“Jogos Digitais e Analógicos como Tecnologia Assistiva na Educação Especial: Modelos Didáticos Metodológicos” – Novo livro digital explora jogos como tecnologia assistiva na educação especial

O Grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão Escolar, Tecnologia Assistiva e Atividade Motora Adaptada (Gepitama), vinculado à Universidade Estadual Paulista – Presidente Prudente, acaba de lançar uma obra que promete revolucionar o campo educacional. Intitulado “Jogos Digitais e Analógicos como Tecnologia Assistiva na Educação Especial: Modelos Didáticos Metodológicos”, o livro é fruto do II Ciclo de Conferências on-line do Gepitama, realizado em 2023.

Este compêndio, organizado por Manoel Osmar Seabra Junior, Maria Luiza Salzani Fiorini, Gisele Silva Araújo, Janiele de Souza Santos Uchelli e Ana Paula Donaton Ribeiro, reúne contribuições de renomados especialistas como o Prof. Dr. Leandro Yanaze (Unifesp) e a Profa. Dra. Cícera Malheiro (Unifesp), entre outros, abordando a aplicação de jogos digitais e analógicos como recursos de Tecnologia Assistiva na Educação Especial.

Com seis capítulos que exploram temas como design educacional, habilidades cognitivas e ludificação digital, a obra visa proporcionar opções didático-metodológicas essenciais para profissionais e estudiosos que atuam nesse contexto educacional específico.

Os organizadores destacam que o propósito do livro vai além da teoria, buscando enriquecer práticas educacionais em diferentes cenários da Educação Especial. Disponível em formato digital através do site da Associação Brasileira de Atividade Motora Adaptada (SoBAMA), este material promete ser um recurso indispensável para quem busca inovação e eficácia na educação inclusiva.

Para mais informações e acesso ao livro, visite: Associação Brasileira de Atividade Motora Adaptada (SoBAMA).

SPCine Game anuncia lançamento de edital para apoio à conceituação de jogos digitais

A SPCine Game, primeira incubadora do Brasil exclusivamente voltada para games, anunciou nesta terça-feira (29) o lançamento de um edital para apoio à conceituação de jogos digitais.

O edital será aberto na próxima semana, dia 4 de dezembro, e vai selecionar 15 projetos, que receberão um aporte financeiro de R$ 15 mil cada. Os recursos serão utilizados para a produção de um Game Design Document (GDD), uma pesquisa de mercado e um plano de desenvolvimento.

Podem participar do edital produtoras de jogos digitais sediadas no Estado de São Paulo. Os projetos devem ser inéditos e apresentarem potencial de mercado. A data de lançamento do edital será no dia 4 de dezembro de 2023 e estará disponível no site da SPCine Game.

“O edital de conceito é uma oportunidade para que desenvolvedores de jogos digitais possam dar os primeiros passos na concretização de seus projetos”, afirma Lyara Oliveira, diretora de Inovação e Políticas do Audiovisual da SPCine. “Com o apoio financeiro e a capacitação oferecida pela incubadora, os selecionados terão condições de desenvolver um conceito sólido e competitivo para seus jogos.”

A SPCine Game foi criada em 2020 com o objetivo de promover o desenvolvimento da indústria de games no Estado de São Paulo. A incubadora oferece suporte técnico e financeiro a produtoras de jogos digitais, desde a fase de concepção até a comercialização dos produtos.

Sobre a SPCine Game

A SPCine Game é uma incubadora de jogos digitais vinculada à SPCine, empresa de cinema e audiovisual de São Paulo. A incubadora oferece suporte técnico e financeiro a produtoras de jogos digitais, desde a fase de concepção até a comercialização dos produtos.

A SPCine Game já apoiou a produção de mais de 20 jogos digitais, entre independentes e comerciais. A incubadora também promove eventos e ações de formação para profissionais do setor de games. Para mais informações, clique aqui.

Grupo de professores, pesquisadores e profissionais da área de games publicam carta aberta a comunidade sobre a relação Jogos digitais e violência

Na última terça-feira (18), o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, cometeu um deslize ao associar os jogos eletrônicos a episódios violentos envolvendo jovens. Motivados pela fala do político, um grupo de pesquisadores, professores, coordenadores de curso e desenvolvedores de jogos digitais no Brasil divulgaram uma carta aberta para desmistificar a crença popular de que jogos digitais são responsáveis por comportamentos violentos. Ao contrário, a carta enfatiza que jogos digitais podem trazer benefícios à sociedade, inclusive sendo utilizados como mediadores de ensino e aprendizagem.

O objetivo da carta é destacar que agências de fomento estaduais e federais têm investido em projetos de jogos digitais voltados para a educação, com resultados positivos comprovados por pesquisas acadêmicas. O grupo que assina o documento ainda enfatiza que os jogos digitais podem ser espaços para o desenvolvimento de habilidades como a criatividade, o pensamento crítico, a resolução de problemas e o trabalho em equipe.

Segundo a carta, pesquisas realizadas no Brasil e no exterior mostram que jogos digitais podem ser aplicados em diversos contextos educacionais, desde o Ensino Fundamental até o Ensino Superior, e em disciplinas como Matemática, Ciências, História, Geografia e Língua Portuguesa.

Os autores da carta pedem que a sociedade brasileira apoie o desenvolvimento de jogos digitais educativos e reconheça o potencial desses jogos como ferramentas de transformação social. Em resumo, a carta aberta é uma resposta ao equivocado senso comum que associa jogos digitais a comportamentos violentos e reforça a importância dos jogos digitais como produtos culturais relevantes e mediadores de ensino e aprendizagem.

Dito isto, vocês podem conferir a carta na íntegra clicando no link abaixo:

CARTA ABERTA

 

Edit: O grupo permanece aberto para receber assinaturas nesta carta. Toda a comunidade é bem vinda e pode contribuir para deixar claro que somos uma comunidade aberta ao diálogo e que preza pela paz e a educação. Caso queira assinar, por favor envie seu nome completo e qualificação para o e-mail [email protected]. ainda de acordo com o grupo de professores, conforme forem recebidas novas assinaturas, a carta será atualizada e estará disponível sempre pelo mesmo link. Pede-se que entenda que esse não é um processo automático.
Para ter uma ideia sobre a qualificação, veja na versão atual da carta como os demais colegas assinaram: