Games for Change convoca desenvolvedores e estudantes para a 2ª edição da Gelly Jam

Com a organização da Games for Change, do Media Education Lab e grande mobilização de professores engajados em projetos que façam uso de novas tecnologias, a cidade de São Paulo sedia a segunda edição do Gelly Jam, um desafio para que desenvolvedores criem um game em apenas três dias. A ideia é colocar a mão na massa para criar games educativos.

O Gelly Jam já começou para dizer a verdade, foi no dia 30 de agosto, mas ele continua nos dias 13 e 14 de setembro, com a intenção de reunir desenvolvedores interessados em criar projetos de cunho educacional através da gamificação.

“Decidimos ampliar e prolongar a experiência de imersão no uso criativo de games na educomunicação após verificar na prática o impacto das oficinas na prática dos professores envolvidos”, afirma Gilson Schwartz, diretor da G4C no Brasil e curador, ao lado de Alexandre Sayad (MEL), da “Gelly Jam”.

Além da oportunidade de desenvolver um projeto inovador e fazer novos contatos, os participantes da Gelly Jam recebem uma cópia digital do livro (recém-lançado) “Brinco, Logo Aprendo: Educação, Videogames e Moralidades Pós-Modernas” do Prof. Gilson Schwartz, além de licenças dos games “Conflitos Globais”, “Ludwig” e “FazGame” e por fim, a adesão anual à comunidade “Games for Change no Brasil”. Esta adesão concede descontos em atividades da Games for Change até agosto de 2015.

Além da Game Jam, há outras atividades como oficinas e palestras que buscam explicar tendências da gamification na educação, com Alexandre Sayad e Bruna Waitman; e debate sobre a cultura dos games e a educomunicação digital, com Gilson Schwartz, diretor da Games for Change.

Quem tiver interesse em participar dos eventos, basta entrar em contato através de email para [email protected] e verificar disponibilidade e custo. Ou ainda entrar no site do evento. O Gelly Jam é uma rara oportunidade de conhecer e interagir com pessoas que querem levar os videogames para as salas de aula sem preconceitos.

2ª Gelly Jam

Insight Games Studios apresenta seus dois primeiros games

Hoje falaremos sobre os dois games criados pela produtora brasileira Insight Games Studios, pois eles têm características que podem deixar qualquer jogador casual bastante interessado. Trata-se dos games Tap Small Fish e Endless Flight. O estúdio surgiu há pouco tempo e é formado pela dupla José Renato e José Rodrigo.

O primeiro é um game que segue a fórmula de sucesso de Flappy Bird, sendo que a jogabilidade é praticamente idêntica ao do jogo que tornou-se hit na App Store. A diferença é que ao invés de um pássaro, os jogadores controlam um peixe que explora as profundidades do oceano, desviando de obstáculos. Tal qual o game inspirador, Tap Small Fish aposta no fator viciante para cativar os jogadores, além de um sistema de ranking social para desafiar os amigos.

Tap Small Fish tem gráficos mais elaborados que Flappy Bird e já que o original não pode mais ser encontrado para download, este aqui candidata-se a substituto imediato. Os jogadores devem desviar do máximo de obstáculos possíveis para alcançar a pontuação mais alta e ficar à frente dos amigos no ranking. O game está disponível para Android e iOS. Abaixo tem o trailer do game:

Já o segundo game é Endless Flight nos pareceu o mais interessante entre os dois. No título o jogador controla um pequeno avião e deve desviar de obstáculos também. A diferença é que nele você deve coletar itens no cenário para continuar o voo. A ideia deste game é de testar os reflexos dos jogadores como em um típico Infinite Run 2D.

O game oferece também um sistema de ranking global e entre amigos. O que torna o game bastante interessante são seus visuais repletos de cores vivas e o design das fases todo elaborado. Além disso, há um toque de estratégia aqui ao forçar o jogador a prestar atenção nos pontos de combustível para continuar a viagem. São necessários bons reflexos mesmo. O game também está disponível para iOS e Android.

Ajude o pobre Louis a sobreviver neste game Endless Runner

No início de agosto foi lançado na App Store e na Google Play outro game indie brasileiro que tem potencial para ser um grande sucesso. Criado pelo estúdio Team Louis, o jogo Louis destaca-se rapidamente de tantos outros jogos que estamos acostumados a ver de outros produtores brasileiros devido a variados aspectos.

O game é do gênero Endless Runner, ou seja, corrida desenfreada pela sobrevivência. Nele, os jogadores tomam o controle de um minúsculo verme de maçã chamado Louis que deve escapar a toda velocidade da mordida de um humano que está prestes a devorar sua casa. A complicação começa ao perceber que a maçã abriga diversos obstáculos como pedras, insetos, serras, pedras etc. Cabe ao jogador desviar desses perigos e levar o pobre verme para a segurança.

O estúdio não poupou esforços para tornar o game diferenciado e bastante trabalhando. Louis possui várias fases e o nível de dificuldade vai aumentando conforme o progresso do jogador. Ao final das fases os jogadores são confrontados por chefões, uma inspiração clara de Megaman e outros jogos de plataforma de ação.

O gameplay é simplificado, bastando ao jogador tocar na tela para subir e soltar para descer: tudo intuitivo de modo a conquistar jogadores de diversas idades. Além da necessidade de desviar dos obstáculos, o jogador deve soletar sementes ao longo das fases a fim de utilizá-las para comprar itens na loja do game, como novas roupas e chapéus como ternos e a roupa do Papai Noel.

Louis foi desenvolvido em um período de pouco mais de um ano e é fruto dos esforços de três desenvolvedores de Brasília. Além do fator gameplay facilitado, o título destaca-se pelo visual cartunesco e cores vibrantes. Há suporte para os idiomas inglês e português e pode ser encontrado para download por US$ 0,99 na App Store e  Google Play.

Abaixo tem o trailer do game Louis: