AfroGames inova com sala de stream dentro de favela em parceria com a HyperX

AfroGames

Já falamos recentemente do projeto AfroGames, que visa dar visibilidade a jovens da Comunidade Vigário Geral no Rio para aprender e trabalhar com streaming de jogos. O projeto AfroGames foi criado pelo Grupo Cultural AfroReggae e Ricardo Chantilly, empresário do mercado de entretenimento, que renovou sua parceria com a marca Hyper X, líder no segmento de periféricos gamers, que este ano além de fornecer todos equipamentos para o desenvolvimento dos alunos, contará com uma sala especialmente montada para formar streamers dentro do projeto.

“Para a HyperX é uma honra e um prazer fazer parte dos apoiadores do projeto AfroGames. Oferecemos os equipamentos para que os alunos tenham a melhor experiência e performance, e possam aproveitar ao máximo o conteúdo.”, explica Fabio Bottallo, gerente sênior de marketing estratégico da HyperX na América Latina. “Como marca que apoia o cenário de eSports há muitos anos, estamos felizes com o time profissional e desejando todo sucesso. Nosso objetivo é não apenas oferecer periféricos, mas também intercâmbio de conteúdo e conhecimentos para que esses jovens ampliem seus horizontes e estejam preparados para oportunidades no mercado.”

O AfroGames tem um Centro de Treinamento que foi o primeiro especializado em eSports dentro de uma favela. Construído no Centro Cultural Waly Salomão, fica na Zona Norte do Rio de Janeiro e disponibilizou no ano passado 100 vagas aos jovens da comunidade, com aulas de League of Legends, programação de computadores, produção de trilha sonora focada em games e inglês. Com toda infraestrutura necessária, desde cadeiras gamers e computadores de última geração equipados com periféricos da HyperX, o local formou 70 jovens e selecionou os melhores para serem integrantes do time AFG Esports.

Por meio do AfroGames, os jovens envolvidos com o projeto tem acesso a diversas oportunidades que permitem com que eles mudem o rumo de suas vidas, seja com a entrada no time de esports, com as aulas ou mesmo com todas as novas oportunidades que vem junto com o conhecimento transmitido. Um desses jovens é Luiz Augusto Jr, que fez parte da primeira turma do projeto, motivado pela falta de perspectiva estava à deriva dentro da comunidade, mas após participar do AfroGames passou a se dedicar à sua carreira como streamer.

Com previsão para reabertura em Janeiro de 2021, para garantir a segurança de todos e quando estará totalmente adequado às normas de segurança da OMS, respeitando o limite de alunos por turmas, disponibilizando máscaras e todo um esquema de higienização entre aulas para garantir a segurança de todos.

Além de HyperX, o AfroGames possui o patrocínio oficial da Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro e da Fusion Energy Drink, e conta com o apoio da GOL Linhas Aéreas, que juntos garantirão o retorno do projeto para mais um ano de atividades. Para este ano serão oferecidas aulas de League of Legends, Programação e Fortnite, além de aulas de inglês para todos.

Para mais informações sobre a HyperX e seus produtos, visite o site.

Autor: Luiz Silva

Luiz Silva, jornalista de games formado pela Universidade Paulista. Já escreveu para as revistas da Tambor Digital (EGW, Gameworld), para o site Player 2 entre outras coisas. "Sou um entusiasta por videogames, apesar de jovem já tive até um Atari, minha série favorita é Silent Hill".

Deixe seu comentário