio da Nintendo

Sorte no ramo de portáteis, azar nos consoles de mesa, esta foi a sina da Nintendo em pouco menos de um ano após o lançamento do 3DS. Apesar da alta confiança que os investidores e a comunidade apostaram no conceito de um controle em formato de tablet, a Nintendo falhou em vários aspectos, incluindo no que se refere ao poder de processamento do console, usabilidade da tela do controle em títulos grandes e até com o nome da plataforma, que apenas serviu para confundir jogadores mais casuais. O resultado foi um lançamento frio e uma adesão cada vez mais fria da comunidade. As ações da Big N tiveram forte queda durante vários meses e até se cogitou que a empresa seguiria o caminho da SEGA, abandonando de vez a fabricação de consoles de mesa. Entretanto a Nintendo conseguiu dar a volta por cima, utilizando o conceito do Wii U para a criação do Nintendo Switch anos depois, que viria a se tornar um grande sucesso.

Outro destaque importante em 2012 para nós brasileiros foi a consolidação dos grandes eventos de jogos nacionais como o BIG Festival Festival e a Brasil Game Show. O primeiro, voltado aos jogos independentes; o segundo aos jogos mais badalados do mundo. No caso da BGS, aliás, vale mencionar que não foi a primeira edição do evento, mas foi em 2012 que o evento chegou à São Paulo e se tornou o maior e mais importante evento de games da América Latina.

 

2013 – Sony massacra a Microsoft na E3

A nova guerra dos consoles finalmente teve início em 2013 com os lançamentos do Playstation 4 e do Xbox One. A máquina da Sony teve melhor sorte, aproveitando-se do lançamento desastroso do concorrente. A Microsoft apostava em um console mais restritivo com políticas de DRM e conexão permanente com a internet, já a Sony voltou-se tão somente para produção de jogos, uma plataforma mais barata e mais poderosa. A estratégia se mostraria acertada: o PS4 atropelou seu rival nas vendas e foi capaz de oferecer games mais memoráveis. Já a caixa da Microsoft, apesar de games interessantes e serviços amistosos jamais conseguiu equiparar-se nas vendas, o que serviu de aprendizado para as novas versões como o Xbox One X.

 

2014 – Facebook quer jogar

O ano de 2014 foi um pouco morno em quesito de jogos, mas algumas movimentações financeiras da indústria podem ser sentidas até hoje. A primeira foi a mágica ressurreição da moribunda Atari, que havia passado por maus bocados durante anos. Outras coisas que deram o que falar foram as compras da IP Gears of War e da produtora Mojang (Minecraft) pela Microsoft, mostrando que a empresa de Redmond ainda estava alerta ao que poderia render lucro.

Mas nada foi maior do que a compra da Oculus Rift pelo Facebook. Marck Zuckerberg estava a fim de apostar alto na realidade virtual e o Rift despontava como o mais ambicioso e moderno projeto de tornar a realidade virtual possível e bem sucedida no ramo de jogos eletrônicos. Ainda que os óculos de Realidade Virtual não tenham se popularizado como esperado, essa aquisição colocou os holofotes em cima da tecnologia.

 

2015 – Adeus a Iwata

O ano de 2015 foi marcado pelo amadurecimento da sétima geração de consoles, pois alguns dos mais premiados e adorados jogos de todos os tempos finalmente viram a luz do dia. Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, The Witcher 3: Wild Hunt, Bloodborne, Undertale e Fallout 4 foram lançados em 2015 e arrebataram notas altíssimas e prêmios de vários países. The Witcher 3, aliás, é até hoje um dos games mais bem sucedidos de todos os tempos e um dos mais influentes já lançados.

Apesar do balanço positivo, nem tudo foram flores na indústria de games: foi em 2015 que Satoru Iwata, CEO da Nintendo faleceu aos 55 anos. Iwata foi responsável pela reestruturação da Nintendo e reposicionou a empresa como uma das mais relevantes do mundo do entretenimento. Sua morte foi sentida por todos os jogadores do mundo.

 

2016 – O ano de Pokémon Go

O ano de 2016 foi atípico para os gamers, pois os dois grandes concorrentes Xbox One e Playstation 4 ganharam novas roupagens mais poderosas e (PS4 Pro e Xbox One X), mas só ficariam prontos no ano seguinte, o que mostrou que as empresas já demonstravam intenção de mudar suas estratégias. Além disso, os óculos de realidade virtual finalmente caíram nas graças das produtoras e empresários que infestaram os shoppings centers com “arcades de VR”.

O PS4 teve seu melhor ano de todos graças a jogos imperdíveis como Uncharted 4, Ratchet & Clank e The Last Guardian. Mas o fenômeno mesmo ficou por conta de Overwatch, que rapidamente se tornou um dos jogos mais jogados do mundo e figurou nos grandes campeonatos de e-Sports. Ainda assim, nenhuma febre foi maior do que a causada por Pokémon Go, apontado como o jogo a popularizar a realidade aumentada e por momentos constrangedores – e perigosos – praticados por seus jogadores. O título para mobile foi baixado 750 milhões de vezes em nível mundial, se tornando um dos aplicativos mais populares de todos os tempos.

 

2017 – A redenção da Nintendo

 

Após o fiasco do Wii U, a Nintendo decidiu não perder mais tempo batendo a cabeça em um produto impopular: a empresa lançou seu híbrido Switch, vendendo mais de 14 milhões de unidades em poucos meses. Não bastasse, a Big N ainda lançou os magníficos Super Mario Odyssey e o The Legend of Zelda: Breath of the Wild, que arrebatou uma infinidade de prêmios e aclamação da crítica. Quem também se deu bem foi PlayerUnknown’s Battlegrounds, que foi lançado em early acess em março e terminou o ano com mais de 30 milhões de unidades vendidas.

Algumas franquias amadas tiveram novas entradas, tais como Assassin’s Creed, Call of Duty, Crash Bandicoot, Dragon Quest, Doom, Final Fantasy, Kingdom Hearts e Metroid.

 

2018 – Microsoft prepara o terreno para a próxima batalha

Após anos de espera finalmente os fãs da franquia God of War tiveram um contato novo com a franquia na forma de uma aventura nórdica. O título, vale dizer, conquistou muitos prêmios e surpreendeu os jogadores ao mostrar que um game tão emblemático poderia se renovar e se adaptar a uma nova geração de jogadores. O resultado: Game of the Year. Para além disso, Fortnite conseguiu superar seus concorrentes diretos e se tornou o battle royale mais popular do mundo. Quem se deu bem também foi Red Dead Redemption, que provou que a Rockstar não perdeu seu toque de Midas.

O ano de 2018 foi marcado por uma apresentação performática quase perfeita da Microsoft na E3, apresentando jogos bombásticos e uma preocupação com o público irrepreensível. Mas talvez o mais impressionante fosse o movimento que a empresa fez para garantir sua relevância no futuro: a empresa de Redmond saiu às compras e de uma só vez garantiu a compra das empresas Undead Labs, Playground Games, Compulsion Games e Ninja Theory. Além de ter anunciado a criação de um novo estúdio chamado The Initiative em Santa Monica. Pouco depois a empresa ainda comprou os estúdios InXile Entertainment e a Obsidian Entertainment. A intenção era preparar o terreno para a próxima geração do Xbox.

 

2019 – O fim e o início de uma era

O ano de 2019 vai embora deixando um rastro de grandes conquistas e sucessos para a indústria de jogos. Algumas das notícias mais relevantes começaram com o anúncio do Google Stadia, a primeira entrada da gigante das tecnologias no mundo dos games. A revelação colocou as outras gigantes da tecnologia em compasso de espera, afinal a Google tem cacife e tecnologia necessárias para bater de frente e revolucionar as tradicionais fabricantes de consoles. O ponto negativo é que nem todos terão a tecnologia necessária para fazer uso pleno do Stadia.

Outra notícia importante é que Reggie Fils-Aime deixou a presidência da Nintendo of America. Apesar de ter pouco impacto pratico a curto prazo, a substituição de Fils-Aime deixou um vazio nos fãs da Nintendo, afinal o executivo conseguiu impingir sua assinatura nos negócio da Big N em solo ocidental.

Passados alguns meses, a Microsoft anunciou continuou sua estratégia agressiva para fortalecer sua posição no mercado global com a compra da Double Fine, produtora de Psychonauts. A impressão é que a próxima plataforma estará bem servida de jogos extremamente bem avaliados.

Por fim, e não menos importante, o fim do ano termina com o anúncio oficial do Xbox Seres X, a nova plataforma da Microsoft, que promete ser o videogame mais poderoso de todos os tempos. A próxima década promete fortes emoções para a comunidade gamer, uma vez que a Sony ainda está para demonstrar as capacidades do Playstation 5.

Community Inc: Jogo indie te desafia a criar a aldeia dos sonhos

Hoje vamos falar de um novo jogo indie que desafia os jogadores a criar uma comunidade feliz e realizar negociações com outras raças. Trata-se de Community Inc, produzido pelo estúdio T4 Interactive. Basicamente você é o comandante dos Lings, criaturas carismáticas que obedeceram todos os seus comandos, contudo eles tem a propensão de causar problemas, o que fará com que os objetivos do jogador não sejam tão fáceis de serem cumpridos.

O título é do gênero estratégia/simulação, de modo que erigir uma comunidade eficiente demandará esforços por parte dos jogadores, afinal, além do problema comportamental de seus Lings, há outros grupos com objetivos semelhantes, ou seja, embates podem ocorrer a todo o momento. O macete é que o game não se resume a um RTS tradicional, uma vez que é possível negociar com os grupos rivais ou até formar alianças estratégicas com eles. Há ainda outro fator que pode complicar a vida do jogador: as condições climáticas e alguns eventos surpresas.

Uma das tarefas mais recorrentes de Community Inc é a construção da aldeia dos sonhos. Neste quesito o título proporciona ao jogador uma série de opções de construções. O mais interessante é que elas trazem impacto no cotidiano dos habitantes da vila. Construa uma estrada, por exemplo, e a movimentação dos cidadãos será mais rápida. De acordo com a T4 Interactive, o game possui mais de 150 itens para construir.

Seus “minions” são os Lings, criaturas trabalhadoras e extremamente obedientes, porém – como dito acima – possuem problemas de atenção e comportamento. Se você desviar atenção eles podem começar brigas entre si ou incendiar sua aldeia. Cabe ao jogador mantê-los felizes e produtivos. Para isso, você deve providenciar salários, comida, roupas e um ambiente saudável. Você pode monitorar os status das criaturas o tempo todo. O importante é não deixá-los descontentes.

