CreativeSP prorroga inscrições para a Game Developers Conference, nos EUA

O Governo de São Paulo prorrogou as inscrições para a segunda missão de 2023 do CreativeSP, programa da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e da InvestSP de Internacionalização da Economia Criativa, que busca incentivar a geração de negócios, a atração de investimento estrangeiro para o estado e o intercâmbio internacional das empresas paulistas. A conferência acontece de 20 a 24 de março, em São Francisco, nos Estados Unidos, e empresas interessadas em participar da missão devem se inscrever pelo site da InvestSP, a agência de promoção de investimentos do estado, até 17 de fevereiro.

O destino será a GDC-Game Developers Conference, um dos maiores eventos do mundo sobre jogos eletrônicos, setor que, no Brasil, movimenta o equivalente a R$ 14 bilhões por ano e conta com 101 milhões de consumidores, segundo estudo da consultoria especializada Newzoo.

Para cada missão, o programa seleciona até 10 empresas paulistas, que contam com um reembolso máximo de US$ 3 mil, em despesas elegíveis, para custear até 50% dos gastos com a viagem. Os participantes também podem ter acesso a ações de capacitação, consultoria, assessoria, monitoramento de resultados e acompanhamento pós-eventos.

A missão para a Game Developers Conference será a segunda voltada para o setor de jogos eletrônicos. Em agosto do ano passado, o CreativeSP levou 10 empresas para a Gamescon, na Alemanha, com um resultado considerado excelente pela organização do programa: a expectativa dos participantes é que, nos 12 meses após o evento, sejam gerados quase R$ 60 milhões em negócios no estado, cerca de 10 vezes o orçamento total do CreativeSP para as nove missões realizadas em 2022.

Como participar

Para concorrer a uma vaga nas missões do CreativeSP, empresas e instituições com sede em São Paulo precisam apresentar um histórico da organização e do representante escolhido para a missão, um texto sobre como o evento pode contribuir para as atividades da organização e um plano estratégico para o mercado internacional. Para 2023, além da GDC, já estão confirmadas mais duas missões: SXSW, nos Estados Unidos, e Festival de Cinema de Cannes, na França.

Para fazer sua inscrição, clique aqui.

Game brasileiro Master Lemon ganha o G4C América Latina Award

Durante o mês de novembro rolou o X Festival Games for Change e dentro do evento oito projetos de jogos independentes concorreram ao prêmio G4C América Latina Award na competição  “Pitch for Change”. O grande vencedor da competição foi o game Master Lemon, da desenvolvedora Pepita Digital.

A etapa competitiva do X Festival Games for Change América Latina colocou oito projetos concorrentes, em fase de desenvolvimento ou já no mercado, para disputar o “G4C América Latina Award” na competição “Pitch for Change”, realizada em modo remoto durante a tarde do domingo, 21 de novembro. “Master Lemon”, da Pepita Digital, ganhou o grande prêmio. O game ainda está em desenvolvimento e tem como propósito estimular o auto-conhecimento, a aprendizagem de línguas e a estimulação da memória.

Durante o evento foram concedidas outras duas premiações: na categoria “Impacto” houve empate entre “PoN: A Ilha dos Tatus”, do estúdio de desenvolvimento de games brasileiro Ilex Games e “demonumentaRA”, um projeto coletivo de imersão virtual realizado por Luis Felipe Abbud a partir de ideias da artista e professora da Faculdade de Arquitetura e Ubanismo (FAU) da USP, Giselle Beiguelman, apresentada no “pitch” de 15 minutos. Na categoria “Criatividade”, o prêmio também foi para “Master Lemon”.

“O Festival insiste na ênfase em games com criatividade e impacto transformador com alta qualidade estética e audiovisual”, explica o presidente da G4C América Latina, Gilson Schwartz. O líder da rede G4C na União Europeia, Jean-Michel Blottière, deu ênfase à diferença entre jogo transformador e jogo sério. “Não se trata de criar jogos para treinar enfermeiras ou cirurgiões cardíacos remotos, mas de buscar um forte impacto social, cultural e ético que vai além do propósito sério, por exemplo, de treinar um trabalhador”, afirma. “Com a crise climática, a pandemia, as migrações e guerras, as empresas, os governos e os cidadãos começam a perceber a diferença e a urgência de jogos criativos que nos ajudem a mudar hábitos, ser mais tolerantes ou empáticos com outras pessoas, coisas e o próprio meio-ambiente”, conclui Blottière.

A quarta edição da competição “Pitch for Change” oferece aos vencedores uma conexão imediata à plataforma global de captação de investimentos em inovação “Trampoline”, uma aceleradora de investimentos com forte ênfase em desenvolvimento humano e inovações de impacto em ciência e tecnologia pela sustentabilidade.

O game “demonumentaRA” é de autoria coletiva, ressalva Luis Felipe Abbud. O ponto de partida é uma intervenção artística e política sobre monumentos, usando tecnologias de realidade aumentada e “gamificando” a relação dos cidadãos com os monumentos da cidade. “Fizemos ações que lembram o Pokemon Go envolvendo a estátua do Borba Gato e houve hostilidade por parte de quem achava que era uma forma digital de afetar a simbologia dos bandeirantes, com ameças mesmo”, revela Abbud.

Para o presidente da Games for Change América Latina, Gilson Schwartz, a realização da décima edição anual do Festival e da quarta rodada de “pitching” com desenvolvedores e “start-ups” representa uma oportunidade para o empreendedorismo e a inovação na área social com alto potencial de internacionalização.

“Conectar estudantes, artistas e desenvolvedores de games ao mercado internacional, a novas possibilidades de monetização e captação de investimentos é uma missão possível, necessária e proposital em todos os capítulos regionais da rede Games for Change.

Festival Games for Change celebra o Dia da Consciência Negra debatendo a cartilha “Lula Play”

Durante a campanha presidencial, uma das promessas de campanha do candidato eleito, Luiz Inácio “Lula” da Silva, foi o Lula Play, uma cartilha para fomentar o mercado de games do Brasil. Pois é justamente essa cartilha que será debatida na décima edição do Festival Games for Change América Latina. Este será o primeiro debate público sobre políticas públicas para a indústria de jogos no governo Lula, ao mesmo tempo em que engaja desenvolvedores de jogos e as indústrias criativas com questões educacionais e ambientais.

O evento será transmitido ao vivo entre os dias 18 e 20 de novembro, culminando com a quarta edição do concurso “Pitch for Change” que vai premiar jogos voltados à transformação social.

“Pela primeira vez na história do Brasil, as eleições presidenciais integraram as artes, a cultura e os jogos como uma questão política fundamental. Não é por acaso, pois o governo atual implementou políticas destrutivas na área social, da ciência, contra a cultura e o meio-ambiente, além de favorecer a desregulamentação do controle de armas, a destruição da Amazônia e o desmantelamento radical da educação pública”, afirma o Presidente da Games for Change América Latina, Gilson Schwartz.

“A pandemia também trouxe à tona o racismo estrutural, por isso temos o orgulho de comemorar o Dia da Consciência Negra no Brasil na cerimônia de encerramento, após o anúncio da premiação dos melhores jogos do ano”, completa Schwartz.

“Lula Play” foi publicado por um grupo de desenvolvedores independentes no início da campanha e foi integrado ao programa do presidente eleito. Há esperança de que novas políticas reconstruam os investimentos do país em políticas sociais, educação e cultura alavancadas por jogos voltados para crianças e jovens.

O Festival também apresentará os premiados do Cross-Cultural Impact Jam, co-promovido com a Games for Change de Nova York e a empresa UNITY (desenvolvedora de software para a criação de games), ocorrida na primeira semana de novembro.

Novos jogos digitais como “Master Lemon” (Pepita Digital), “PoN” (Ilex Games) e jogos não digitais como “Macunaíma” (Coletivo Lúdico) e “Purposyum” (United Nations Office on Drugs and Crime) serão apresentados pelos criadores e propostos como parte de práticas pedagógicas inovadoras.

Sessões com foco na internacionalização de projetos de jogos de impacto social trarão líderes da indústria latino-americana e dos capítulos regionais da rede “Games for Change” para uma avaliação de novas estratégias de cooperação. A rede atua na América Latina, União Européia, África, Ásia e Oriente Médio.

O Festival também destaca abordagens mais filosóficas em mesas redondas sobre jogos e educação, alegoria e questões de gênero. A palestra de encerramento será proferida por Eric Zimmerman, um célebre autor e colaborador de longa data da cena “G4C”.

Mais informações estão disponíveis no site da “G4C Latam”, todas as sessões serão transmitidas entre 18 e 20 de novembro. A festa de confraternização final e inclui um “talk show” e começa às 19h (horário de Brasília) do dia 20 de novembro, organizado pela “Frente Nacional das Mulheres do Hip Hop”, fundada em 2010. Artistas como Priscila Fenics, Lunna Rabetti, Sharylaine e Meire D´Origem, do Estado de São Paulo, Andreia Felix, de Minas Gerais, Iza Negratcha, de Sergipe, e Udi, da Bahia, apresentarão e debaterão o futuro da arte e do entretenimento para a mudança no Brasil e na América Latina.

O Festival Games for Change América Latina 2022 conta com o seguintes apoios: Cidade do Conhecimento,  CTR-ECA-USP e Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar Humanidades,  Direitos e Outras Legitimidades, FFLCH.