Um dos elementos mais impactantes são as condições climáticas. A chuva e a neve alteram o comportamento e a saúde dos pequenos operários. Assim, o jogador deve garantir que eles possuam as melhores armas e vestimentas. Vira e mexe surgem contratos que garantem “surplus”, a moeda corrente do game, que vão te ajudar a melhorar a vila e construir estruturas mais resistentes e grandiosas. Mas lembre-se: caso as coisas saiam do controle, basta vender a vila toda.

Community Inc já está disponível desde o início do mês para o Nintendo Switch e para a Steam. Se você curte games de estratégia em tempo real e elaborar estratégias variadas para alcançar um determinado objetivo, este game é para você!

Abaixo tem um trailer de Community Inc:

QUByte anuncia versão física de VASARA Collection para Vita, PS4 e Switch

Esta vai para os fãs de Shoot’ em Up: o game VASARA Collection terá lançamento em mídia física para os consoles Nintendo Switch, PS Vita e para o PS4 ainda no primeiro semestre de 2019. O lançamento é fruto da parceria entre o estúdio nacional QUByte Interactive e a Strictly Limited Games. De acordo com os responsáveis pelo lançamento, a coletânea contará com o primeiro e o segundo game já com conteúdos adicionais.

Para quem não conhece, VASARA é um shmup que mistura ficção científica e história do Japão Feudal através de uma linha temporal alternativa em que o país do sol nascente conta com armamento e equipamentos tecnologicamente avançados. Neste ambiente, os samurais usam motocicletas voadoras com poder de fogo surpreendente e armas de combate poderosas para destruir os inimigos.

Com a morte do, então, Senhor Feudal Hideyoshi Hashiba, Ieyasu Tokugawa planeja assumir o controle sobre seu território, e cabe aos nossos heróis enfrentar seus exércitos e evitar que o tirano estabeleça seu domínio.

Os dois jogos originais foram desenvolvidos pela VicoCorporation, em 2000 e em 2001, respectivamente. Com este retorno, a QUByte adiciona conteúdo inédito, a fim de atualizar um velho clássico e agradar jogadores mais novos. Entre as novas funções estão o suporte ao Playstation TV, personagens jogáveis inspirados em figuras históricas reais, novos finais e modo fácil para iniciantes.

Top 10: Jogos mais aguardados para 2019

O ano 2018 acabou e deixou uma saudade boa, já que muitos games de alta qualidade saíram neste ano, tais como Godo f War, Red Dead Redemption e Forza Horizon 4. Mas não pense o ano de 2019 será menos especial para quem curte videogames! Não senhor! Este novo ano promete alguns dos jogos mais aguardados de todos os tempos e boas surpresas para todos os gêneros. Pensando nisso, elaboramos uma pequena lista de 10 jogos que devem chegar em 2019 e parecem imperdíveis demais para qualquer aficionado por videogames. Confira!

Resident Evil 2

Um dos capítulos mais amados de toda a franquia Resident Evil é sem dúvidas o segundo game, graças ao seu clima de tensão sempre crescente, monstros arrepiantes e o carisma dos dois personagens centrais. Quando a Capcom relançou o remake de R.E 1, a comunidade logo ficou na expectativa de um trabalho semelhante para Resident Evil 2.

Após anos de rumores, a Capcom acabou por confirmar os trabalhos no remake de Resident Evil 2. Na última edição da E3, aliás, a produtora chegou a levar uma demo que foi considerada espetacular pela maior parte da comunidade. Pelo que deu para ver, o game promete muitos sustos e um ambiente de puro terror.

Kingdom Hearts 3

Tetsuya Nomura é atualmente o principal nome da Square-Enix. Seu nome tornou-se reconhecido do público justamente pelo sucesso do primeiro Kingdom Hearts do Playstation 2 lá em 2002. De lá pra cá a série recebeu 13 títulos (contando os remasters e spin offs), sendo que o segundo jogo da série principal chegou ao mercado no distante ano de 2005.

Após 14 anos, finalmente Nomura está pronto para a terceira parte da saga de Sora e seus amigos Donald e Pateta. A franquia amadureceu feito vinho, de modo que o salto de duas gerações garantiram gráficos melhores e uma jogabilidade mais afiada. Não bastasse isso, as últimas compras da Marvel garantiram que os jogadores poderão explorar os mundos da Pixar e outras criações como Frozen e Monstros S.A. Kingdom Hearts 3 promete ser um prato cheio para fãs de RPGs de ação e histórias repletas de reviravoltas.

Devil May Cry 5

Dante e sua turma pareciam largados pela Capcom, mas eis que na E3 2018 um bombástico trailer foi revelado, mostrando que a franquia não apenas estaria de volta, como estaria mais brutal e fotorrealista. O grande macete é que a jogabilidade deve respeitar o legado da franquia, sendo um dos mais difíceis que os jogadores encontrarão.

Um detalhe importante é que Devil May Cry 5 terá outro protagonista chamado Nero, ao invés do lendário Dante. A mudança é para mostrar um ponto de vista novo, ao mesmo tempo que expande os horizontes da franquia. Mas não pense que Dante ficará de fora, a Capcom não confirma, mas rumores sugerem que Dante será um personagem jogável e será um dos pilares na resistência contra o ataque dos demônios.

Mortal Kombat 11

 

Durante o evento The Games Awards a NetherRealm aproveitou seu espaço para anunciar Mortal Kombat 11, o terceiro game principal desde que a produtora colocou as mãos na franquia – o primeiro foi o ótimo Mortal Kombat 9. O trailer não revelou muito, apenas uma luta entre Raiden e Scorpion, com direito a mostrar que o Deus do Trovão pode estar em sua versão corrompida.

Uma teoria que ganhou bastante espaço na internet foi a de que a trama envolverá viagens do tempo, já que Scorpion acaba aparecendo com seu uniforme clássico. Essas dúvidas não ficaram muito tempo no ar, pois o título tem previsão de lançamento em 23 de abril de 2019. Pelo que os produtores já fizeram no passado, podemos esperar mais um jogão de luta a caminho.

Shenmue III

A primeira vez que ouvimos falar de Shenmue III foi durante a E3 2015, quando Yu Suzuki subiu ao palco durante a conferência da Sony para apresentar um trailer garantindo que os trabalhos seriam feitos, porém para que o game visse a luz do dia seria necessário que a comunidade apoiasse a camapanha via Kickstarter. Não demorou muito para que os resultados fossem alcançados e o título ganhasse uma data de lançamento: 27 de agosto.

Não há muitos detalhes sobre a trama ou sobre a jogabilidade, mas Suzuki é reconhecido por ter revolucionado a indústria dos jogos eletrônicos com o primeiro Shenmue para Dreamcast. As expectativas são altas para este jogo, ainda que os dois primeiros não tenham envelhecido tão bem. De qualquer forma, fica o amor no coração que toda uma comunidade tem pela franquia, o que por si só já justifica todo o apoio que Shenmue III recebeu em poucos meses.

Gears 5

Gears 5 é a próxima e maior investida da Microsoft para tentar mudar o cenário do Xbox One. A franquia de TPS já se mostrou uma das mais bem produzidas do Xbox e um dos campeões de vendas da geração. Nesta nova entrada a Microsoft aposta em um ambiente mais caótico e na entrada de uma nova personagem chamada Kait Diaz, que deve descobrir mais sobre as origens da raça Locust.

Ao contrário dos games anteriores, aqui a Microsoft optou por chama-lo singelamente de Gears 5. A atitude ousada é uma tentativa renovar a franquia para o público mais jovem. Pelo que se pode ver nos trailer, o título promete bastante ação e uma trama mais emocional.

Luigi’s Mansion 3

O Nintendo Switch é um fenômeno de vendas e para não deixar a peteca cair a Nintendo continua apostando alto em suas franquias mais queridas. Este é o caso de Luigi’s Mansion 3, jogo que coloca o irmão do Mario em missões de caça-fantasma. O terceiro game foi anunciado meio que de surpresa em um Direct em setembro, com quase nenhum detalhe.

Sabe-se por hora que o game é exclusivo de Switch e chegará ao mercado em meados deste ano. A Nintendo guarda bastante segredo sobre este jogo, de modo que a comunidade espera novos detalhes durante a E3 2019. Este será o retorno de Luigi’s Mansion para uma plataforma de mesa da Nintendo desde o 1º capítulo.

Final Fantasy VII

Outro título que deu as caras na E3 2015 e depois saiu do radar foi Final Fantasy VII Remake. A Square-Enix promete o game ainda neste ano, mas a falta de informações sobre o desenvolvimento leva a crer que este aqui está no limbo criativo e somente deve surgir novidades a partir da E3. De acordo com Tetsuya Nomura, diretor do projeto, Final Fantasy VII somente receberá total atenção dos produtores após o lançamento de Kingdom Hearts III.

Sabe-se que o game não será um remake todo fiel, pois a equipe já informou que algumas mudanças foram feitas, tal como a missão em que Cloud se veste de mulher para se infiltrar. O remake não terá isso, além disso, a equipe criativa pretende deixar os combates mais fluídos, deixando um pouco de lado a estética dos RPGs por turno. Provavelmente a square-Enix não conseguirá lançar FFVII ainda em 2019, mas vamos manter as esperanças.

Anthem

A Bioware sabe que pisou feio na bola em Mass Effect Andromeda em 2017. A intenção é não repetir os mesmos erros. Anthem sai um pouco do senso comum, ao dar ao jogador a oportunidade de sair viajando por um mundo fantástico e habitado por muitas criaturas estranhas. Já que o foco é no multiplayer online, Anthem tem todos os ingredientes para criar uma comunidade forte e dedicada, se a EA fizer as coisas corretamente.

Talvez a melhor coisa de Anthem seja seus ambientes exploráveis. Sério, após ver a demo, você fica com aquele gosto de quero mais, como se o trabalho realizado pelos produtores superassem o limite do que os videogames são capazes de fazer. Mas é claro, por vezes a EA conseguiu nos enganar com jogos mal acabados. Felizmente, Anthem parece não seguir essa diretriz.

Ori and the Will of the Wisps

O segundo capítulo da saga de Ori surge aqui na lista meio que de penetra, pois é o game de menor escala de todos, se assemelhando muito a um jogo indie. O que o coloca nesta lista é o legado que ele traz consigo: o primeiro Ori foi fenomenal e um dos melhores games que já jogamos. A qualidade foi tal que sem dúvidas é um daqueles que podemos chamar de obra de arte interativa.

A Moon Studios promete elevar a franquia para um novo patamar combinando gráficos lindos de morrer e um gameplay metroidvania repleto de desafios. O trabalho de iluminação é um dos pontos altos pelo que a demo demonstrou. Não obstante, vale destacar que Ori é um dos games mais importantes do Xbox One nesta temporada, já que é justamente ele a quebrar um pouco o ritmo dos jogos da plataforma, que em geral são voltados aos tiroteios e pancadaria. É bom ver um game feito para emocionar os jogadores ganhando espaço entre os peso-pesados.

Blazing Chrome vai desafiar jogadores no Nintendo Switch, PlayStation 4 e PC no começo de 2019

Esta é para quem estava esperando novidades sobre Blazing Chrome, o jogo indie da produtora Joymasher. De acordo com os produtores, o título do estilo run ‘n gun será lançado para Nintendo Switch, Playstation 4 e PCs no início de 2019. A novidade pegou de surpresa a comunidade que aguarda ansiosamente o lançamento do game, que já está disponível na Steam.

Para comemorar a notícia, a Joymasher acaba de lançar um novo trailer gameplay, que serve para mostrar um pouco dos cenários e dos perigosos inimigos que prometem não dar descanso para a humanidade. A mecânica é bem similar ao clássico Contra, de modo que a ação é intensa e cheia de emoção. O título tem um estilo retrô que tem tudo para agradar jogadores das antigas.

Em Blazing Chrome os jogadores encarnam o papel dos militares Mavra e Doyle que devem atravessar cenários devastados e enfrentar alienígenas e robôs armados até os dentes. A dupla é a esperança de salvação da humanidade nesta guerra desenfreada. Ainda que em desvantagem, a dupla consegue se opor aos inimigos graças aos inúmeros power-ups a disposição, bem como as novas armas futuristas e mechas poderosos.

Blazing Chrome é uma homenagem à era de ouro dos jogos de plataforma shooter side-scroller que leva em consideração o gameplay contemporâneo. O jogo busca dar a experiência mais próxima possível de um jogo dos anos 90, mas sem os problemas de gameplay que um jogador de hoje encontraria. Jogadores terão de enfretar seis diferentes levels cheios de robôs feitos para destruir humanos como Mavra, a guerrilheira solitária, ou Doyle, o robô rebelde que luta por liberdade.

Abaixo você confere o trailer de Blazing Chrome:

 

E3 2018 – O resumo da coletiva da Nintendo e o hype de Smash Bros. cresce

Das três grandes do cenário de jogos eletrônicos, a ultima a mostrar novidades foi a Nintendo. Como é de praxe, a empresa japonesa não fez uma apresentação ao vivo, mas sim transmitiu um Direct. A Big N aproveitou para falar sobre alguns dos jogos que estão no forno há algum tempo, tais como o novo Pokémon, Smash Bros e Overcooked 2. O grande destaque mesmo ficou por conta de Smash Bros, mas também tivemos a grata surpresa de Daemon X Machina, uma nova IP de mechas batalhando.

Daemon X Machina
O primeiro game da apresentação foi Daemon X Machina, um jogo de batalha entre mechas produzido pelos japoneses da Marvelous Entertainment. O vídeo foi bastante frenético e deixou a impressão de que as explosões e tiroteios serão recorrentes na maior parte do gameplay. Os gráficos em cel shading deram uma boa impressão, aproximando de vez os jogos eletrônicos e os animes.
A Nintendo não passou muitas informações, mas deu para sacar que a empresa continua investindo pesado em títulos japoneses e em novas IPs. O lançamento está programado para algum momento de 2019.

Xenoblade Chronicles 2 ganha DLC
Logo após apresentar Daemon X Machina, a Nintendo anunciou uma nova expansão para Xenoblade Chronicles 2 chamada Torna: The Golden Country. No capítulo, os jogadores viajarão 500 anos no tempo até uma era em que Mythra, Jin e Malos lutavam lado a lado por uma causa comum. De acordo com a Big N, o novo capítulo chega em 14 de Setembro.

Um novo vídeo de Pokémon Let’s Go Pikachu e Eevee
Durante a Direct exibida para a E3, Reggie Fils-Aime falou sobre os novíssimos e esperados Pokémon Let’s Go Pikachu e Eevee. De acordo com o executivo, a Pokébola Plus é um controle que serve para capturar os monstrinhos de bolso nos dois games. Além disso, você pode transferir as criaturas entre os dois games com auxílio do acessório.
Outro detalhe importante: quando a pokébola é sacudida uma luz se acende e é possível ouvir um som característico do Pokémon que estiver dentro dela. Também vale dizer que quem comprar o gadget ganha o lendário Pokémon Mew. Os dois jogos Pokémon: Let’s Go Eevee! e Let’s Go Pikachu! chegam em 16 de novembro pelo preço de US$ 59,99.

Super Mario Party é anunciado
Uma grata surpresa da Nintendo veio na forma de Super Mario Party, o mais novo capítulo da franquia de minigames multiplayer. Pelo que pudemos perceber no trailer de revelação, deu para perceber que alguns dos minigames tradicionais da franquia estão de volta com suporte para quatro jogadores em simultâneo.
Os jogadores podem ainda utilizar os comandos por movimentos graças ao sensor dos Joycons. Além disso, é possível conectar os Switches para formar um grande painel. De acordo com a Nintendo, o game chega no dia 5 de outubro.

Fire Emblem Three Houses
O novo capítulo de Fire Emblem havia sido anunciado em 2017, mas só agora pudemos ver um pouco do gameplay. Three Houses mantém a estética e gameplay dos títulos de RPG da franquia. A Intelligent Systems mesclou alguns elementos do gerenciamento de unidades em um esquema à lá “tatics”.
O novo título possui uma arte gráfica impressionante. Outra coisa importante é com relação à ação. O campo de batalha estará preenchido de inimigos, ao invés de dar destaque aos personagens centrais. Além disso, você pode explorar os cenários ao invés de visualizar as ações em visão superior. Fire Emblem: Three Houses chega para o Switch em meados de 2019.

Fortnite chegou ao Switch
Enquanto a apresentação da Nintendo rolava mundialmente, Fortnite ganhou versão para o Switch. O título já havia sido vazado pela própria eShop. A versão para o console da Nintendo inclui o modo Battle Royale e pode ser baixada gratuitamente. Uma coisa importante: a Epic Games confirmou que a versão de Switch terá crossplay com as versões de PCs, Xbox One e mobile.

Overcooked 2, Killer Queen Black e DBZ no Switch
Quase ao final da Direct, a Nintendo anunciou a chegada de dois jogos menores para o Switch: Overcooked 2 e Killer Queen Black. Os títulos demonstram que a Nintendo vai manter sua estratégia de apostar em jogos indies para pontuar seus principais lançamentos. Quem também foi confirmado para o console é o consagrado Dragon Ball FighterZ, o game de luta dos guerreiros Z que mais parece um episódio. O jogo de luta ainda não tem uma data oficial para chegar ao console.

Super Smash Bros Ultimate
O grande destaque da apresentação da Nintendo foi sem dúvidas o novo Smash Bros. De acordo com a Nintendo, todos os personagens que já apareceram nos jogos anteriores estão de volta, isso significa um roll de nada menos que 65 personagens. Sim, personagens que eram convidados especiais como Snake estarão na galeria de personagens. Falaremos mais sobre Super Smash Bros. Ultimate em breve.

Top 10: Games mais aguardados para 2018

O ano 2018 começou. Você já sabe quais os games que devem fazer bonito nesta temporada? Preparamos aqui um guia dos jogos mais aguardados e que tem tudo para fazer bonito neste ano. Claro que alguns podem se mostrar grandes decepções, além da possibilidade se aparecer surpresas ao longo dos meses, mas baseando-se no que já foi apresentado até aqui, estes são os games que mais estamos ansiosos para ver em 2018.

Confira abaixo os dez games mais aguardados para 2018:

 

Shadow of the Colossus

Sim, Shadow of the Colossus não é exatamente uma “novidade”, visto que já sabemos o que esperar do jogo desde a era 128 bits. Mas vamos lá, Shadow of the Colossus é um dos melhores games de todos os tempos e um dos poucos games considerados obras de arte interativas. Aqui podemos ver toda a glória da obra de Fumito Ueda rodando na melhor resolução possível.

O mundo aberto, a trilha sonora e as batalhas emocionantes cativaram os jogadores por muitos anos. Ao que parece o game não vai ganhar novidades como os míticos colossus perdidos, mas ainda assim não podemos deixar de ficar animados com a volta de Wanda e sua aventura para salvar sua amada. Se você nunca jogou este clássico do PS2, esta é a chance, afinal Shadow of the Colossus foi tão importante em sua época que era comparado com a franquia Zelda, da Nintendo, graças a sua grandiosidade.

 

Anthem

A Bioware sabe que pisou na bola com Mass Effect Andromeda e a intenção com Anthem é recuperar a honra do estúdio. Seguindo uma premissa parecida com a de Destiny, Anthem coloca os jogadores em um RPG de ação cooperativo em uma exploração por mundos alienígenas. Você escolhe uma classe e as habilidades de cada uma delas são importantes para vencer os mais estranhos desafios.

Parece que a Bioware está mirando os fãs de sci-fi, além de quem se desapontou com Destiny 2. Cada freelancer possui uma javali (o traje mecânico), que é customizável e pode trazer vantagens importantes. A expectativa é que a EA tenha aprendido a lição com os polêmicos lançamentos de Mass Effect Andromeda eStar Wars Battlefront II e pare de extorquir a comunidade ou entregar produtos pouco otimizados. Se entregar o que foi prometido, Anthem tem um futuro bastante promissor.

 

Metro Exodus

O terceiro game da franquia Metro chega para trazer ares mais sombrios para a obra de Dmitriy Glukhovskiy. O trailer revelado mostra que o jogo deve ser um dos mais apavorantes de 2018, com muitos jump scares e uma ambientação pesada. A ambientação mantém o clima pós-apocalíptico devastado por uma guerra nuclear. Neste mundo desesperançoso surgem criaturas mutantes sedentas por sangue.

Cabe ao jogador encarnar um dos sobreviventes da guerra e atravessar os túneis escuros do que um dia já foi a Rússia. O final de Last Light apenas serviu para deixar a comunidade ansiosa por uma sequência. De acordo com o que foi mostrado, os elementos de furtividade serão ainda mais onipresentes, ou seja, não é nada esperto sair atirando feito louco pelos túneis escuros.

 

Kingdom Hearts 3

Tetsuya Nomura vêm prometendo Kingdom Hearts 3 desde a primeira geração de games do PS4, mas a produção de Final Fantasy XV tomou muito de seu tempo. Agora com o campo livre para se dedicar a KH3 esperasse que o game saia até o final de 2018 (vamos torcer). O título coloca o usuário da Keyblade (Sora) e seus amigos Pato Donald e o Pateta em uma aventura através dos mundos mágicos da Disney.

Este será o primeiro Kingdom Hearts da série principal desde que a Disney comprou os direitos de Star Wars e toda a divisão Pixar. Ainda é cedo para dizer, mas a comunidade espera que a Square-Enix explore elementos destes jogos (Toy Story já está confirmado). Quem sabe, dependendo do andamento da produção, possamos esperar alguns easter eggs sobre possíveis aparições do mundo de super heróis da Marvel? Não custa sonhar, mas pelo que se espera, este será um dos games mais divertidos do gênero RPG dos próximos anos, saindo um pouco do mote obscuro que domina o gênero atualmente.

 

State of Decay 2

Uma das maiores surpresas da última década foi State of Decay, uma espécie de GTA ambientado em um mundo pós-apocalíptico infestado de zumbis. A ideia é colocar os jogadores em um mundo totalmente aberto, mas ao invés de brigar entre si com em PUBG (outro fenômeno a ser estudado), aqui a ideia é cooperativo.

Com o devido apoio da Microsoft e o novo poder de processamento do Xbox One, a expectativa é que State of Decay se torne uma das franquias mais importantes para quem curte multiplayer online. Espera-se um mundo explorável ainda maior que a do primeiro game, então pode esperar por muita ação e diversão. Ah, vale lembrar que o título terá foco na  construção de uma comunidade de players, onde as habilidades únicas de cada personagem são importantes para deter as hordas invasoras de zumbis. 

 

Marvel`s Spider Man

Desde o lançamento de Batman Arkham Asylum nunca houve um jogo de super heróis tão impactante, porém a expectativa é que finalmente a Marvel tenha um game para rivalizar com a qualidade do Cavaleiro das Trevas. A movimentação pela cidade de NY parece impressionante, tal como a escolha de personagens, vilões e mecânica de combate.

Uma das principais críticas que a comunidade tem feito desde os trailers de revelação são sobre a quantidade de QTEs (quick time events), mas a Insomniac Games já garantiu que o jogo não tem tantas QTEs assim. Ah outra boa notícia é que o mapa do jogo promete ser bastante grande, o maior já feito pela Insomniac. Se as promessas forem cumpridas, aqui está um game que todos os fãs do aracnídeo esperavam.

 

Dragon Ball FighterZ

Emu ma época que Street Fighter e Marvel vs Capcom são capazes de desapontar os jogadores, surge Dragon Ball FighterZ, que não apenas traz os lutadores mais poderosos da ficção, como também tem aquele sentimento perdido de jogos de luta árcade. FighterZ traz uma galeria vasta de personagens (espera-se que todo o elenco de DBZ e Dragon Ball Super esteja no game). Os combates lembram o clássico DBZ Budokai do PS2, porém com ação mais fluída.

Os combates são de 3×3 e as animações estão tão bonitas que até parecem episódios do anime. A Bandai Namco irá lançar FighterZ no dia 26 de janeiro e se tudo correr bem, este deve ser um dos queridinhos na temporada de eSports de 2018, afinal vale lembrar que Dragon Ball Super está a todo vapor e os fãs de Dragon Ball já estavam esperando por muitos anos por um game neste nível de qualidade.

 

Far Cry 5

A franquia Far Cry já é uma das melhores dos últimos anos. Após passarmos por ilhas desertas e pela idade da pedra, chegou a hora de uma abordagem mais moderna. Em Far Cry 5 os jogadores vão para a cidade de New Hope, Montana para assumir o papel de xerife. O maior desafio é capturar o líder religioso Joseph Seed, que formou um grupo racista com ideais apocalípticos (bastante inspirado em Charles Manson).

Assim como nos games anteriores, o jogador pode esperar uma inteligência artificial dos inimigos bastante aprimorada, além de uma história bem desenvolvida. A novidade fica por conta da possibilidade de personalizar o personagem, escolhendo gênero, cor de pele entre outras modificações.

 

God of War

O retorno da franquia God of War traz mudanças drásticas: Kratos está mais maduro e é acompanhado por seu filho Atreus. A ação deixa de lado o estilo hack ‘n slash dos títulos anteriores, ficando mais desacelerada e tática, quase como uma inspiração de Dark Souls. Como se não bastasse, a trama parece mais densa e deve explorar o relacionamento entre Kratos e seu filho.

Mas calma: de acordo com os produtores, o jogador não será babá da criança, já que Atreus realizará suas próprias escolhas durante o jogo. Ah, a nova abordagem na mitologia nórdica promete trazer um pouco de brisa fresca para uma franquia tão amada.

 

Red Dead Redemption 2

Um dos jogos mais bem produzidos da Rockstar foi Red Dead Redemption, não por menos a comunidade implorou por muito tempo que a produtora criasse uma sequência. Os pedidos serão atendidos em 2018 com algumas perfumarias bastante esperadas, como o novo modo multiplayer que servirá para complementar a campanha singleplayer. A trama gira em torno de Arthur Morgan, um membro da perigosa gangue Dutch van der , tendo de realizar diferentes missões em uma ambientação de velho oeste.

A expectativa da comunidade é bastante alta, pois nos últimos projetos a Rockstar conseguiu entregar produtos de extrema relevância, além de alcançar vendas impressionantes com GTAV. Muita gente aposta que RDR2 pode se tornar o jogo mais vendido de 2018, ainda que a concorrência seja bastante alta.

Estúdio brasileiro Mad Mimic estará na Playstation Experience para apresentar o jogo No Heroes Here

Você já ouviu falar do jogo No Heroes Here? Se ainda não conhece, pode ter certeza de que ainda vai ouvir falar muito desse jogo. E não é por menos: o game brasileiro é uma das grandes apostas da Sony para a próxima temporada. Prova disso é que o estúdio desenvolvedor Mad Mimic Interactive é um dos destaques da PlayStation Experience, que ocorre nos dias 9 e 10 de dezembro, no Centro de Convenções de Anaheim, Califórnia. 

Convidados pela Sony, os criadores de No Heroes Here terão um estande exclusivo no evento. O estande tera nada menos que 12 metros quadrados, onde os desenvolvedores apresentarão  o game ao grande público do evento e  responderão as dúvidas da comunidade. É muito raro estúdios brasileiros conseguirem a oportunidade de apresentar seus games em eventos internacionais desse porte.

No Heroes Here é um ‘Castle Defense’ cooperativo e multiplayer para até quatro jogadores. O jogo teve o incentivo da prefeitura de São Paulo e parte do seu desenvolvimento foi financiado pela SPCine. Sua produção durou cerca de um ano e as versões para Windows e Mac OS foram lançados em outubro deste ano, na plataforma digital Steam. Com diversos personagens selecionáveis e fases a serem exploradas, criar estratégias e cooperar com outros jogadores para o desfecho de cada desafio é o ponto alto da diversão em No Heroes Here.

Nos últimos meses, No Heroes Here esteve presente em diversos eventos nacionais e internacionais como a Brasil Game Show, a GamesCom, o DreamHack, a Tóquio Game Show, a Campus Party e a Argentina Game Show, com destaque para a PAX 10, uma seleção oficial de jogos independentes do evento feita por 50 especialistas do mercado de games mundial.

No Heroes Here conquistou alguns prêmios como melhor jogo brasileiro do Brazil Game Awards, melhor jogo social da Game Connection Development Awardse melhor som e melhor jogabilidade, no evento MAX. Além disso, teve outras nomeações importantes em eventos como o SBGames e o Indie Playground.

De acordo com a Mad Mimic, No Heroes Here estará disponível no primeiro semestre de 2018 para consoles e será lançado para Nintendo Switch, PlayStation 4 e Xbox One. Para saber mais e jogar as versões de Windows e Mac OS, acesse o site do game.

Abaixo tem o trailer de No Heroes Here:

Pelo terceiro ano consecutivo, UOL JOGOS integra júri que elege os melhores games da E3

Pelo terceiro ano consecutivo o UOL, maior empresa brasileira de conteúdo online, integrará o júri da Game Critics Awards (GCA) que vai eleger os melhores games da E3 (Electronic Entertainment Expo), maior feira de games do mundo, que acontece entre os dias 13 e 15 de junho em Los Angeles. O veículo é a única mídia brasileira a integrar o rol de jurados desse importante prêmio, que ainda conta com contribuição de veículos reconhecidos mundialmente como o USA Today, LA Times, Wired, entre outros.

O UOL promete uma cobertura de primeira para o evento de Los Angeles. Nos anos anteriores os jogadores puderam conferir a cobertura através do UOL via transmissões, vídeos, hard news e até atualizações in loco via twitter. O portal não informou o que prepara para este ano, mas espera-se entrevistas, impressões, curiosidades e toneladas de conteúdo referente a E3 regularmente.

“Esse ano estamos com muitas novidades no UOL Jogos e o usuário poderá cada vez mais interagir com a gente”, diz Theo Azevedo, editor do UOL Jogos.  “Além disso, o E3 é o evento mais importante do ano na indústria de videogames e estamos buscando a cada ano inovar a cobertura. Com a transmissão em português das conferências, na TV UOL, Facebook e Youtube, vamos oferecer um ambiente muito divertido para o gamer”, completa Theo.

Mais novidades do UOL para a E3 2017

O UOL Jogos conta com Videoanálises que avaliam em poucos minutos os grandes lançamentos do mercado e toda semana há transmissões ao vivo, as chamadas “lives”, com jogos do momento que são transmitidas no Youtube e no Facebook e que proporcionam a interação com os usuários. As novidades da E3 2017 podem ser conferidas através do site principal do portal em UOL Jogos.